Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Trova LXII

Paulo Monteiro (A Trova no Espiríto Santo – Parte II)

Pintura capixaba de Ignácia Macedo
VILA VELHA

Vila Velha, como já dissemos, também teve seu concurso de trovas, uma promoção modesta e menos ousada que as anteriores. Em 1971, sob o tema PELÉ.

0 vencedor do I CONCURSO DE TROVAS DE VILA VELHA, organizado pela UBT local, foi o saudoso trovador Cegídio Ambrogi, de Taubaté, com esta trova:
-
Que o Brasil todo enaIteça,
tanto a Rui, como a PELÉ.
Se um o honrou pela cabeça,
o outro o honrou usando o pé.
-
CLUBE DOS TROVADORES CAPIXABAS

Conforme vimos, antes, a UBT não teve uma existência muito fértil no Espírito Santo.

Parece que ela não se transformou no Clube dos Trovadores Capixabas (CTC) como disse o professor José Augusto Carvalho.

Da UBT, no Espírito Santo, porém, sobrou o exemplo que, tal qual a Fênix, renasceria no CTC.
Esse exemplo sobrou principalmente em/e para o penúltimo presidente da UBT de Vitória e Vila Velha, um jovem de 20 anos, nascido em 15 de setembro do 1950: CIério José Borges de Sant`Anna.

Não nos é difícil compreender - a nós que vivemos experiência semelhante - quanto pesa ver alguma coisa em que se depositou todo o desprendimento juvenil tombar sob a guilhotina inexorável dos acontecimentos.

Então, CIério José Borges, entre seus compromissos de trabalhador, chefe de família e estudante, passou a freqüentar bibliotecas à cata de materiais relacionados com a trova no território capixaba.

Numa dessas idas e vindas, em busca de informações úteis aos seus planos de pesquisa, na Biblioteca Pública de Vitória, deu de cara com “O TROVISMO”, um Iivro de Eno Teodoro Wanke, historiando o movimento dos modernos trovadores brasileiros.

Visto que ali quase nada se encontra com relação à trova em terras espírito-santenses, Clério José, feito uma fera, escreveu ao autor do livro.

Acabaram ficando amigos.

Dessa amizade surgiu a idéia de reativar o movimento em torno da trova em terras capixabas.
Sabe-se que CIério José pretendia uma entidade basicamente local. Somente “capixaba". Aos poucos se convenceu de que era necessário criar vínculos entre os trovadores capixabas organizados e trovadores de outras plagas.

Esclareça-se que o CTC entende, "para efeito de inscrição no Clube, como capixaba o (trovador) nascido no Espírito Santo e os que residam no Estado".

Assim é que o Clube dos Trovadores Capixabas foi fundado em 1º de juIho de 1980.

ATIVIDADES DO CTC

CONCURSOS NACIONAIS

A primeira atividade do Clube dos Trovadores Capixabas, que o projetou nacionalmente, foi o I CONCURSO DE TROVAS DA CIDADE DE VITÓRIA.

A realização do evento ficou sob responsabilidade do CTC e da Federação Cultural do Espírito Santo.

Dois foram os temas apresentados aos concorrentes: CAPIXABA, para as trovas humorísticas, e ANCHIETA, para trovas laudatórias, com referência ao padre José de Anchieta, há pouco beatificado.

Os três primeiros colocados, no primeiro tema, com as respectivas trovas:
-
1º lugar - ZÉ DE ÁVILA:
Na casa de um capixaba
se a gente chega sem pressa,
a pressa logo se acaba
quando a conversa começa.

2º lugar - JOÃO FIGUEIREDO:
Festa no Espírito Santo...
Quem for mineiro não vai.
- Você, aí nesse canto...
- Eu sou Capixaba... Uai.

3° lugar - IZO GOLDMAN:
O Capixaba garante
que sua terra é um encanto:
- Espírito tem bastante...
- o que falta mesmo é... Santo...
-
Já sob o terna Anchieta os três primeiros lugares ficaram assim distribuídos:
-
1º lugar - RANGEL COELHO:
Anchieta, pelo que diz
seu evangelho de luz,
foi o FRANCISCO DE ASSIS
das terras de Santa Cruz.

2º lugar - ALOÍSIO BEZERRA:
Lá no céu muito chorou
ANCHIETA, e tem chorado
que o índio, a quem tanto amou
no Brasil só tem penado.

3º lugar - VICENTE NOLASCO COSTA:
Vitória dos meus encantos
coração do meu planeta,
venero, dentre teus santos,
o grande santo ANCHIETA.
.
No dia 4 de outubro do 1980, no Teatro Carlos Gomes, de Vitória, em sessão solene, foram entregues os prêmios aos vencedores desse primeiro concurso, e diplomas aos sócios fundadores e sócios de honra presentes.

Logo depois, a Fundação Cultural foi extinta e o livro com as trovas - quarenta ao todo - vencedoras do CONCURSO DE TROVAS DA CIDADE DE VITÓRIA ficou sem patrocinador.

CONCURSOS INTERNOS

Uma outra característica marcante do Clube dos Trovadores Capixabas é a realização quase que permanente de concursos internos de trovas. Estes elevaram-se a cinco no primeiro ano do existência do CTC.

O primeiro desses concursos foi realizado em novembro de 1980, obedecendo ao tema GASOLINA, para trovas humorísticas.

Foram recebidas 54 trovas e o resultado oficial foi este:
-
1º lugar - BEATRIZ ABAURE:
Num posto de álcool na esquina,
diz um bêbado que passa:
- Isto que é gasolina!
- Tem cheiro até de cachaça.

2º lugar - VICENTE NOLASCO COSTA:
Sobe o gás e sobe o óleo,
gasolina é todo dia.
Quanto mais sobre o petróleo
mais aumenta a mordomia.

3º Iugar - JOÃO FIGUEIREDO:
O preço da gasolina
Vai subir mais (e não bufe!)
até que jorre da mina
o petróleo do Maluf...

4º lugar - ALYDIO C. DA SILVA:
Na crise da gasolina,
tive um lampejo de estalo:
Deixo o carro na oficina
e vou andar a cavalo.

5º lugar - VICENTE NOLASCO COSTA:
Vou vender tudo que pego.
Vou trocar rádio e buzina,
ou botar tudo no prego
ou ficar sem gasolina.
-
Receberam menções honrosas as seguintes trovas, por ordem alfabética de seus autores:
-
Se acabar a gasolina,
melhor é ficar na roça:
Lá não tem gente granfina,
todo mundo usa carroça...
ÁBNER DE FREITAS COUTINHO

Gasolina eu pus de lado
pois era um gastar sem fim,
e o carro a áIcooI hidratado
bebe quase igual a mim...
BEATRIZ ABAURRE

Vamos cavar, gente fina,
tentar óIeo encontrar.
Pois carro sem gasolina,
"alcoólatra”... vai ficar.
VALSEMA RODRIGUES DA COSTA

Hoje dei em pagamento
um tanque de gasolina
por um lindo apartamento
com garaje e com piscina.
VICENTE NOLASCO COSTA

Derivado do petróleo
que o capixaba assim glosa:
- Sendo "óleo", contém álcool,
sendo líquida é "gasosa".
ZEDÂNOVE TAVARES
-
Este concurso contou com o valioso apoio do CORREIO POPULAR, de Cariacica, onde é editada uma coluna dedicada à trova, sob responsabilidade de CIério José Borges.
--------------------
continua...

Erros Mais Comuns da Lingua Portuguesa (Parte II)


21 – Atraso implicará “em” punição. Implicar é direto no sentido de acarretar, pressupor: Atraso implicará punição. / Promoção implica responsabilidade.

22 – Vive “às custas” do pai. O certo: Vive à custa do pai. Use também em via de, e não “em vias de”: Espécie em via de extinção. / Trabalho em via de conclusão.

23 – Todos somos “cidadões”. O plural de cidadão é cidadãos. Veja outros: caracteres (de caráter), juniores, seniores, escrivães, tabeliães, gângsteres.

24 – O ingresso é “gratuíto”. A pronúncia correta é gratúito, assim como circúito, intúito e fortúito (o acento não existe e só indica a letra tônica). Da mesma forma: flúido, condôr, recórde, aváro, ibéro, pólipo.

25 – A última “seção” de cinema. Seção significa divisão, repartição, e sessão equivale a tempo de uma reunião, função: Seção Eleitoral, Seção de Esportes, seção de brinquedos; sessão de cinema, sessão de pancadas, sessão do Congresso.

26 – Vendeu “uma” grama de ouro. Grama, peso, é palavra masculina: um grama de ouro, vitamina C de dois gramas. Femininas, por exemplo, são a agravante, a atenuante, a alface, a cal, etc.

27 – “Porisso”. Duas palavras, por isso, como de repente e a partir de.

28 – Não viu “qualquer” risco. É nenhum, e não “qualquer”, que se emprega depois de negativas: Não viu nenhum risco. / Ninguém lhe fez nenhum reparo. / Nunca promoveu nenhuma confusão.

29 – A feira “inicia” amanhã. Alguma coisa se inicia, se inaugura: A feira inicia-se (inaugura-se) amanhã.

30 – Soube que os homens “feriram-se”. O que atrai o pronome: Soube que os homens se feriram. / A festa que se realizou… O mesmo ocorre com as negativas, as conjunções subordinativas e os advérbios: Não lhe diga nada. / Nenhum dos presentes se pronunciou. / Quando se falava no assunto… / Como as pessoas lhe haviam dito… / Aqui se faz, aqui se paga. / Depois o procuro.

31 – O peixe tem muito “espinho”. Peixe tem espinha. Veja outras confusões desse tipo: O “fuzil” (fusível) queimou. / Casa “germinada” (geminada), “ciclo” (círculo) vicioso, “cabeçário” (cabeçalho).

32 – Não sabiam “aonde” ele estava. O certo: Não sabiam onde ele estava. Aonde se usa com verbos de movimento, apenas: Não sei aonde ele quer chegar. / Aonde vamos?

33 – “Obrigado”, disse a moça. Obrigado concorda com a pessoa: “Obrigada”, disse a moça. / Obrigado pela atenção. / Muito obrigados por tudo.

34 – O governo “interviu”. Intervir conjuga-se como vir. Assim: O governo interveio. Da mesma forma: intervinha, intervim, interviemos, intervieram. Outros verbos derivados: entretinha, mantivesse, reteve, pressupusesse, predisse, conviesse, perfizera, entrevimos, condisser, etc.

35 – Ela era “meia” louca. Meio, advérbio, não varia: meio louca, meio esperta, meio amiga.

36 – “Fica” você comigo. Fica é imperativo do pronome tu. Para a 3.ª pessoa, o certo é fique: Fique você comigo. / Venha pra Caixa você também. / Chegue aqui.

37 – A questão não tem nada “haver” com você. A questão, na verdade, não tem nada a ver ou nada que ver. Da mesma forma: Tem tudo a ver com você.

38 – A corrida custa 5 “real”. A moeda tem plural, e regular: A corrida custa 5 reais.

39 – Vou “emprestar” dele. Emprestar é ceder, e não tomar por empréstimo: Vou pegar o livro emprestado. Ou: Vou emprestar o livro (ceder) ao meu irmão. Repare nesta concordância: Pediu emprestadas duas malas.

40 – Foi “taxado” de ladrão. Tachar é que significa acusar de: Foi tachado de ladrão. / Foi tachado de leviano.
--------------------------
--------------
Fonte:
http://www.culturatura.com.br/

José Roberto Torero (Algumas razões nobres e outras plebéias)



Dois tipos de razões me levam a escrever: as razões nobres e as plebéias.
As plebéias são as tradicionais: fama, dinheiro e mulheres.

Pensava que, como um escritor, teria um pouco dessas três coisas, mas a fama de um escritor é irrisória perto da de um razoável centroavante. O dinheiro é ridículo, se comparado ao que ganha qualquer desafinado cantor de pagode.

E, quanto ao gemido das mulheres, qualquer ator que tenha feito uma aparição na Globo é mais solicitado do que eu.

