Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 25 de setembro de 2011

Pedro Ornellas (Trovas: Saudade é…) Parte 6 e final


101
Saudade - coisa engraçada:
é tal qual água corrente
que quisesse, já passada,
voltar de novo à nascente.
Antônio Zoppi – Americana SP

102
Saudade é imenso navio
no mar de minha existência,
a navegar no vazio
deixado por sua ausência...
João Paulo Ouverney – Pindamonhangaba SP

103
É tão viva tal sentença
Que tenho na consciência:
A saudade é a presença
Constante da tua ausência!
Ivan Herzog de Oliveira – Petrópolis RJ

104
A saudade é uma semente
de lágrimas orvalhada;
brota na noite do ausente
e floresce na alvorada.
Maria Thereza Cavalheiro – São Paulo

105
Saudade é gota caída,
é pranto que ninguém vê:
-É uma lágrima sentida
que leva sempre a você.
Waldir Neves – Rio de Janeiro RJ

106
A distância é um horizonte
separando as existências.
Saudade é uma longa ponte
ligando duas ausências.
Antônio Zoppi – Americana SP

107
Saudade – ventura ausente,
Um bem que longe se vê,
Uma dor que o peito sente,
Sem saber como e porquê.
Bastos Tigre – Recife PE

108
- Que é saudade? - Reticências...
Vozes de ontem num cicio...
Um cheiro forte de essências
que guarda o frasco vazio...
Maria Thereza Cavalheiro – São Paulo

109
É a saudade um recado
que parece até incoerente
pois lembra um bem do passado
que causa dor no presente.
Carmen Felicetti – Petrópolis RJ

110
Saudade - mãos de veludo
que nos levam ao passado,
onde reencontramos tudo
em escombros transformado.
Colombina – São Paulo SP

111
"Saudade" - tema da prova
que me vence, me intimida...
- Quem pode pôr numa trova
o que enche toda uma vida?
José Maria M. de Araújo – Rio de Janeiro RJ

112
Saudade - coisa que a gente
não explica nem traduz;
faz do passado, presente,
e traz sombras, sendo luz...
Colombina – São Paulo SP

113
É sempre assim a saudade:
luz nas sombras da incerteza,
mal a ferir sem maldade,
pranto a sorrir na tristeza.
Francisco Nogueira - SP

114
Saudade é grito gaudério,
que num segundo se expande
e forma seu grande império
nas coxilhas do Rio Grande.
Ayda – Santiago RS

115
O amor quando acaba, cobra
tributo que nos assalta.
Saudade é aquilo que sobra
daquilo que já nos falta.
Antônio Zoppi – Americana SP

116
Saudade é o fundo de um poço
onde minha alma vegeta,
mantendo vivo, no fosso,
o coração do poeta!
Francisco Macedo – Natal RN

117
Saudade, meiga Saudade
filha do amor e da ausência,
és a nossa mocidade
durante toda a existência.
Bastos Tigre – Recife PE

118
Definir o que é saudade
é difícil como quê...
É espécie de enfermidade
de estar longe de você.
Vera Milward de Carvalho – Caxambu MG

119
De alguém que amamos, a imagem
que está longe vemos perto...
- Saudade é como miragem
que engana o olhar no deserto.
Stélio Autran – Rio de Janeiro RJ

120
A alma gela-se de tédio,
enchem-se os olhos de ardor.
Saudade – dor que é remédio,
remédio que aumenta a dor!
Bastos Tigre – Recife PE

121
Resto da chama incontida
do amor, outrora envolvente,
saudade – é fumaça ardida
queimando os olhos da gente!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

122
Pondo-me agora em contato
com meus sonhos de criança,
saudade é porta-retrato
na carteira da lembrança!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

123
Num constante escarafuncho
que eu condeno mas aceito
esta saudade é um caruncho
causando estrago em meu peito!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

124
Sodade, pra sê bem franco,
é uma perebinha à toa,
mas que a casca eu sempre arranco
pro módi a cocera boa!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

125
Saudade é um retrato antigo,
na carteira, desbotando,
que eu sempre levo comigo
para olhar de vez em quando!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

126
Saudade é uma voz sem fala
é mal que a cura dispensa...
é uma ausência que se instala
disfarçada de presença!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

127
Saudade, uma dor infinda,
um barco longe do cais...
Desejo de ter-se ainda
o que já não se tem mais!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

128
Pelos trilhos da lembrança,
a saudade, trem expresso,
traz, no vagão da esperança
meu passado de regresso!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

129
De tudo o que já foi dito
resta dizer que a saudade
é um velho poema escrito
com tinta de mocidade!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

130
Que gosto dela eu assumo,
pelo bem que faz agora...
Porque a saudade é o resumo
dos bons momentos de outrora!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

131
Saudade, doce tristeza,
resto de um sonho frustrado...
Brasa teimosa, ainda acesa
entre as cinzas do passado!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

132
Felicidade – inebriante
coquetel servido a dois...
Saudade – a conta gigante
que a vida manda depois!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

133
Saudade, um sonho guardado...
magia que se eterniza...
num filme bom do passado
que o pensamento reprisa!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

134
Por uma prenda, o rabicho
que por teimoso eu sustento,
faz da saudade bolicho
que toda noite eu freqüento!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

135
Não me dá chance de fuga
esta saudade que amarga...
Parece até sanguessuga
que quando gruda, não larga!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

136
Faz companhia ao sozinho,
permite ao velho ser jovem
- Saudade - estranho moinho
que as águas passadas movem!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

137
É soberana e dispensa
todo escrutínio que eu faça...
Saudade, eterna presença
de um passado que não passa!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

138
Saudade é dor que maltrata...
É a mente correndo atrás
de coisas que a vida ingrata
leva e de volta não traz!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

139
Amarelado e restrito
aos aposentos do peito,
Saudade é um poema escrito
no pretérito perfeito!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

140
Saudade dói, mas conforta,
e ao confortar, no abandono,
faz papel de folha morta
que enfeita os quadros de outono!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

141
Vi meu drama retratado
numa canção boiadeira;
se a saudade é o boi malvado,
sou "menino da porteira"!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

142
Saudade, de forma clara,
define assim quem amou:
é uma lembrança que pára
de um tempo que não parou!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

143
Saudade é fada menina
cujo lar de habitação
é uma casa pequenina
nos fundos do coração!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

144
Saudade é chama que brilha
de um lampião encantado
lançando luz sobre a trilha
que nos conduz ao passado!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

145
Saudade lembrança boa
de quanto a vida era bela
por conta de uma pessoa
que um dia fez parte dela!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

146
Saudade é a teima esquisita
em se apegar a um passado
que a gente não acredita
que tenha mesmo passado!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

147
Saudade, um perfil risonho
que ao ser por mim recomposto,
toda vez que recomponho
ganha os traços do teu rosto!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

148
Saudade é um bem que da gente
há muito já se apartou
mas continua presente
nas lembranças que deixou!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

149
Saudade, espelho da vida,
dentro do peito guardado
que sempre traz refletida
a imagem do meu passado!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

150
Saudade é joçá de roça
que vem dos canaviais;
sem que se coce já coça...
E se coçar, coça mais!
Pedro Ornellas – São Paulo/SP

Fonte:
Trovas enviadas pelo autor

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to