Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

A. A. de Assis (Haicai de Primavera)


Concurso de Trovas de Arapongas/PR (Em 8 dias encerram-se as inscrições)


I Concurso de Trovas “Memorial Luiz Otávio”, da Delegacia de Arapongas/PR
Prazo Prorrogado: 30 de Setembro de 2016

Apoio Rotary Club Maracanã de Arapongas, Academia de Letras do Brasil/Paraná e Movimento União Cultural.

1. Âmbito Nacional/Internacional:

Tema: Irmão (l/f)

Novo Trovador: Lição (l/f)

Sistema de Envelopes (veja normas abaixo)
Enviar para: 
Andréa Motta
Rua Fernando Moreira, 370 – Centro
CEP. 80410-120 – Curitiba/PR

Por E-mail (veja normas abaixo)
OBS.: Ou por e-mail para o Fiel Depositário: 
José Feldman – E-mail: magodosversos@gmail.com 

Trovas enviadas por e-mail: a categoria pela qual concorre, endereço completo, telefone para contato, deverão constar no corpo do e-mail. Não serão aceitos anexos

2. Âmbito Estadual:

Tema: Gato (l/f) – Relativo ao animal.

Novo Trovador: Cão ou Cachorro (l/f) – relativo ao animal

Sistema de Envelopes(veja normas abaixo)
Enviar para: 
Flávio Stefani
Rua Otto Niemeyer, 2460
CEP. 91910-001 – Porto Alegre/RS

Por E-mail (veja normas abaixo)
OBS.: Ou por e-mail para a Fiel Depositária: 
Eliana Jimenez : poesiaemtrova@gmail.com  a partir de 1º de junho

Trovas enviadas por e-mail: a categoria pela qual concorre, endereço completo, telefone para contato, deverão constar no corpo do e-mail. Não serão aceitos anexos

3. Âmbito Estudantil (1º e 2º graus) ( Escolas do Município)

Tema: Arapongas (l/f) – relativo à cidade

Sistema de Envelopes (veja normas abaixo)
Enviar para: 
André Ricardo Rogério
Rua Irerê, 867 ap. 01 – Jardim Panorama
CEP. 86708- 030 – Arapongas/PR

Por E-mail (veja normas abaixo)
Para a Fiel Depositária: 
Eliana Jimenez : poesiaemtrova@gmail.com  a partir de 1º de junho.

Trovas enviadas por e-mail: a categoria pela qual concorre, endereço completo, telefone para contato, deverão constar no corpo do e-mail. Não serão aceitos anexos.

Máximo de 2 Trovas em cada tema.

Âmbito Países de Língua Hispânica

Tema: La palabra Hermano (a) (s), deberá estar dentro de cada trova (líricas o filosóficas)

Por e-mail (mira normas abajo)
En lengua española para el “fiel depositária”
Gislaine Canales
E-mail: gislainecanales@outlook.com 

Ou pelo Sistema de Sobres(mira normas abajo)
José Feldman
Rua Vereador Arlindo Planas, 901 casa A – Zona 6
CEP: 87080-330 – Maringá/PR

NORMAS PARA O CONCURSO

1. Máximo de 2 (duas) trovas em cada categoria

2. Sistema de envelopes – Sistema de Sobres (língua hispânica)
As trovas elevem ser coladas na face de um pequeno envelope. Dentro dele deverá estar o nome do autor com seus dados pessoais: endereço completo, e-mail se possuir, telefone fixo (e operadora para contato, no caso de celular. Ex: TIM, Vivo, Claro, etc.).
    Na face externa do envelopinho a trova (DIGITADA ou DATILOGRAFADA, não serão aceitas manuscritas) e o tema no alto da trova. Caso seja Novo Trovador, colocar abaixo da trova esta categoria. Lacrar o envelope. Num envelope maior colocar o nome e endereço a quem deve enviar, e no remetente, o mesmo endereço para quem está enviando, e o nome Luiz Otávio.

Observação: A trova deve ser digitada (datilografada), não serão aceitas trovas manuscritas. 
Exemplo:


 3. As trovas podem também ser enviadas por email, sendo o Estadual (Paraná) e o Estudantil (Município de Arapongas) para a Fiel Depositaria, Eliana Jimenez, email: poesiaemtrova@gmail.com ou o Nacional/Internacional em língua portuguesa para José Feldman, email: magodosversos@gmail.com e Países de Língua Hispânica, para Gislaine Canales, gislainecanales@outlook.com.
Exemplo de envio por email:

4. As Trovas devem ser inéditas, isto é, que não tenham sido premiadas em outros concursos ou divulgadas pela internet ou outros meios de divulgação até a data da publicação do resultado.

5. O Trovador só poderá participar em 1 (uma) categoria ou 1 (um) âmbito. Exs: Se for Novo Trovador não poderá participar de Veteranos também. Também se for do Paraná, só poderá participar no Estadual.