Na verdade, até hoje só uma leitora sorriu-me de um modo mais insinuante: uma senhora chamada Noemi. Muito simpática, mas octogenária.

Há, porém, os motivos nobres.

Como tive muitos professores humanistas, prendeu-se em mim essa idéia hoje tida como ridícula de que "devemos lutar por um mundo melhor", hoje trocada por "devemos maximizar os lucros".

Acho que escrevendo, posso, de alguma forma, influenciar as pessoas. Posso fazê-las rir dos maus costumes e dos maus personagens, posso fazê-las perceber um vício e exaltar uma atitude, posso falar bem da honestidade e mal de Maluf e Pitta, posso falar bem da coerência e mal da compra de votos pela reeleição, posso falar bem da coragem e mal da aliança com o PFL.

Mas, na verdade, acho que nesse quesito eu também apenas vou conseguir virar a cabeça de Dona Noemi.

Enfim, apesar do fracasso de minhas motivações nobres e plebéias, não posso me queixar da sorte. O trabalho não me deixa suado como um cantor de pagode, não levo pontapés como um centroavante e, ainda por cima, ando pelas ruas despreocupado, sem temer que fãs puxem meus cabelos ou tentem rasgar minhas roupas.

Se bem que, no lançamento do meu último livro, Dona Noemi tenha me dado um beliscão na bunda.

Fontes:
http://www.redacaocriativa.com.br/
Imagem = http://pre-vestibular.arteblog.com.br

José Roberto Torero (O Chalaça)



Chalaça quer dizer zombeteiro, gracejo, caçoada.

Narrada em 1ª pessoa, esta obra constitui-se do caderno de anotações de Francisco Gomes da Silva, conselheiro do Império, que, durante um bom tempo, foi um dos mais importantes auxiliares e o mais próximo de Dom Pedro I. Houve quem o chamasse de alcoviteiro e safardana, mas tais acusações não passam de calúnias.

Se o chalaça - este era seu apelido - conseguiu ascender de simples serviçal a um dos mais influentes homens do Império brasileiro, isto aconteceu principalmente graças à sua privilegiada inteligência. Além de habilidoso conselheiro, este companheiro de D. Pedro I foi também um brilhante filósofo, conforme demonstram algumas de suas teorias que aqui estão. Como pôr exemplo aquela na qual ele estabelece a profunda relação entre o fluxo sangüíneo e o funcionamento do cérebro no momento da cópula, o que explica tantas e tantas atitudes masculinas. O personagem esteve em todos os grandes acontecimentos da jovem nação brasileira: gritou, junto com o imperador, às margens do Ipiranga, escreveu a primeira Constituição e dissolveu com bravura a primeira Assembléia Constituinte.

O chalaça foi, enfim, um exemplo acabado de homem e estadista, e constituiu-se num modelo muito imitado pelos brasileiros, desde aqueles tempos até os dias de hoje. Mas Francisco Gomes também sabia fazer rir.

Não é à toa que seu apelido significa gracejo, caçoada, zombaria. Seu humor fino e inteligente, seu talento musical (tirava inspirados lundus de sua viola) e sua habilidade ao intermediar os encontros de D. Pedro I com as filhas de Eva fizeram com que ele fosse a companhia favorita do imperador enquanto não admirava as flores pelo lado da raiz.

Pode ser que o Chalaça, em seu diário, falte com a verdade em alguns trechos, mas não o julguemos mal. Se há exageros e omissões em sua narrativa, é porque assim funciona a memória, prolongando vitórias e dissimulando derrotas. Talvez por conta disso ele seja acusado de imprecisão histórica.

Chalaça, um píncaro por excelência, teria escrito algumas das páginas mais elegantes e divertidas de que se tem notícia sobre os termos do Primeiro Império.

Estávamos lá eu, o Caldeira Brant, que recentemente recebera o título de Marquês de Barbacena, o gentil-homem do paço João da Rocha Pinto e o criador de cavalos João Carlota. Estes dois eram figuras assíduas nos saraus e eu até já fizera com eles alguns negócios. O marquês eu conhecia de vista e era uma das principais vozes do Império. Até então havíamos trocado apenas alguns comprimentos de cabeça. O fidalgo usava coletes engomados ao exagero e ostentava medalhas muito lustradas mesmo nas mais simples recepções. Entramos numa sala um tanto pequena em que havia apenas uma mesa redonda com cinco cadeiras. Eu. como secretário particular de Sua Majestade, obviamente, deveria ficar ã sua direita, mas o marquês se antecipou e tomou a cadeira na qual eu costumava sentar-me.

"Este era o seu lugar? Perdão, não tive intenção, queria sentar-me. Pensei que os nobres sempre tivessem a preferência de se assentar à direita do soberano."

Ele já ia se levantando quando pus a mão em seu ombro. Não podia deixar que ele se mostrasse tão superior aos olhos do Imperador.

"Por favor, Marquês, não queira se incomodar; o Imperador é canhoto mesmo."

Fonte:
http://www.pobrevirtual.com.br/

José Roberto Torero (1963)



José Roberto Torero Fernandes Júnior (Santos, 9 de outubro de 1963), conhecido como Torero, é um escritor, cineasta, roteirista, jornalista e colunista de esportes brasileiro.

Formado em Letras e Jornalismo pela Universidade de São Paulo, é autor de diversos livros, como "O Chalaça", vencedor do prêmio jabuti de 1995.

Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil.

Cursou, sem concluir, pós-graduação em Cinema e Roteiro.

No Jornal da Tarde, de São Paulo, iniciou sua carreira de cronista e depois começou a escrever para revista Placar textos sobre futebol, colabora com a Folha de São Paulo desde 1998.

Como roteirista nos longas A Felicidade É e Pequeno Dicionário Amoroso.

É sócio proprietário da Realejo Livros, em Santos.

Atualmente, Torero mantém um blog no portal UOL, o Blog do Torero. Publica também o Blog do Lelê, seu sobrinho fictício, iniciado durante a Copa do Mundo de 2006.

Bibliografia
Livros
Galantes Memórias e Admiráveis Aventuras do Virtuoso Conselheiro Gomes, o Chalaça
Brevíssima história das gentes de Santos
Terra Papagalli (com Marcus Aurelius Pimenta)
Santos, um time dos céus (com Marcus Aurelius Pimenta)
Futebol é bom pra cachorro (com Marcus Aurelius Pimenta)
Os cabeças-de-bagre também merecem o paraíso
Ira - Xadrez, truco e outras guerras
Os Vermes
Dicionário Santista
Pequenos amores
Zé cabala e outros filósofos do futebol
Uma história de futebol
Nuno descobre o Brasil
Naná descobre o céu
Nonô descobre o espelho
O pequeno rei e o parque real
As primeiras histórias de Lelê

Roteiros

Amor!
Morte
Uma História de Futebol
Amassa que elas gostam
Pequeno Dicionário Amoroso
Um Homem Sério
Como fazer um filme de amor
Memórias Póstumas
O cantor de samba
Oswaldo Cruz
O casamento de Louise

Curtas

O Bolo (Felicidade É...)
Morte
A Alma do Negócio
Amor
A Inútil Morte de S. Lira
Nunc et Semper

Vídeos

Glauber Rocha - Quando o cinema virou samba
O mundo cabe numa cadeira de barbeiro
Como fazer um filme de amor

Teatro

Sic transit gloria Dei
Romeu e Julieta – Segunda parte (com Marcus Aurelius Pimenta)
Omelete (com Marcus Aurelius Pimenta)

Televisão

Professor Planeta (ESPN-Brasil), estrelado por Marcelo Tas.
Retrato Falado (Fantástico–TV Globo), estrelado por Denise Fraga.
Manual de Instruções (Fantástico–TV Globo), estrelado por Pedro Cardoso.

Prêmios Recebidos

O Chalaça
Prêmio no Concurso Nascente, da Editora Abril e USP. (1992)
Prêmio Aplub, categoria romance. (1994)
Prêmio Jabuti de Romance e Livro do Ano. (1995)

Fontes:
Wkipedia
Projeto Releituras

Mark Twain (As Aventuras de Tom Sawyer)



SINOPSE

As divertidas histórias de Tom, um menino órfão, sonhador e muito esperto, são contadas com muito humor e lirismo. E mostram a importância de uma amizade e da descoberta do amor. Texto integral em cuidadosa tradução. Numa pacata cidadezinha às margens do Mississípi, o menino Tom vive encrencado com a tia, o irmão e a escola.

Malandro e espertíssimo, dizem que ele tem tudo para virar presidente, se não for enforcado antes… Enquanto nenhuma das duas coisas acontece, Tom brinca de pirata, pele-vermelha, Robin Hood e o que mais lhe der na cabeça, mesmo que ás vezes os perigos de mentirinha se tornem bem reais e assustadores! Durante a história o leitor embarca com os garotos-pirata do Mississípi num clássico do humor, mistério e ação!

ANÁLISE DA OBRA

Há maior significado profundo nos contos de fadas que me contaram na infância do que na verdade que a vida ensina.” (Schiller)

Tom Sawyer é um menino aventureiro, pobre, espertíssimo e órfão - quando ainda bebê seus pais faleceram, tendo que então morar com sua tia Polly, “(…) É filho de minha falecida irmã, o coitadinho (…)" p.12, mais o seu irmão Sid – que se comporta totalmente ao oposto de Tom e sua prima Mary – um pouco mais velha, religiosa e dada aos afazeres doméstico.

A personagem de Tom Sawyer serve para representar o sonho de muitas crianças: desejo de ser visto como um herói. “ (…) É possível que o estômago de Tom nunca houvesse sentido verdadeira fome por aqueles prêmios, mas não resta dúvida que todo o seu ser, em muitas ocasiões, ansiou pela glória que deles advinha.” p.37 Tom vive numa busca constante de glória para provocar inveja em seus companheiros “ (…) Todos os meninos remorderam-se de inveja; mas _ mas o que mais lhes doeu foi verificar que eles mesmos haviam contribuído para aquele triunfo, quando negociaram com Tom os seus cartões (…).” p. 41, conquistar o coração de sua amada Becky Tatcher e ser admirado pelos adultos “ (…) Um estante depois lá estava ele espinoteando como um índio selvagem, gritando, rindo, perseguindo os outros, jogando coisas, ficando de pés para o ar – fazendo todas as coisas heróicas que lhe vinham à cabeça, sempre com o olho alerta para ver se Becky Thatcher prestava atenção (…).” p. 101. Não tem medo de nada, é forte, ágil, carismático e sedutor.

Ser pirata e descobrir tesouros é o seu sonho. Amigos não lhe falta, mas é com os seus companheiros, Huckleberry Finn, ou apenas Huck, e Joe Harper que Tom partilha as suas maiores aventuras, como se isolar por dias numa ilha deserta no meio do rio, consentindo que os parentes pensassem que eles haviam morrido. “ (…) Os três meninos “mortos” vinham “ressuscitando!” – vinham entrando, Tom à frente, Joe em seguida e Huck todo trapos atrás! (…).” p.135.

Tom utiliza dessa e de várias outras estratégias para ser notado, passando, muitas vezes, por situações embaraçosas e perigosas – exemplo: quando ele e Huck presenciam um assassinato e passam a conhecer o perigoso Injun Joe, o índio, e procuram pelo tesouro perdido. “ (…) Tom disse: … e assim que o doutor pegou na tábua e Muff Potter caiu, Injue Joe saltou de faca em punho e …” p.173

Na obra o mundo adulto se contrapõe ao mundo infantil. Com base no fragmento abaixo, percebemos que compete aos adultos – a educação - ou seja, aplicar as regras, e às crianças rompê-las, pois raramente as cumpriam.

(…) A viúva é muito boa e amiga _ mas eu não agüento aquelas histórias. Ela me faz levantar todos os dias à mesma hora, e tomar banho; e me penteiam e me escovam; e não me deixam dormir no lenheiro; tenho que andar com umas roupas que me incomodam , que não deixam entrar o ar e são tão finas que não posso sentar-me no chão ou rolar pela areia. Tenho de ir à igreja, e suar, suar, a ouvir aqueles sermões. Não gosto de sermões. Não posso pegar uma mosca, nem mascar fumo. Tenho aos domingos de andar calçado o dia inteiro. A viúva não faz nada sem o toque da campainha _ levantar-se, deitar-se, comer… Tudo numa ordem tão horrível que um ser humano não agüenta.” p.249

Mark Twain relata de forma muito superficial a vida dos adultos na obra, procura enfatizar muito mais o universo infantil, revelando a verdadeira essência do ser humano ainda não corrompido pela sociedade: A beleza da ingenuidade, a espontaneidade, a generosidade e a sinceridade presentes na criança. “ (…) eles não me esquecem (…) vocês tem sido tão bons comigo (…) Estas mãozinhas pequenas e fracas, mas muito que tem ajudado Muff Potter, e mais o ajudariam, se pudessem.” p.169

Outro fato marcante a ser ressaltado é a passagem que relata quando as crianças pintam a cerca por diversão. “Tom havia passado horas muito divertidas na companhia dos meninos e a cerca estavam com três mãos de pintura!” p.24. Isso mostra-nos que os dissabores e amarguras do mundo adulto, em situações idênticas para as crianças representam mais uma de suas aventuras, uma vez que vivem num mundo de sonhos e fantasias, tais sentimentos que se perdem quando alcançamos a maturidade.

As Aventuras de Tom Sawyer não é um livro pedagógico, já que não tem intenção de educar e sim de divertir. Pode-se averiguar na leitura que as principais personagens da obra não são modelo a ser seguido, principalmente o protagonista, Tom Sawyer, que viola em todo momento as regras estipuladas pelos adultos, ou seja, os princípios impostos pela sociedade.

Diante disso, no prefácio o autor tenta levar o leitor a crer que o livro trata-se de histórias reais, apenas com um pouco de fantasia, no intuito de ocultar qualquer tendência que pudesse revolucionar na época, pois se a obra fosse considerada imprópria, poderia ser proibida de circular, principalmente por se tratar de um livro indicado para o público infanto-juvenil, onde poderia representar um perigo para as crianças "(…) Fazemos que os parentes juntem todo o dinheiro que possam e resgatem o preso; (…) se não pagam, então sim _ zás! Faca no pescoço.” p. 237, incentivando-as a se rebelarem, visto que muitas vezes, Tom não era castigado pelos seus atos, pelo contrário, era visto como herói em suas façanhas. A responsável por sua educação é a tia Polly. “ (… ) A verdade é que não ando cumprindo o meu dever com este menino (…) Ele tem o demo no corpo, mas o que fazer? (…) Não tenho coragem de surrá-lo. Cada vez que o deixo escapar minha consciência dói; e se o agarro, o que dói é meu coração.” p.12.

Tom não é um menino exemplar: é rebelde, não obedece a ninguém, não quer estudar “ (…) se tivesse amanhecido doente, não iria à escola (…) “ p.49, detesta andar de sapatos, “(…) Tom teve esperança de que Mary se esquecesse dos sapatos, mas foi esperança vã; (…) e ele entrou nos sapatos resmungando (…)” p.35 ter de ir aos domingos à missa, ter que tomar banho “ (…) Que vergonha Tom, um menino desse tamanho com medo de água! Água não machuca ninguém.” p.34 e mente sempre para evitar castigos ou sair de situações inesperadas.

Ele é uma criança muito difícil de tratar, espécie de degenerado da casa, mas a tia mesmo assim o estima muito, embora não deixa demonstrar para não estragar na educação, pois por algumas vezes acaba sendo necessário castigá-lo com alguma dureza, porém, em outras, não sofre nenhum castigo, pois ela deixa-se passar para trás, fazendo-se de desentendida. “ (…) Parece que cheira até que ponto pode me atormentar; e sabe que se consegue me atrapalhar ou fazer rir-me, já está livre de sova (…).” p.12

Tom Sawyer tem como arma principal para sobreviver na sociedade – a inteligência, ou melhor, a malandragem. Usa a esperteza para se safar de situações inusitadas ou barganhar quando está em condições de desvantagem, mesmo que seja necessário enganar os outros. Seu brinquedo é a sua astúcia – capaz de manipular a todos por meio da malandragem. Tom – o herói infantil do romance é um menino normal, que vive em busca do prazer e da aventura.

(…) enquanto o Big-Missouri trabalhava e suava ao sol, ficou ali sentado numa travessa, a comer a maçã e a pensar na caçada de outros inocentes. Material não lhe faltava, e constantemente vinham meninos, que paravam para caçoar e acabavam pintando (…) Lá pela tarde, Tom, que tinha começado o dia paupérrimo, estava o que havia de rico (…)” p.24

Fontes:
– TWAIN, Mark. As aventuras de Tom Sawyer. 5 ed. São Paulo: Brasiliense, 1961.
– Análise da Obra por Marli Savelli de Campos, disponível em http://mscamp.wordpress.com/as-aventuras-de-tom-sawyer/

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Manuel Bandeira (Andorinha)

Poesia sobre imagem do blog http://bloguitim.blogspot.com

Lilian Maial (O Dia Seguinte)


Naquela, como em todas as manhãs, mal acordou, foi para a janela – seu olho mágico para a vida.

Sentiu prazer em reparar no amanhecer ao longe, espremido entre prédios altos e algumas árvores insistentes. No fundo, gostaria de morar frente ao mar e ser acordada pela brisa fresca, com cheiro de peixe vivo. Mas já era conformada com a fumaça, os barulhos urbanos e os pássaros da resistência.

Deu sua espiada matinal até onde seu campo de visão permitia. Não pôde se furtar de participar (passivamente) da discussão entre o casal, logo cedo, por falta de combustível no carro (sim, morava em frente a um posto de gasolina e suas histórias). Também não abriu mão do olhar de raio ávido do frentista ao percebê-la em trajes de dormir.

Era um dia cinzento e frio. Notou faces carrancudas, castigadas pela vida. Um homem sem grandes expectativas busca consolo nos copos de botequim, antes de ser subjugado pela obediência às normas. A mulher bem vestida, exibindo olhos aflitos por atenção, cujo coração doía mais que o calo no calcanhar. A menina de uniforme, abraçando a mochila, como que a esconder os jovens seios teimosos a romper-lhe a blusa fina. O velho doente, curvado sobre os anos, a catar papéis no chão. A senhora infrutífera, que certamente deixaria seus bens ao cachorrinho agasalhado, conduzido com orgulho.

Tudo normal para uma segunda-feira, não fora o atraso do vizinho. Os minutos se passavam, e nada da sirene da garagem. O carro branco não saía da toca. As janelas do apartamento estavam estranhamente fechadas. Estava frio, era fato, porém ele não parecia ser do tipo que fecha janelas por queda de temperatura. Aparecia sempre sem camisa, e foi esse o motivo de ter-lhe chamado a atenção. O que teria acontecido? Ontem ainda o vira de relance, televisão ligada, mulher passando para lá e para cá, luz do quarto dos filhos apagada. Foi vencida pelo sono, não chegou a vê-lo desligar tudo para recolher-se.

A buzina estridente dos carros, no sinal de trânsito, a desviaram por segundos – ambulância pedindo passagem. De volta aos devaneios, onde estaria o cara? Aperta os olhos, encosta o mais que pode na esquadria, mas não obtém respostas. Olha o relógio, está atrasada. Decide esperar um pouco. Melhor, enquanto se arruma, vai e volta à janela algumas vezes. E nada. Aflita, pensa em perguntar ao porteiro. Não, seria dar muita bandeira. Talvez buscar o telefone na lista. Há quanto tempo nem recebia lista telefônica... Por um instante pensou ter visto a cortina mexer. Sim, com certeza mexeu. Mas quem? Não tinha mais tempo, saiu para o trabalho. Na rua, a sensação de estar sendo observada. Lança um último olhar para a sua janela. Silêncio.

Trabalha o tempo inteiro distraída, aquilo em sua mente. Não se recorda do trajeto de casa ao Centro, nem de ter cumprimentado os colegas. Conversa com as pessoas apenas com uma parte do cérebro. A outra está lá. Algo em seu íntimo dizia que as coisas não iam bem.

Volta para casa, esperando ver a vidraça escancarada. Nada. O mesmo lacre.

Toma seu banho e janta com a velocidade dos ansiosos. Liga a televisão, mas não consegue acompanhar a taxa do dólar e nem as notícias mais sangrentas. Seu pensamento está lá, no quarto andar. Teria saído de madrugada? O carro estava lá, ela havia se certificado ao chegar, aguardando a porta da garagem abrir-se ao primeiro que chegasse ou saísse do prédio. Novamente cansada, deixou-se adormecer sem certezas.

Naquela, como em todas as manhãs, mal acordou, foi para a janela – seu olho mágico para a vida. Sentiu prazer em reparar no amanhecer ao longe, espraiado no horizonte, no encontro entre céu e mar. A brisa marinha a embaraçar-lhe os cabelos. No fundo, o cheiro de peixe a deixava enjoada. Gostaria de morar longe do mar e ser acordada pelo canto suave de pássaros no campo, com cheiro de café e pão de queijo. Mas já era conformada com a corrosão do sal, o condomínio de emergentes e os engarrafamentos do bairro mais caro da cidade.

Deu sua espiada matinal até onde sua varanda alcançava. Do décimo quinto andar podia ver até o umbigo de Deus. Ventava muito. Não pôde se furtar de participar (passivamente) da discussão entre o casal, logo cedo, por falta de margarina com zero por cento de gordura no desjejum (sim, morava em frente a um casal de meia idade e com meia-vida). Também não abriu mão do olhar de raio ávido do rapaz do apartamento em diagonal ao seu, quando a viu em trajes de dormir.

Era um dia claro e ensolarado. Notou as pessoas miúdas, feito formigas atarefadas, com prováveis níveis de glicose acima do recomendável. Gravatas, "notebooks", celulares, malhas colantes em corpos excessivos, crianças esquisitas, domésticas indomesticáveis. Um homem sem grandes expectativas busca consolo no rebolado da babá mulata com a criança. Lança-lhe alguns impropérios e reúne forças de macho para mais um dia carregando pedras. A mulher bem vestida, exibindo olhos aflitos por atenção, cujo coração doía mais que o calo no calcanhar. A menina de uniforme, com a mochila nas costas, exibindo os jovens seios adestrados a romper-lhe a blusa fina. O velho doente, curvado sobre os anos, a catar papéis no chão. A senhora infrutífera, que certamente deixaria seus bens ao cachorrinho agasalhado, conduzido com orgulho.

Tudo normal para uma terça-feira, não fora o atraso do vizinho. Os minutos se passavam, e nada das cortinas abrirem-se no apartamento em frente. O carro branco não saía da toca. As janelas do apartamento estavam estranhamente fechadas. Estava calor, era fato, e ele não parecia ser do tipo que fecha janelas para não entrar poeira. Aparecia sempre sem camisa, e foi esse o motivo de ter-lhe chamado a atenção. O que teria acontecido? Ontem ainda o vira de relance, televisão ligada, mulher passando para lá e para cá, luz do quarto dos filhos apagada. Foi vencida pelo sono, não chegou a vê-lo desligar tudo para recolher-se.

Os gritos da criança esquizofrênica do vizinho de porta, em novo surto, a desviaram por segundos. De volta aos devaneios, onde estaria o cara? Aperta os olhos, encosta o mais que pode na quina da varanda, mas não obtém respostas. Olha o relógio, está atrasada. Decide esperar um pouco. Melhor, enquanto se arruma, vai e volta algumas vezes. E nada. Aflita, pensa em perguntar ao porteiro. Não, seria dar muita bandeira. Talvez buscar o telefone na lista. Mas nem sabia o nome do sujeito... Por um instante pensou ter visto a cortina mexer. Sim, com certeza mexeu. Mas quem? Não tinha mais tempo, saiu para o trabalho. Na rua, a sensação de estar sendo observada. Lança um último olhar para a sua janela. Silêncio.