6. O Prazo se encerra em 30 DE SETEMBRO DE 2016. (válido o carimbo do correio), ou até meia-noite deste dia, se for por e-mail.

7. Será considerado Novo Trovador, aquele trovador que não obteve até a divulgação deste regulamento 3 (três) classificações em concursos de trovas oficiais da UBT, a nível nacional, independente de ser associado ou não à UBT.

8. Os resultados serão divulgados no Boletim Nacional, no blog da Delegacia de Arapongas (www.ubtarapongas.blogspot.com.br), facebook, emails enviados aos premiados.

9. As decisões das comissões julgadoras serão definitivas.

10. A participação no concurso significa aceitação plena das normas aqui relacionadas.

11. Não poderão participar do concurso os membros da União Brasileira de Trovadores — Delegacia de Arapongas.

Arapongas, 2 de maio de 2016.
ubt.arapongas@gmail.com

André Ricardo Rogério (Delegado)
José Feldman (auxiliar) 

Gaveta de Haicais n. 9




1
sabiá canta
Sempre uma mesma canção:
– O belo não cansa.
Afrânio Peixoto
2
Por trás do combate
feroz do vento e das nuvens
a intocada estrela.
Alexei Bueno
3
Raios!
Alguém rasgou
o terno azul da tarde
Alonso Alvarez
4
Bem que me agasalho.
Galhos sem folhas lá fora
parecem ter frio.
Anibal Beça
5
Ovos de Páscoa!
Alegria num dia, e no outro,
espinhas no rosto.
Bianca T. Tsurumaki
6
Deu no jornal:
economia vai bem
o povo vai mal
Carlos Seabra
7
Uma borboleta
Beija uma flor murcha
Sobre a lousa fria
Edson Kenji Iura
8
Neste bosque urbano
árvore feita em concreto
– meu corpo estremece.
Eolo Yberê Libera
9
Nuvens no céu
a andorinha anuncia
a chuva de verão
Estrela Ruiz Leminski
10
Olhando nos olhos
que o lago reflete
Narciso se esquece
Eugénia Tabosa
11
À beira do lago
aliso o brilho da lua
com as mãos molhadas
Eunice Arruda
12
No mar arrepiado
desse teu corpo moreno
naufrago feliz.
Evandro Moreira
13
Dentre os arvoredos
Apenas algumas réstias.
Sol aprisionado.
Franciela Silva
14
Jasmineiro em flor.
Ciranda o luar na varanda.
Cheiro de calor.
Guilherme de Almeida
15
Verdes vindo à face da luz
na beirada de cada folha
a queda de uma gota.
Guimarães Rosa
16
No asfalto pulando
uma minhoca fininha.
Errou o caminho?
H. Masuda Goga
17
Chuva amedrontada
mar majestoso e sombrio
inverno no ar.
Helena Monteiro
18
Muita brisa à noite.
Dos jasmineiros da rua,
perfumes e flores.
Humberto del Maestro
19
Pétala a pétala
com delícia se desfolha
a alcachofra.
Jorge Lescano
20
Reino das saúvas:
num palácio escuro
mora uma rainha.
José N. Reis
21
A névoa brinca
na estrada – com os faróis –
de esconde-esconde.
Laurita Gentil
22
Livro aberto gelado
o norte geme no vento
sobre a página branca
Lisa Carducci
23
O brilho do salto
do peixe na cascata,
lâmina de prata.
Luiz Bacellar
24
Bolha de sabão.
Uma explosão colorida
sem nenhum estrondo.
Maria Reginato Labruciano
25
Na névoa densa,
barcos pesqueiros chegando...
festejam gaivotas.
Naoto Matsushita
26
Sementes de algodão
agora são de vento
as minhas mãos
Nenpuku Sato
27
Lá fora o luar continua
e o trem divide o Brasil
como um meridiano
Oswald de Andrade
28
O lago da montanha -
Termina do lado leste
A tarde dos patos
Paulo Franchetti
29
Abrindo um antigo caderno
foi que eu descobri
antigamente eu era eterno
Paulo Leminski
30
Quase escondida
entre a casca e o tronco
teia de aranha.
Rodrigo de Almeida Siqueira
31
No poço da quinta
o balde traz-me
estilhaços da lua
Rogério Martins
32
A lua minguante
procura com quem falar
na boca da noite
Ronaldo Bomfim
33
Quantas folhas mortas
No chão. Ah! Seu coração,
Poeta, é solitário.
Ronnaldo Andrade

34
Sobre a cerca,
os mais novos girassóis –
ninguém à vista
Rosa Clement
35
Treme um haicai
na ponta da espada
de um samurai
Sandra Santos
36
Gaiola no muro.
Filhote de gato ensaia
primeira caçada. 
Teruko Oda

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to