Trabalha o tempo inteiro agoniada. Não se recorda do trajeto de casa ao Centro, nem de ter cumprimentado os colegas. Não conversa com ninguém. Seu cérebro está em regime de emergência. Algo em seu íntimo dizia que as coisas não iam bem.

Volta para casa, esperando ver a vidraça escancarada. Nada. O mesmo lacre.

Toma seu banho e janta com a pasmaceira dos deprimidos. Liga o "home theater", mas não consegue acompanhar a queda da bolsa e nem as notícias mais sangrentas. Seu pensamento está lá, do outro lado. Teria saído de madrugada? O carro estava lá, ela havia se certificado ao chegar. Novamente cansada, deixou-se adormecer sem certezas.

Naquela, como em todas as manhãs, mal acordou, foi para a janela – seu olho mágico para a vida. Sentiu prazer em reparar no amanhecer ao longe, encoberto pela neblina entre as montanhas. O vento cortante a eriçar-lhe os pêlos. No fundo, o cheiro de pão de queijo a engordava. Gostaria de morar na cidade, no burburinho, onde as coisas acontecem. Ser acordada por buzinas e sirenes. Ver gente e seus problemas, de casa para a lida. Mas já era conformada com a vidinha pacata e preguiçosa, com as casas parecidas na rua privativa de moradores.

Deu sua espiada matinal até onde sua janela alcançava e seu jardim permitia. A neblina já estava se desfazendo e o orvalho havia deixado seus rastros úmidos nos banquinhos de jardim, nas pétalas e em algumas faces. Não pôde se furtar de participar (passivamente) da discussão entre o casal, logo cedo, por falta de camisa limpa e passada (sim, morava em frente a um casal evangélico, que pregava a vinda do Messias, que só chegava bem mais tarde, quando o marido já havia ido para a igreja). Também não abriu mão do olhar de raio ávido do rapaz que entregava o pão e leite na porta, ao arrancar-lhe, com a imaginação adolescente, os trajes de dormir.

Era um dia claro, embora sem sol. Notou as pessoas fechadas em seus casacos e seus mundinhos, feito ostras friorentas. Sobretudos, sobre nada. Senhores e senhoras varrendo quintais e suas próprias folhas de outono. Esposas lânguidas e gordas. Crianças rosadas, livres e mal educadas. Domésticas domesticadas. Mocinhas em bandos, com seus seios jovens e pontudos, disputando os galanteios grosseiros dos rapazes. Casacos, jaquetas, suéteres. Um homem sem grandes expectativas busca consolo no rebolado da babá mulata, que passa com a criança, e na branquinha em sua terceira dose, para suportar a dose que é seu trabalho de recolher os lixos. A mulher bem vestida, exibindo olhos aflitos por atenção, cujo coração doía mais que o calo no calcanhar. O velho doente, curvado sobre os anos, a catar papéis no chão. A senhora infrutífera, que certamente deixaria seus bens ao cachorrinho agasalhado, conduzido com orgulho.

Tudo normal para uma quarta-feira, não fora o atraso do vizinho. Os minutos se passavam, e nada das cortinas abrirem-se na casa do outro lado da rua. O carro branco não saía da toca. As janelas estavam estranhamente fechadas. Estava frio, era fato, mas ele não parecia ser do tipo que fecha janelas. Aparecia sempre sem camisa, e foi esse o motivo de ter-lhe chamado a atenção. O que teria acontecido? Ontem ainda o vira de relance, televisão ligada, mulher passando para lá e para cá, luz do quarto dos filhos apagada. Foi vencida pelo sono, não chegou a vê-lo desligar tudo para recolher-se.

O mugido da vaca que passava solene pela rua, a desviou por segundos. De volta aos devaneios, onde estaria o cara? Aperta os olhos, debruça o mais que pode no parapeito da janela, mas não obtém respostas. Olha o relógio, está atrasada. Decide esperar um pouco. Melhor, enquanto se arruma, vai e volta algumas vezes. E nada. Aflita, pensa em fazer ruídos no portão. Não, seria dar muita bandeira. Talvez buscar o telefone na lista. Mas nem sabia o nome do sujeito... Por um instante pensou ter visto a cortina mexer. Sim, com certeza mexeu. Mas quem? Não tinha mais tempo, saiu para o trabalho. Na rua, a sensação de estar sendo observada. Lança um último olhar para a casa. Silêncio.

Trabalha o tempo todo desesperada. Não se recorda do trajeto e nem dos colegas. Não conversa. Não parece ter cérebro. Algo em seu íntimo dizia que as coisas não iam bem.

Volta para casa, esperando ver a vidraça escancarada. Nada. O mesmo lacre.

Toma seu banho e janta com a solidão dos homens. Liga o rádio, mas não consegue lembrar a letra daquela música sertaneja, nem acompanhar as notícias mais sangrentas. Seu pensamento está lá, do outro lado. Teria saído de madrugada? O carro estava lá, ela havia se certificado ao chegar. Novamente cansada, deixou-se adormecer sem certezas.

Fontes:
http://recantodasletras.uol.com.br/
Imagem = Montagem sobre pintura de Salvador Dali

Valsema Rodrigues da Costa (Caldeirão Capixaba)



LEVITANDO

Quando te fito levito
E minha alma corre atrás de ti.

Quando te fito não demoro
Te devoro num olhar
Na trilha, na lida
Na vida, neste amar
De medos ou dúvidas
Pois há tantas maravilhas
Vindas de ti!!!

Eis o amor
Arrastando multidão
Voando pelos ares
Penetrando em segredo
Decolando nas camas
Desafiando desenganos
Levantando os lençóis
Ao esparramar
Esse poço de brilhantes e de
Transparentes traições
No olhar aguçado de sonhos
Zombando das diferenças
Alcançando a juventude
No rastro da paixão...
O amar acalenta
Uma alma
Levitando por ti!
=================

MAR

Porque essa imensidão azul
deságua dentro de mim
invadindo o continente
da costa capixaba,
afogando a solidão
na alma da gente...

Porque é tão presente
essa fúria azul
que vai e vem...
Em marés altas,
em marés baixas
vem...acordando as manhãs
e acendendo o sol...
Vai...adormecendo as noites de luar
e prateando pensamentos...

Essa montanha azul e ondulante
segue torneando destinos e caminhos
azulando sonhos no azul do ser
cristalizando o amor no som cristal
da concha do infinito...

Esse mar azul é como um grito
contornando a Praia da Costa
linda por natureza,
essa beleza deslumbrante
que não se acaba.

Na eternidade e plenitude da vida...
Na verdade esse mar é tudo:
é a oração da natureza
na exaltação do Universo.
É a presença de Deus
na grandeza dos meus versos.
====================

MAR DE OLHAR

Deixa-me navegar
no mar de olhar
do teu olhar
e mergulhar
no oceano do teu corpo manso
e me banhar nas tuas águas mornas...
Deixa-me sonhar
ao lado da tua estrela
e ser personagem constante
em tua história.

Deixa-me ser a brisa do desejo
ser ondas em teu caminho
ser flor em teu jardim...
Deixa-me ser cadência de amor
na liberdade livre e solta
tal qual gaivota...

Deixa-me ser tua rota, teu destino,
ser o beijo que te beija.
Ser a mão que te conversa
ser o abraço que te abraça...

Deixa-me aportar em tua emoção
e ancorar-me em tua ternura...
Deixa-me ser elo
entre o outono e a primavera.

Deixa-me ser como a vela
que acena no cais
pois não sei se cheguei
muito cedo
ou se foste tu que vieste tarde demais.
=====================

DE REPENTE

De repente, fez-se tudo mais bonito.
Ouço cigarras, sons, ritos
tudo em forma de canção.

De repente o céu é mais azul,
do meu pranto fez-se o riso,
da tortura fez-se o encanto,
do teu olhar fez-se a luz,
da tua voz o acalanto,
dos teus braços fez-se o abrigo.

De repente, aquele amigo,
fez-se muito mais amante,
a vida coloriu-se, num instante.
De repente, se não me engano,
nem sei bem porque
te amo demais,
te amo!!
==================

CANÇÃO DA AMIZADE

Faço versos
como quem canta.
Com vibração e sonoridade
ternura e serenidade...

Meus versos
são como o correr dos rios
claros, livres, desenvoltos
e acima de tudo
verdadeiros... (como eu)

Cantam o amor e a amizade,
a solidão e a fraternidade.
Cantam a paz necessária
ao mundo ineiro.

Meus versos
são como flores:
-coloridos, delicados,
ternos e transbordantes
de emoção.

Estes foram feitos
para você,
pois quero tê-lo assim
por perto,
como as estrelas,
iluminando o meu coração.
Não quero mais
sentir esta saudade
intensa
que até me fez
abortar a dor
e a tristeza da separação.
Faz escuro,
mas quero estar
a cantar os versos
com você.
===============

SER MESTRE

Deixe-me, Senhor,
ser guia, ser fé,
orientação e amor.

Deixe-me, Senhor,
direcionar caminhos,
transmitir carinhos,
informar o saber.

Faça-me, Senhor,
unir os fonemas à emoção,
liberdade ao coração
e na canção da alegria
deixe-me ser como a vela,
que consome a própria energia
para conduzir à luz, à verdade,
à democracia.

Deixe-me, Senhor,
com dignidade,
ser Mestre sempre
até o fim dos meus dias.
====================

INSTANTES FELIZES

Abrir a janela
ouvindo o bem-te-vi cantar
Sentir a brisa suave no rosto,
olhar gaivotas
riscando o azul do céu
e beirando o mar.
Andar pela praia
descalça, pés molhados.

Olhar a lua no acalanto da noite,
sentir o cheiro da flor
e recordar o amor
naquele café da manhã...
Ser plena de mim,
ser infinita me perdendo em você.

Rever rostos amigos
corados, alegres, saudáveis,
ouvir música,
cantar, dançar,
fazer seresta
ler um bom livro,
divulgar literatura,
orientar a criançada,
aconchegar as filhas,
num abraço eterno!...

Viajar...
vestir-me de luz
e escrever poemas.
Cultivar boas amizades.
Receber cartas, telefonar.
Ouvir você, sentir saudades,
e, com certeza, AMAR!
=================

PRAIA DA COSTA - VILA VELHA

Porque essa imensidão azul
Deságua dentro de mim
invadindo o continente
Da costa capixaba,
Afogando a solidão
Na alma da gente...
Porque é tão presente
Essa fúria azul
Que vai e vem...
Em marés altas,
Em marés baixas
Vem... acordando as manhãs
E acendendo o sol...
Vai...adormecendo as noites de luar
E prateando pensamentos...
Essa montanha azul e ondulante
Segue torneando destinos e caminhos
Azulando sonhos no azul do ser
Cristalizando o amor no som cristal
Da concha do infinito...
Esse mar azul é como um grito
Contornando a Praia da Costa
Linda por natureza,
Essa beleza deslumbrante
Que não se acaba
Na eternidade e plenitude da vida...
Na verdade esse mar é tudo:
É a oração da natureza
Na exaltação do Universo.
É a presença de Deus
Na grandeza dos meus versos.
================

É O AMOR

É o amor
um sacrário sagrado,
sacramentado sentimento
abençoando e renovando
assim...

É o amor
que acende o sol das manhãs
e clareia a esperança
do anoitecer.

É o amor
que floreia o viver
e colore o dia-a-dia,
de cores refazendo
o arco-iris em mim.

É o amor
que faz brotar a flor,
nascer o sol
refazendo a emoção
do coração

É o amor
que tece a trama divina
e faz viver cada segundo
como nunca mais

É o amor
que explode,
invade. Pronto. Fim.
=================

QUEM?

Quem acalmará
a ebulição do corpo, o tremor,
o arrepio, a magia?

Quem passará
pelo corpo as mãos sedentas,
boca desejosa,
assanhando as tardes
e aquecendo o café das manhãs?

Quem sossegará
noites enluaradas,
espalhando mágica e suores
pelos trigais dos cabelos?

Quem atenderá aos apelos
da pele, da alma e dos sonhos,
encarando o riso feliz
prolongando a felicidade?

Quem visitará
e refará comigo
o verso, a rima,
o tema, o poema
eternizando o momento,
unificando
Adicionar imagem a cara-metade
da Poesia.

Quem?
--------------------
Fonte:
Vozes & Perfis - Antologia 2002 AFESL

Valsema Rodrigues da Costa (1943)

Estação Ferroviária de Sacramento
Valsema Rodrigues da Costa nasceu em Sacramento, no Estado de Minas Gerais, em 05/11/1943.

Residente em Vila Velha há muitos anos, tem o título de Cidadã Vila Velhense.

Funcionária do Tribunal de Contas do Estado do Espirito Santo.

Professora, especialista em musicoterapia.

Escritora, trovadora e poeta, foi Secretária de Cultura da Prefeitura Municipal de Vila Velha.

Em abril de 2001, em visita à cidade de Melbourne - Austrália, na Universidade de La Trobe, apresentou, para os alunos que estudam português, um panorama cultural do Estado do Espírito Santo e relançou o livro de poemas bilingüe "No Amor, na Primavera".

Pertence à Academia Feminina Espírito-santense de Letras onde ocupa a cadeira n. 04, cuja patrona é Maria Stela de Novaes,
– Clube dos Trovadores Capixabas
– Instituto Histórico e Geográfico do ES,
– Academia de Letras Humberto de Campos de Vila Velha.

Obras:

– Levadinha da Breca (literatura infantil) 1987
– Liberdade na Poesia ( poemas) 1993
– No Amor, na Primavera (poemas em inglês e português)

Participações
– Terceira Coletânea: Poetas do Espírito Santo e Poemar.
– Coletânea Vozes & Perfis - 2002
– Antologia 2003 - Textos e Tramas, da AFESL
– Antologia 2004 - Ecos da Terra Capixaba, da AFESL
– Antologia 2005, da AFESL, Dança das Palavras, organização de Maria Beatriz Nader e Marlusse Pestana Daher.
– Antologia Clepsidra, da AFESL, organizada por Jô Drumond e Graça Neves, Gráfica Santo Antônio Ltda. - GSA, Vitória/ES, 2007.

Fontes:
Vozes & Perfis - Antologia 2002 AFESL
Foto = http://estacoesferroviarias.com.br

Paulo Monteiro (A Trova no Espiríto Santo)

Guarapari - ES
ANTIGÜIDADE DA TROVA NO ESPÍRITO SANTO

Para alguns, a prática da trova no Espírito Santo inicia-se com o padre José de Anchieta (1534/1597). De alguns poemas do "Apóstolo do Brasil” podem ser derivadas trovas, embora, ao que se saiba, não tenha sido um trovador no sentido moderno da palavra, ao menos de várias trovas. Dele, inclusive, conhecemos uma trova em tupi:
"Sarauájamo oroikó
Kaápe orojemoñánga
Orojú nde mornóranga
Oré aíba reropó."
A tradução desta trova é: "Vivemos como selvagens, somos filhos da floresta, viemos saudar-te, renunciamos aos vícios”.

Note-se que a rima é do tipo ABBA, não aceita pela maioria dos trovadores contemporâneos. Sabemos que a trova tem todo um passado ligado à imprensa, especialmente de maneira satírica, o famoso epigrama, como se dizia.

A imprensa no Espírito Santo é senhora de um passado glorioso. Assim, muitas trovas devem ter sido famosas, repousando nas coleções dos velhos jornais capixabas.

ANTES DO CLUBE DOS TROVADORES CAPIXABAS

Mais recentemente poderíamos citar a publicação do CANCIONEIRO CAPIXABA DE TROVAS POPULARES, em 1949, onde Guilherme dos Santos Neves reuniu trovas colhidas diretamente do povo, em pesquisas por ele realizadas, e de duas pequenas coletâneas anteriores: uma de Afonso Cláudio, em 1923, e outra de uma colaboradora anônima de "A Província do Espírito Santo”, em 1889.

O livro do Guilherme dos Santos Neves é uma coletânea de 1000 trovas populares, isto é, recolhidas do folclore.

O primeiro livro contendo exclusivamente trovas literárias, ou seja, de autor conhecido, foi publicado por Solimar de Oliveira, em 1957.

A obra, um volume do 9cmX12cm, com 40 páginas, chama-se SANGRANDO LÁGRIMAS... São 95 trovas de Solimar e uma tradução de autor cujo nome não é revelado.

O convívio de Solimar com a trova, porém, vinha do longe.

É ele que nos conta da exposição do fotografias das principais paisagens de Vitória, organizada pelo fotógrafo Paes, com uma série de trovas, de que tomaram parte intelectuais especialmente convidados por aquele artista.

Isso foi em 1935 e Solimar lembra dos seguintes nomes: Ciro Vieira da Cunha, Almeida Cousin, Alvimar Silva, Nilo Aparecida Pinto, Solimar de Oliveira, João Bastos, Teixeira Leite, Jair Amorim, entre outros.

Solimar faz questão de lembrar o nome de Manoel Teixeira Leite, notável poeta, jornalista e trovador, já falecido.

Outra empreitada trovista de Solimar, agora junto com seu irmão Heralto de Oliveira, falecido, foi a organização de uma antologia do trovadores de Cachoeiro de Itapemirim, Iá por 1942/1943.

Essa coIetânea não chegou a ser publicada e os originais acabaram definitivamente perdidos.
Alguma coisa desse livro foi, contudo, divulgada mais tarde por Heralto, sob o pseudônimo de Vilamor.

Em 1950 Solimar passou a corresponder-se com Luiz Otávio e colaborou efetivamente com o futuro autor de MEUS IRMÃOS, OS TROVADORES.

A fundação do Grêmio Brasileiro do Trovadores (GBT), em 8 do janeiro de 1958, é um dado importante na história do Trovismo.

O GBT foi a primeira entidade nacional de trovadores, se bem que por trovador entendesse, ainda, os poetas de cordel e os repentistas e congregasse violeiros numa verdadeira arca do Noé, com bichos do todo pelo.

O GBT fez-se presente no Espírito Santo, basicamente, através de três trovadores: Evandro Moreira, Paulo Freitas e o experimentado Solimar de Oliveira.

Quando os trovadores (da quadra), em 20 de agosto de 1966, rompendo com a estrutura quase folclórica do Grêmio Brasileiro de Trovadores, fundaram a União Brasileira de Trovadores (UBT) os representantes da antiga entidade no Espírito Santo, passaram para a nova casa de trovadores.

Em 1967 são realizados dois jogos florais: um em Alegre e outro em Cachoeiro de Itapemirim.

Depois disso, a prática da trova no Espírito Santo restringiu-se às atividades isoladas de uns poucos abnegados, até que se fez alguma coisa pelo Trovismo, pelos fins dos anos sessentas e inícios da década iniciada em 1970.

Que fale, pois, o professor José Augusto Carvalho, ex-delegado municipal da UBT e organizador da UBT de Vitória:

Trabalhei, realmente, pelo Trovismo em Vitória, em meados da década de 60, entre, talvez 1966 e 1968, e cheguei a manter uma coluna semanal no jornal A GAZETA, de Vitória, informando sobre trovas e angariando simpatizantes do movimento, graças ao incentivo maior de Joubert do Araújo Silva e Hilário Soneghet, este já falecido e exímio sonetista. Mas, assim que foi fundada a seção capixaba da UBT, como a diretoria eleita era toda de Vila Velha, cidade vizinha 12km da capital, o movimento se transferiu para lá e, em 1980, se tornou no Clube dos Trovadores Capixabas (...)“.

Foi essa seção da UBT de Vila Velha que, em 1971, organizou um concurso de trovas sobre PELÉ.

Depois disso as coisas silenciaram-se. Até 1980, felizmente.

CONCURSOS E FLORAIS

ALEGRE

Em 1967 foram realizados os I JOGOS FLORAIS DE ALEGRE, graças ao trabalho intenso de um jovem e abnegado poeta: EVANDRO MOREIRA.

Mobilizando a comunidade alegrense e contando com o patrocínio da Prefeitura Municipal de Alegre, então administrada pelo prefeito Antonio Lemes Júnior, Evandro pode levar a bom termo aquele importante evento cultural.

Dois eram os temas: ALEGRIA e FRATERNIDADE. Não havia delimitação de gêneros (humorismo, lirismo, etc.).

No primeiro tema foram premiadas as seguintes trovas:
.
1º lugar - DURVAL MENDONÇA:
Brilha o rosto de Maria
na gruta pobre de Iuz
ante a suprema alegria
de ser a mãe de Jesus.

2º lugar - JOUBERT DE ARAÚJO SILVA:
Retrata a imagem da vida
a moenda rude e inclemente:
- Chora a cana, ao ser moída...
- range a moenda, contente!

3º lugar - SOLIMAR DE OLIVEIRA:
Nesta existência a alegria,
experimenta e verás!
Está na doce poesia
de todo bem que se faz...

4º lugar - FERRER LOPES:
Alegria... ó alegria!...
afinal, quem é que a tem?
- Tendo a barriga vazia,
nem tu, nem eu, nem ninguém.

5º lugar - JOSÉ VALERIANO RODRIGUES:
Minha alegria não passa
de uma risada bem cheia,
que fica logo sem graça
se a dentadura bambeia.

6º lugar - JOSÉ MORCEF CAMPOS:
Alegria, algo fremente
Que se não pode ocultar;
ou grita no riso quente,
ou brilha na luz do olhar.

7º lugar - MARIA DE LOURDES SANTOS:
Alegria é corno as águas
de um remanso cismador
que passam levando as mágoas
dos que padecem do amor...

8º lugar - CIRO VIEIRA DA CUNHA:
Do teu amor (quem diria?)
que só três meses durou,
resta a saudade - alegria
da tristeza que ficou...

9º lugar - SANTIAGO VASQUES FILHO
Alegria do operário
dura pouco, é reduzida:
- a lei que aumenta o salário
dispara o custo de vida.

10º lugar - SEBASTIÃO NORONHA:
Por mais que sofra, na luta
em que se esforça e porfia,
quem cumpre o dever desfruta
a verdadeira alegria.
No tema FRATERNIDADE, classificaram-se as seguintes trovas:
.
1º lugar - MARIO MORCEF CAMPOS:
Ama! Até sentir, então,
batendo no peito imerso,
o coração do universo
no teu próprio coração.

2º lugar - JOUBERT DE ARAÚJO SILVA:
Segue, filho este caminho
se queres ser bom cristão:
- Bebe menos do teu vinho,
- reparte mais o teu pão.

3º lugar - HERALDO LISBOA:
Fraternidade... quem dera
fosse outro o barro da gente,
pois se semente não gera
não cabe culpa à semente.

4º lugar - SOLIMAR DE OLIVEIRA:
Fui leal. Ouvi parolas.
Fui fraterno. Amigo. Irmão.
E hoje quase peço esmolas
depois de ter dado pão.

5º Iugar - LILINHA FERNANDES:
Fraternidade ultrajada
ainda mais se santifica.
Se a árvore boa é podada,
com mais vigor frutifica.

6º lugar - ATHAYR CAGNIN:
Indiferente à maldade,
vou traçando de alma ungida,
o giz da fraternidade
no quadro negro da vida...

7º lugar - DURVAL MENDONÇA:
Vive louca a humanidade
sempre em termos de agressão:
- invoca a Fraternidade
com a baioneta na mão.

8º lugar - MARIA HELENA:
Dá um riso aberto em dia
Se o pobre te estende a mão:
- Que às vezes uma alegria
É mais pão que o próprio pão.

9º lugar - SOLIMAR DE OLIVEIRA:
Neste exemplo se descobre
a Fraternidade, irmão:
- um pobre com outro pobre
dividindo o próprio pão.

10º lugar - NORDESTINO FILHO:
Fraternidade, meu bem,
só se diz Fraternidade
quando, aIém da caridade,
não se faz mal a ninguém.
.
CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM

Cachoeiro de Itapemirim é uma terra de bons poetas. Poucas cidades do interior brasileiro poderão orgulhar-se de, ao longo de sua história, apresentar tantos e tão bons poetas, quanto a terra de Rubem Braga.

Ali, entre 1966 e 1967, foram realizados Os I JOGOS FLORAIS DE CACHOEIRO, organizados pela Academia Cachoeirense de Letras, “sob os auspícios da Municipalidade, por isso decorrentes da Lei Municipal nº 054, de 16 de maio de 1966”.

Tudo isso sob o comando do incansável Solimar de Oliveira, então presidente da ACL.

Esses jogos constaram de cinco prêmios ou concursos diferentes, a saber:
Prêmio Benjamim Silva”- Trovas - 657
“Prêmio Newton Braga” - Poemas - 526
“Prêmio Rubem Braga” - Crônicas - 65
"Prêmio ClaudionorRibeiro”-Contos- 52
"Prêmio Bernardo Horta” - História - 2
TOTAL 1303

Finalmente, para alegria dos organizadores, após vasto programa, no dia 7 de setembro de 1967, foram entregues os prêmios aos vencedores.

Nunca o Espírito Santo tivera uma promoção cultural tão vasta e expressiva, tais foram as atividades constantes do programa e cumpridas britanicamente.

Estas foram as trovas vencedoras:
.
1º lugar - COLBERT RANGEL COELHO:
Noivado no mundo inteiro
Foi sempre assim entre os dois:
O noivo espera primeiro,
A noiva espera depois.

2º lugar - MANUELA ABRANTES:
Eu vejo no teu vestido,
mulher esbelta e risonha,
tanta falta de tecido
com falta de vergonha.

3º lugar - COLBERT RANGEL COELHO:
Eu não sei se o sol desponta
Ou se ainda é madrugada...
Quando estou por tua conta
Não dou conta de mais nada.

4º lugar - CARLOS MANUEL DE A. S. ABRANTES:
Amor, embora sensato,
Sem dinheiro, desconsola...
É como usar bom sapato,
De polimento, sem sola!

5º lugar - PAULO EMÍLIO PINTO:
Que luta quando eu a vejo
tão sedutora e inocente!
Já viu respeito e desejo
brigando dentro da gente?

6º lugar - HÉLlO C. TEIXEIRA:
Alma, que sonhas na altura,
vendo a beleza dos astros,
tornas maior a tortura,
de andar na terra de rastros!

7º lugar - COLBERT RANGEL COELHO:
Quando a gente perde o tino,
Como perdi de repente,
Uma mulher sem destino
Faz o destino da gente.

8º lugar - APARÍCIO FERNANDES:
Neste exemplo se presume
um prêmio às almas formosas:
Fica sempre algum perfume
nas mãos que oferecem rosas.

9º lugar - CARLOS MANUEL DE A. S. ABRANTES:
Na vida, constantemente,
a mulher se contradiz,
às vezes diz o que sente,
mas nunca sente o que diz.

10º lugar - DAVID DE ARAÚJO:
Bendito de quem consome
da vida os anos a fio,
dando pão a quem tem fome
e agasalho a quem tem frio.
------------------------
continua...
------------------------

Paulo Monteiro (Poesias)


Rubay

Neste mundo de coisas abjetas,
onde falam por Deus falsos profetas,
da mesma forma que nos tempos bíblicos,
Deus fala pela boca dos poetas.
–––––––––––––––––––-

Soneto Branco

Quando te escuto ou vejo me parece
conhecer-te, querida, há tanto tempo
que até nos vejo lentos, de mãos dadas,
passeando nos vergéis do Antigo Egito.

Depois eu te contemplo inda mais bela
colhendo as uvas mansas de Salém
e me imagino o próprio Salomão
para ofertar-te um reino em minha lira!

Mas se não sou nem rei, nem sou poeta,
se não posso ofertar-te o que mereces,
deixa ao menos que eu viva o meu exílio.

Deixa fugir de ti, curvado ao peso
deste amor que me torna inda menor,
com medo de perder-me nos teus braços.
–––––––––––––––––––––

Receita de Pai

Um dia me levavas pelas mãos e eu te pedia:
– Pai, pára! que eu não agüento mais!”
Outro dia, em que minhas mãos te conduziam,
Exclamaste:
– “Pára, meu filho, que estou cansado!”
Cansar, meu pai, sempre cansaste,
Mas agüentas todos os pesos,
Suportas todas as caminhadas...
De ti, quando nos separarmos deste mundo,
Guardarei as lições que me deixares,
Lições que espero legar às minhas filhas.
Não me pedes. Ordenas.
Ordens duras, às vezes.
Ordens que me fazem afastar-me cabisbaixo.
E chorar baixinho.
Nem sempre consigo entender-te.
És tão duro contigo.
E é mais duro para entender-te,
Pois o bugre que guardamos em nossos peitos
Luta constantemente com nós mesmos.
-------

Paulo Monteiro (1954)



Paulo Monteiro, cujo nome civil é Paulo Domingos da Silva Monteiro, nasceu em Passo Fundo, Rio Grande do Sul, no dia 26 de setembro de 1954. Começou a publicar seus trabalhos Iiterários aos 13 anos, quando iniciava o curso ginasial. E não parou mais. Em 1971, foi um dos fundadores do Grupo Literário "Nova Geração”, que contribuiu para a renovação cultural durante os aproximadamente 10 anos de atividades.

Em princípios de 1980, dentro do movimento conhecido como Geração do Mimeógrafo, publicou o boletim literário Quero-Quero, com uma tiragem mensal de 500 exemplares, que era distribuído para escritores do todo o país.

Desde 1974 pratica o jornalismo literário, escrevendo artigos sobre escritores de todos os tempos e gêneros, além de estudos e ensaios sobre história e cultura.

Seu livro Combates da Revolução Federalista em Passo Fundo, lançado em 2006, foi o mais vendido na XX Feira do Livro de Passo Fundo, quando, pela primeira vez, um escritor local superou os best-sellers.

Ao lado de suas atividades como ativista cultural, manteve intensa atuação comunitária, especialmente junto às associações de moradores de bairros.

Foi um dos fundadores da União das Associações de Moradores de Passo Fundo - UAMPAF -, da qual fol secretário geral e, por dois mandatos, presidente.

Presidiu o Conselho Fiscal da Federação Rio-Grandense das Associações Comunitárias e de Amigos de Bairros — FRACAB -, sediada em Porto Alegre, e integrou o Conselho Deliberativo da Confederação Nacional das Associações do Moradores - CONAM -, de Brasília.

Em 2001, foi um dos coordenadores da Semana das Letras Passo-Fundenses, promovida pela Academia Passo-Fundense de Letras, da qual é o atual vice-presidente, contando com a colaboração da Secretaria Municipal de Educação e da 7ª Coordenadoria Regional de Educação.

Paulo Monteiro foi eleito para as seguintes instituições culturais:
International Academy Of Leters Of England (Londres),
Academia de Trovas do Rio Grande do Norte (Natal),
Instituto Histórico e Geográfico de Uruguaiana (RS),
Academia de Letras de Uruguaiana (RS),
Ordem Brasileira dos Poetas da Literatura de Cordel (Salvador),
Academia Anapolina do Filosofia, Ciências e Letras (Anápolis),
Clube dos Trovadores Capixabas (Vila Velha),
Clube Internacional do Boa Leitura (Uruguaiana),
Clube de Poesia de Uruguaiana (RS),
Academia Internacional de Letras “3 Fronteiras” (Uruguaiana),
Federação Brasileira das Entidades Trovistas (Rio de Janeiro),
Academia Petropolitana de Letras (Petrópolis),
Academia Literária Gaúcha (Porto Alegre),
Academia Sorocabana de Letras (Sorocaba, São Paulo) e
Academia Passo-Fundense de Letras (Passo Fundo), da qual foi eleito presidente em 15 de dezembro de 2007..

Paulo Monteiro pertenceu, ainda, às seguintes entidades:
Grupo Literário “Nova Geração” (Passo Fundo),
Grêmio Literário Castro Alves (Porto Alegre),
Associação Gaúcha de Escritores (Porte Alegre) e
União Brasileira de Trovadores (Rio de Janeiro).

Casado com Maria Nelci Machado Monteiro, é pai do cinco filhas. Profissionalmente, exerce as atividades de funcionário público estadual e jornalista.

Fonte:
http://www.usinadeletras.com.br

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Trova LXI

Montagem sobre foto de Belarmino Lopes

Lançamento do Livro de Eliana Palma e Isadora Palma e Silva

Eliana Palma lançará dia primeiro de outubro próximo, às 19h, na Livraria Espaço do Maringá Park, o livro “Sob as lonas da imaginação” com sete belas histórias infantis ricamente ilustradas. Escrito a quatro mãos por Eliana e neta Isadora, o livro resgata a beleza dos fatos do cotidiano, num linguajar de fácil entendimento. Distribuído nas escolas do município o livro conquista alunos e professores, com méritos.

Aquela senhora sentada na cadeira de balanço, com as mãos entrelaçadas aos novelos de tricô e crochê, esperando a vida passar, tem dado espaço para mulheres ativas, que orientam e organizam suas famílias.

O papel da avó tem se tornado indispensável na formação de crianças e adolescentes, já que os pais têm enfrentado uma severa rotina fora de casa. Pode-se assim dizer que desde sempre os avós colaboram na criação dos netos, valendo-se para isso da experiência que acumularam, do tempo de que dispõem... e da paciência que eventualmente tenham.

A escritora Maria Eliana Palma descobriu que ser avó é também adquirir amizade, pois mantém com a neta de seis anos, Isadora Magalhães Palma e Silva, uma relação de cumplicidade, que mais se parece com a existente entre duas amigas.

Os adultos estão acostumados a chamar a atenção, a ditar ordens; na verdade, precisamos ouvir mais as crianças, prestar atenção no que elas têm a nos ensinar”, diz Maria Eliana, que é graduada em Letras e membro da Academia de Letras de Maringá (ALM).

Foi aprendendo a aprender que juntas construíram um ritual de amor e criatividade. “Sempre, na hora de dormir, a Isadora gostava de ouvir histórias, contar e participar de cada uma delas”, explica. Quando a avó começava a história, bastava um estalar de dedos, seguido de palmas, para que a neta continuasse. “As ideias tinham que ser coerentes”, enfatiza. Foram inúmeras criações até que a escritora resolveu gravá-las ou anotá-las, sem ainda imaginar o que faria com cada uma delas.

A ideia foi desenvolver a imaginação de Isadora que está em fase de alfabetização. “Mesmo que a criança ainda não saiba ler e escrever, ela já possui um rico universo intelectual”, neste caso, explorado e valorizado. Sete histórias criadas com a parceria entre avó e neta deram origem a um livro, ‘Sob as lonas da imaginação'”.

O livro é, portanto, a consagração deste relacionamento. “Há uma grande diferença entre ouvir e criar histórias. Como há anos criamos, percebi a necessidade de valorizar a criatividade infantil, a participação ativa da criança”, descreve.

São histórias curtas e ilustradas sobre animais, objetos e elementos da natureza que mostram como pode ser divertida a relação entre avós e netos. Isadora admite que tem uma preferência, “a história da abelhinha perdida é a que mais gosto, e nos ensina a obedecer os nossos pais”, revela. Cada criação traz uma lição relacionada ao universo infantil.

O livro é inteiro escrito em azul e rosa, as cores preferidas de Eliana e Isadora, respectivamente. Assim é possível identificar quem elaborou cada trecho, a autora veterana ou a mirim.

Eliana considera que a educação acontece quando “se ganha a criança para o bem”, para as atitudes saudáveis, que neste caso estão documentadas. No entanto, “há inúmeras maneiras de avós e netos descobrirem o conhecimento, mostrando assim para a criança que aprender é uma aventura”, diz Eliana.

Fontes:
-
http://odiariomaringa.com.br/
- A Autora Eliana Palma
- Imagem = montagem de José Feldman

Carlos Motta (O Homem Insignificante)



1
Não era baixo nem alto. Nem gordo nem magro. Não ganhava bem nem mal.
Classe média, sustentava a família – mulher e filho - morando num apartamento de dois quartos, 55 metros quadrados, num bairro da periferia, comprado com a ajuda do sogro e do dinheiro do FGTS.

Almoçava fora de casa, ia ao trabalho no Palio 99 que levava uma vez por ano ao mecânico - de confiança – perto da padaria. Voltava só depois das 8 horas da noite. Comia alguma coisa que a mulher tinha feito no almoço, via o Jornal Nacional, lia a Folha, que comprava religiosamente na banca perto do emprego. Dormia um sono agitado, tinha a pressão alta, mas não consultava nenhum médico. Preferia o remédio que o farmacêutico lhe vendia, com a garantia de que era um lançamento, tiro e queda e tal. Consultava a bula e fingia sacar tudo aquilo que as letrinhas prometiam e advertiam.

2
O dia em que voltou para casa com o coração disparado, quase na boca, a adrenalina solta no corpo cansado, começou com nuvens e terminou com chuva.

E foi a chuva a responsável por tudo.

Se o asfalto da rua do posto de gasolina onde, por R$ 60 mensais guardava seu Palio, estivesse seco,
talvez,
muito provavelmente,
com certeza absoluta,
aquele Gol verde tivesse parado apenas poucos metros depois de ter as rodas travadas pela ação instintiva do seu motorista que meteu o pé no freio quando o moleque largou a mão gorducha da mãe e correu desembestado sabe-se-lá-para-que-direção apenas que era para onde não deveria ir ou seja: o meio da rua com o asfalto molhado e escorregadio.

A buzina estridente fez com que virasse a cabeça para a esquerda e fosse atingido de frente por pingos d’água agressivos e gelados. Aí, nesse instante, seu olhar se congelou numa cena de cinema, uma tragédia descolorida pelo anoitecer precoce devido às nuvens opressivas daquele dia úmido.

pensou

não pensou

e se atirou com toda a força que pôde ao encontro daquela figurinha de vermelho e verde e tão viva que se movia como um personagem desarticulado de desenho animado.

3
Ao tocar a campainha do apartamento no sexto andar não esperava que sua mulher fosse se atirar em seus braços e dizer eu te amo como nos filmes.

Nem que seu filho viesse lhe contar que era o melhor aluno da escola que custava mais que o salário mínimo por mês e não tolerava mensalidades atrasadas.

Nada disso.

Sabia que naquela noite o sofá desbotado,
as cadeiras meio bambas,
a parede de cor indefinida,
os talheres gastos,
o prato lascado,
a comida insossa,
as notícias velhas da televisão e do jornal
e até mesmo o beijo mecânico de sua mulher murcha
e sem graça e a indiferença ingênua de seu filho
raquítico e pálido
teriam um gosto único e especial.

Porque naquela noite ele não era o homem insignificante que acostumara toda a sua vida a ser.

Fonte:
MOTTA, Carlos. O riso frouxo do homem insignificante: 50 historietas tragicômicas. E-book, 2009.

Alma Welt (A Poetisa e sua Poesia)


O amor guardado

O primeiro amor, eternizado
É como se lançado no papel,
Se não com apuro cinzelado,
Que a paixão possui um bom cinzel...

Melhor se preservado na missiva,
Carta, se possível, ou o bilhete
Que acompanha o simples ramalhete
Fanado... na memória ainda viva.

O beijo, então, da despedida,
É sempre guardado numa arca
Para vir à tona bem mais tarde,

Quando a emoção que nele arde
Das cinzas dos lábios, sua marca,
Como a fênix recobra a sua vida.
====================

Revelações

O poeta em mim fixa no olhar
A condição perene do momento
E transforma a ação em pensamento
E em verbo o cenário do pensar.

A cor do gesto o olhar plasma
No exercício do diário poetar
Onde o ser comum deixa passar
Como se a ação fora um miasma.

Mas tudo permanece na retina
Como a daqueles mortos de terror
Que gravam a face do assassino

Na pupila que logo perde a cor
Assim que o detetive a examina
E revela como prova de um destino.
========================

Sonetos Gaúchos

Névoas

A neblina que paira sobre a estância
A revela em sua falsa letargia.
Dois séculos de espera e de constância,
Lhe fizeram firme e cega companhia.

Quem chega ao casarão e suas soleiras?
Que esporas já retinem na varanda?
Que olhos doces de casadas e solteiras
Lacrimejam e se abaixam como manda?

Na névoa revivem os áureos tempos,
Os risos e esperanças se renovam,
Ainda não se contam contratempos...

No salão Anita entra, e Garibaldi,
E tavez esta família já comovam
Que aqui não haverá quem deles malde.
________________________________

A prenda

Sou guria orgulhosa deste Pampa
Que ousa cantá-lo em verso e prosa.
Que digam que a caixa só destampa
Quando os grandes fazem sua glosa!

Evocando a valente farroupilha,
Os maiores já contaram seus revezes,
Mas não com a candura de uma filha
Como eu que a espero tantas vezes

Na soleira desta casa tão vetusta
E ilustre em sua anciã modorra
Que nada faz crer que um dia morra.

Ostentando pelo menos um punhal
Reencontro Anita e não me custa
Galopear junto dela o meu bagual...
–––––––––––––––––––––––––––

As Naus

Leiam estes meus versos, ó futuros,
Não despendia assim tanta energia
Em rimas, em palavras de poesia,
Não quisera eu transpor tais muros.

Não estaria brincando no serviço
Ao inventar assim tantos motetos...
Há muito notariam meu sumiço
Aqueles que invejam meus sonetos

Se não fosse aquele ilustre clero
De farrapos e de homens como Netto,
Escoltando-me ao meu verso completo.

Mas como Anita se lhe falta o italiano,
Vejam, nos meus versos eu lidero,
E arrasto naus em meio ao Minuano...
_____________________________

Os errantes

As ocultas trilhas do meu pampa
Conduzem ainda ao meu portão,
E espectros saídos de sua campa
Assombram mesmo agora o casarão.

Não busco exorcizar ou demovê-los:
As velas são porque os quero bem
E procuro com meus versos comovê-los
Embora não me sinta sua refém.

Mas compartilho sim, a solidão,
De almas que malgrado sua paixão
Ainda erram e deixam suas prendas.

Eu mesma, a esperar Rodo, meu irmão
(que este vaga vivo em outras sendas),
Sou a novilha de um pródigo marrão...
======================

A cigarra

Quando chega o tempo das cigarras,
Eu que trabalhei como a formiga
Num romance, soltando as suas amarras,
Nem por isso dou ouvido à sua intriga.

Sou da raça daquela cantadora
E trabalhar pra mim é eufemismo.
Cantar, cantar, mesmo que amadora
Na glória do meu diletantismo!

Isso o é que faz feliz a pampiana
Sem os remorsos que me cobra
A lembrança da dura Açoriana...

Malgrado este prazer que quase aberra
Cantar, cantar a alma desta terra
E seu cenário ilustre... é minha obra!
-------------

Alma Welt (1972-2007)

Pintura a óleo de Guilherme de Faria

Escritora gaúcha nascida em Novo Hamburgo, poeta lírica, grande sonetista (escreveu cerca de 700 belíssimos sonetos), deixou uma obra profícua e numerosa, constando de um romance autobiográfico inédito em quatro tomos denominado "A Herança" (dividido como quarteto com os seguintes títulos: A Herança, A Ara dos Pampas, O Sangue da Terra, A Vinha de Dioniso), e mais o romance intitulado "O Retorno dos Menestréis", ambientado no sertão nordestino de Pernambuco e Paraíba, numa mítica e divertida viagem a bordo do Pavão Misterioso.

Tem ainda quatro livros de contos: Contos da Alma, publicado em 2004 pela Editora Palavras & Gestos(de São Paulo); Contos Pampianos da Alma, Contos Secretos da Alma, e "Lendas da Alma" (este uma coletânea de lendas poéticas de sua invenção, de caráter europeu, góticas e misteriosas, ilustradas com desenhos a cores por Guilherme de Faria.

Além disso tem um livro de crônicas curtas (Crônicas da Alma). Sua obra poética, igualmente prolífica, conta com 49 livros de poesia, sendo 33 de sonetos (perfazendo cerca de 700 sonetos),e vem sendo publicada de maneira semi-artesanal, em folhetos dentro de uma caixa (Kit) de madeira, e ilustrados a cores com desenhos de Guilherme de Faria.

As duas últimas obras poéticas que escreveu são: um notável drama lírico formado por 42 sonetos (cenas) encadeados, inspirado por sua paixão por uma aluna e denominado "Sonetos à Mayra"; e os "150 Sonetos Pampianos da Alma" escritos no seu último mês de vida.

A autora, mulher jovem, belíssima e misteriosa, não se deixava fotografar, somente permitindo a divulgação de seus retratos em desenhos, gravuras e pinturas a óleo de Guilherme de Faria, seu "retratista autorizado", pintor paulista que a ilustrou, prefaciou, e editou, lançando-a no meio artístico paulistano a partir de 2001, quando a descobriu no seu auto-exílio paulistano, num ateliê de pintura estabelecido nos Jardins.

As circunstância notáveis desse encontro providencial foram narradas por ela no seu conto intitulado "Anagramas".

Alma suicidou-se aos 35 anos por afogamento, na sua estância pampiana, no auge de seu talento e beleza. Admirada pelo grande poeta Paulo Bomfim (que escreveu um prefácio para o próximo livro dela a ser publicado) e pelo famoso bibliófilo José Mindlin (que possui obras inéditas dela) começa agora a sua trajetória triunfante, como "a última grande lírica do século XX", Poeta e Musa ao mesmo tempo.

Fonte:
http://www.netsaber.com.br/

Alberto Araújo (O Poeta no Papel)


A última canção

Fazer não sabe a hora,
Cantar não sabe o momento,
Lançar não sabe a corrente,
Amar não sabe o instante,
Sofrer não sabe o tormento.

Cantar não sabe a hora,
Viver não sabe a vida,
Sorver não sabe a fonte,
Comer não sabe o trigo,
Correr não sabe a estrada.

Chegar na madrugada,
Descer no arco-íris,
Fugir no pé-de-vento,
Vingar no pé-de-morro,
Crescer sem esperança.
––––––––––––––––––––––-

Ampulheta do tempo

Escorre inclemente
Grão por grão,
No espaço-tempo,
De uma existência.

Qual dormente
De vagão em vagão
Passam os trens, no templo,
Do planeta substância.
––––––––––––––––––––––––-

As canções eternas

Certas canções que ouço
Parecem-me impregnadas do aroma
que a suave brisa perfuma
as tardes outonais
feito ainda moço
em acordes politonais

Certas melodias que ouço
Parecem-me vir de um veio que emana da terra
sussurro e soluço
de ritmos tribais
feito ainda como fera
em vocálicos ancestrais

Certas harmonias que ouço
Parecem-me ter um ritmo
que tem vida própria
como um algoritmo
feito ainda como cria
provoca ondas e rebuliço

Certas músicas que ouço
Parecem-me vir de um tempo distante
Em que as asas da imaginação
as lançam no poço
feito ainda como vibração
em busca de alegro e andante
–––––––––––––––––––––––––-

Cenas Infantis

Crianças brincam, sorriem
Emotivas, altivas, vibram
Navegam em seus barcos de papel, sonham
Artistas, pintam, a vida colorem
Sábias, criativas, inventam

Inocência, doce ingenuidade curtem
Novelo de linha e o horizonte, pipa soltam
Felicidade não ter idade ou maldade, vivem
Aventuras, jogos, tramas, brincam
Nos jardins se misturam às flores, perfumam
Trinam feito passarinho, cantam
Imagens de ternura e peraltice encantam
Sementes, fruto do amanhã, descobrem...

Dedicado a Schumann (ouvindo Cenas Infantis para Piano.),
–––––––––––––––––––

A Curva do Rio

Nas curvas do rio Araguaia
Muitas histórias de botos encantados
Habitam as margens e os sonhos
De mulheres ribeirinhas, em doce magia

Nas curvas do rio Amazonas
Encontram-se o rio Negro e o Solimões
Águas lado a lado no contraste das cores
No mistério das grandes florestas

Nas curvas do rio São Francisco
Do vale do Jequitinhonha a Juazeiro
As carrancas retratam mitos e crenças
Do povo que deposita no velho Chico suas esperanças.

Nas curvas do rio de nossas vidas
Nascentes são como capilares
Afluentes são como veias
Bacias são como artérias

Nas curvas do rio, etérea viagem
Navegando em nossa natureza interna
Ou nas corredeiras da natureza externa
Há sempre um sinal, um rito de passagem
======================
Sobre o Autor
Alberto José de Araújo é natural de Santanésia, distrito de Piraí, Rio de Janeiro. Tem por ofício a medicina, vive no RJ, dedica-se a cuidar das pessoas vítimas do tabaco e doenças respiratórias ocupacionais. Escreve desde os 12 anos sobre temas humanistas: espiritualistas, ambientais, político-sociais e românticos. É ativista dos movimentos sociais, atuando na Aliança de Controle do Tabagismo. Busca fazer da arte do verso uma ferramenta crítica que propicie reflexão e tomada de consciência para as mudanças sociais. Escreve sobre temas dentro do contexto histórico, social e político em que vive e labuta. Sonha ver a humanidade caminhar para um futuro de maior compromisso planetário, solidariedade e desenvolvimento da espiritualidade. O blog pessoal: http://ajaraujopoetahumanista.blogspot.com/

Fontes:
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/
http://ajaraujopoetahumanista.blogspot.com/

Dicionário do Folclore (Letra U)


UALALOCÊ. Flauta típica dos indígenas pertencentes à tribo dos parecis.

UALRI. Indígena velho iniciado por Turupari, a quem traiu, revelando o segredo dos instrumentos sagrados; razão pela qual, por ser odiado e impopular, foi queimado vivo e, de suas cinzas, nasceram insetos e répteis venenosos.

UARAPERU. Chama-se uaraperu o instrumento musical de sopro de algumas tribos amazônicas. O uaraperu é constituído por um pedaço de taboca, tendo o comprimento de um palmo. Possui uma abertura retangular no meio, por onde o tocador toca, abrindo ou fechando com os dedos, as duas extremidades abertas. O som do uaraperu serve para o pescador atrair os peixes, além de acordar as moças que dormem no fundo do rio.

UARIUAIÚ. É um bailado indígena representando a caça do uariuaiú, o macaco guariba.

UATAPI. É um instrumento musical da Amazônia, feito de búzio, também encontrado entre os índios amoipiras, do sertão baiano.

UATAPU. São chamados de uatapu os colares usados por homens indígenas, feitos de pedaços de conchas. É usado como ornamento em suas danças.

UBATÁ. Dá-se o nome de ubatá ao instrumento musical, que foi trazido pelos escravos africanos para o Brasil.

UBATUBANA. Ver FANDANGO.

UCA. É uma bebida baiana que se faz com os seguintes ingredientes: um litro de cachaça, meio litro de conhaque, uma xícara de casca de laranja, duas raízes de gengibre, uma colher de sopa de erva-doce. Modo de fazer: macera-se durante cinco dias e agita-se bastante no dia de filtrar.

UÇÁ. É um caranguejo grande, muito gostoso, engordado nos meses que não têm a letra R e que são maio, junho, julho e agosto.

UDECRÁ. Dá-se o nome de udecrá a um tipo de viola usada pela tribo indígena dos xerentes. O modelo da viola é de estilo europeu, também chamado de Udês-Hecrá.

UFUÁ. Dá-se o nome de ufuá, ao instrumento musical indígena do Amazonas. Parecido com uma trombeta, o ufuá é feito de taquara (bambu), no qual há um orifício com uma pequena taquara rachada. Produz um som fúnebre e fanhoso.

UIANA. Dá-se o nome de uiana à fase de agitação e toxidez da água dos rios da Amazônia, quando há oscilações da água logo após a vazante. Os peixes ficam inquietos e entorpecidos, começam a flutuar podendo ser apanhados com as mãos. Não se deve comer o peixe nem beber a água durante essa fase.

UIRAPURU. O uirapuru é um pássaro da região Amazônica. Dizem que, quando ele canta, todos os pássaros ficam calados para escutá-lo, tão mavioso é o seu canto. Preparado pelo pajé, o uirapuru torna-se um amuleto que faz atrair, ao seu dono, virtude e fortuna. Conhecido como a maravilha da mata, seu nome significa "pássaro pintado".

ÚLTIMO. Nos contos populares último é um número simpático. Assim, o último filho – o filho mais moço, o último dos cães – é o mais fiel e o mais forte, o cavalo último é o mais resistente. Diz-se que o último filho é superior ao primeiro filho (o primogênito), pois demora mais tempo na companhia dos pais, preferindo a bênção com pouco dinheiro à maldição com muito dinheiro. Até um velho provérbio assegura que ri melhor quem ri por último e os últimos serão os primeiros.

UMBANDA. No começo, os cultos de origem africana do Rio de Janeiro como na Bahia, trazidos pelos escravos africanos, chamavam-se candomblés, reconhecidas duas seções principais que eram os orixás (os cultos nagôs) e os alufás (os cultos muçulmanos). Depois, passaram a ser denominados por macumbas e, mais recentemente, umbanda.

UMBIGADA. É a pancada, de leve, que se dá com o ventre, nas danças de roda e que significa o convite ou a intimação para que o umbigado substitua o dançarino encarregado do solo, do canto. No fandango e no lundu, em Portugal, a umbigada tem o mesmo propósito, como também acontece na dança da punga, no Maranhão e nos cocos de roda ou bambelôs e até mesmo em certos sambas. Já no batuque paulista a umbigada aparece durante a dança e não como um convite à substituição de quem está cantando na dança de roda. A umbigada foi trazida para o Brasil pelos bantos, escravos africanos, que também trouxeram o batuque e o semba.

UMBIGO-DE-BOI. É um azourrague, muito flexível e resistente, feito com o umbigo do boi. Homero, na Ilíada, já se refere ao azourrague feito com o umbigo de boi.

UMBU. Veja IMBU.

UMBUZADA. Veja IMBU.

UNICORNE. É uma ave pernalta, do tamanho de um peru, que tem penas pretas, e que se alimenta de capim e de insetos. Tem chifre e esporas. Seu canto, na voz do povo, é assim: - "João Gomes, que tu comes? – minhoca, minhoca!"

URINA. 1. Na medicina popular a urina é usada assim: a) A urina da vaca, bebida em jejum, cura maleita; b) Lavar os pés com urina de gado cura frieiras; c) Passar urina de gado em impinges, cura; 2. No catimbó e na macumba, o povo acredita que a pessoa que urinar sobre um feitiço, anula-lhe todas as forças.

URSO. 1. Como é oriundo de clima frio, o urso não é muito citado nos nossos contos populares. Mas, na linguagem popular o urso é o amante da esposa e amigo urso é o amigo falso como também é falso um abraço-de-urso. Sonha com a morte a pessoa que sonhar com urso.E quando a mulher tem um filho diferente dos outros, o povo diz que ele é filho-do-urso. 2. O Urso ou La ursa faz parte do carnaval pernambucano. Um homem se veste de urso – com uma roupa feita de embirras e pano geralmente marrom ou preto e o outro é o domador. O urso dança e pede dinheiro às pessoas. Às vezes, o urso é acompanhado de uma pequena orquestra composta de bombo, sanfona, triângulo e reco-reco. Tudo começou com um italiano que, de passagem pelo Recife, se apresentava com um urso amestrado. Quando ele foi embora, outras pessoas aproveitaram a idéia para se fantasiarem de urso pelo carnaval e, daí, nasceu o urso, ou La ursa, até hoje.

URU. Cesto feito com palha de carnaúba.

URUBU. 1. O urubu camiranga tem a cabeça vermelha e o urubutinga tem a cabeça branca, além de outras espécies como o urubu-rei. Todos vivem de animais mortos e, de certa maneira, trabalham limpando o mundo de suas podridões. É uma ave solitária, egoísta. É esperto, sabido e raramente enganado nos nossos contos populares. Dizem que o urubu quando nasce é de cor branca; 2. Urubu-malandro é um passo do frevo pernambucano. O passista faz um jogo de pernas sem que os braços acompanhem os movimentos. Na linguagem popular, diz-se que a pessoa está lavando urubu quando está sem fazer nada, desempregada, azeitando o eixo do Sol.

URUCUBACA. Ou cafife, ou caiporismo, ou azar, ou sorte mesquinha, ou sorte torcida, ou má sorte, significa, como o próprio nome está dizendo, a falta de sorte no que a pessoa faz. A palavra urucubaca vem de urubu – ave de mau agouro e cumbaca, um peixe azarento que, se pescado estraga o dia do pescador. Para a pessoa se livrar da urucubaca, nada como dar uma pancada em qualquer móvel de madeira com as costas dos dedos da mão direita.

URUCUNGO. O urucungo, também conhecido por orucungo, oricungo, uricungo, ricungo ou mucungo, é um instrumento musical trazido pelos escravos africanos e consiste num arco de madeira, tendo um arame esticado entre suas extremidades. Numa de suas extremidades ou na metade do arame é presa uma pequena cabaça com uma abertura em forma de círculo. O instrumento é tocado percutindo a corda (o arame) com os dedos ou com uma vareta ou haste de metal. A cabaça é a caixa de ressonância colocada sobre o peito ou a barriga. O urucungo também é conhecido pelos nomes de berimbau, berimbau-de-barriga, marimbau, gabo, bucubumba, gunga, macungo, motungo e mutungo. É usado no jogo de capoeira. No Rio Grande do Norte são colocadas na cabacinha sementes secas que fazem o efeito de um maracá.

URUÇU. É uma abelha indígena que faz um mel delicioso, cuja cera, de cor castanho-clara, é excelente. O mel de uruçu foi muito usado nas farmácias antigas e, com ele, ainda são feitos o charuto (vinho com o mel de abelha uruçu) e a meladinha (mel de abelha uruçu com cachaça). É bastante usado na medicina popular, curando tosse, bronquite, rouquidão.

URUÉ. No Piauí, o urué é um negro falastrão que se junta com o Diabo para derrubar e amansar cavalos, sem nunca ser vencido por outro vaqueiro. Era conhecido como Barra Nova, mas ficou famoso como urué porque quando ia beber costumava dizer: - Vou matar arué! Um dia o Diabo tentou arrebatá-lo, mas urué salvou-se, mas ficou meio amalucado.

URUPEMA. É uma espécie de peneira, de uso popular no interior e de grande utilidade nas cozinhas nordestinas no preparo de muitos pratos. Serve para escorrer a maniva, o leite de coco, passar a massa do feijão cozido, da goma e sessar o milho, o arroz, a farinha. Tem origem indígena. Nas casas do Recife antigo as urupemas eram colocadas nas janelas, para que o sol não se penetrasse nas salas.

URURAU. É o nome que se dá ao jacaré que tem o papo amarelo, comum no Rio São Francisco.

URUTAUÍ. No Pará, corre a crença de que o urutaí faz com que as donzelas não sejam seduzidas. No interior, com as penas do rabo do urutauí varrem o chão sob a rede da noiva para sua honestidade como esposa seja garantida.

USINA. A usina, na agro-indústria do açúcar, acabou, em parte, com os pequenos engenhos bangüês, fabricantes de açúcar bruto, rapadura e cachaça. Os usineiros foram comprando as terras dos engenhos próximos à sua área de ação industrial, até que, atualmente, em grande parte do Nordeste, os engenhos que não foram comprados pelas usinas deixaram de moer e resumiram suas atividades apenas ao plantio da cana para vendê-la às usinas.
===================
O Dicionário completo pode ser obtido em http://sites.google.com/site/pavilhaoliterario/dicionario-de-folclore
–––––––––––––––-
Fontes:
LÓSSIO, Rúbia. Dicionário de Folclore para Estudantes. Ed. Fundação Joaquim Nabuco
Imagem = http://www.terracapixaba.com.br/

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to