Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

José Feldman (Chuva de Versos n. 326)



Uma Trova de Bandeirantes/PR
Istela Marina Gotelipe Lima

As lembranças de nós dois
fui guardando nas caixinhas...
para descobrir depois...
que em verdade... eram só minhas!

Uma Trova de Curitiba/PR
Cecilia Souza Ennes

Pai, nos caminhos da vida,
seu exemplo é solução,
onde descubro a saída
pra qualquer complicação…!!!

Um Poema de Portugal
Florbela Espanca
(Florbela d'Alma da Conceição Espanca)
Vila Viçosa/Portugal, 1894 — 1930, Matosinhos/Portugal

CARAVELAS

Cheguei a meio da vida já cansada
De tanto caminhar! Já me perdi!
Dum estranho país que nunca vi
Sou neste mundo imenso a exilada.

Tanto tenho aprendido e não sei nada.
E as torres de marfim que construí
Em trágica loucura as destruí
Por minhas próprias mãos de malfadada!

Se eu sempre fui assim este Mar-Morto,
Mar sem marés, sem vagas e sem porto
Onde velas de sonhos se rasgaram.

Caravelas doiradas a bailar…
Ai, quem me dera as que eu deitei ao Mar!
As que eu lancei à vida, e não voltaram!…

Uma Trova Humorística de Ponta Grossa/PR
Fernando Vasconcelos
Diamantina/MG  [1937 -2010] Ponta Grossa/PR

Um fantasma se assanhou
em bater papos, tadinho...
nas mil vezes que tentou,
ficou falando sozinho!

Uma Trova de Cambuci/RJ
Iramar Meireles Gonçalves

Na mata a serra rangendo,
animais choram a sorte,
árvores tombam gemendo,
que agonizam para a morte.

Um Poema de Portugal
Florbela Espanca
(Florbela d'Alma da Conceição Espanca)
Vila Viçosa/Portugal, 1894 — 1930, Matosinhos/Portugal

MARIA DAS QUIMERAS

Maria das Quimeras me chamou
Alguém.. Pelos castelos que eu ergui
P’las flores d’oiro e azul que a sol teci
Numa tela de sonho que estalou.

Maria das Quimeras me ficou;
Com elas na minh’alma adormeci.
Mas, quando despertei, nem uma vi
Que da minh’alma, Alguém, tudo levou!

Maria das Quimeras, que fim deste
Às flores d’oiro e azul que a sol bordaste,
Aos sonhos tresloucados que fizeste?

Pelo mundo, na vida, o que é que esperas?…
Aonde estão os beijos que sonhaste,
Maria das Quimeras, sem quimeras?

Uma Trova Popular
Autor Anônimo

Não me tentes com fortuna
para contigo casar:
eu prefiro mais que tenha
coração para me dar...

Uma Trova Hispânica da Argentina
Nora Lanzieri

Tu gran mar está en mis olas
tus labios en mi sonrisa,
y dejo pasar las horas
esperándote sin prisa.

Um Poema de Portugal
Florbela Espanca
(Florbela d'Alma da Conceição Espanca)
Vila Viçosa/Portugal, 1894 — 1930, Matosinhos/Portugal

POETAS

Ai as almas dos poetas
Não as entende ninguém;
São almas de violetas
Que são poetas também.

Andam perdidas na vida,
Feitos as estrelas no ar;
Sentem o vento gemer
Ouvem as rosas chorar!

Só quem embala no peito
Dores amargas, secretas
É que em noites de luar
Pode entender os poetas

E eu que arrasto amarguras
Que nunca arrastou ninguém
Tenho alma para sentir
A dos poetas também!

Trovadores que deixaram Saudades
J. G. DE ARAÚJO JORGE
(José Guilherme de Araújo Jorge)
Vila de Tarauacá/AC, 1914 – 1987, Rio de Janeiro/RJ

A poesia que desejo
tiro de mim como aquela
cantiga do realejo
se alguém roda a manivela…

Um Poema de Portugal
Florbela Espanca
(Florbela d'Alma da Conceição Espanca)
Vila Viçosa/Portugal, 1894 — 1930, Matosinhos/Portugal

O FADO

Corre a noite, de manso num murmúrio,
Abre a rosa bendita do luar....
Soluçam ais estranhos de guitarra....
Oiço, a o longe, não sei que voz chorar...

Há um repoiso imenso em toda terra,
Parece a própria noite a escutar....
E o canto continua mais profundo
Qual página sentida de Mozart!

É o fado. A canção das violetas:
Almas de tristes, almas de poetas,
Pra quem a vida foi uma agonia!

Minha doce canção dos deserdados,
Meu fado que alivias desgraçados,
Bendito sejas tu! Ave Maria!…

Uma Trova de Pindamonhangaba/SP
José Ouverney

Quarto a dentro se insinua
a silhueta de alguém...
Eu finjo que a sombra é tua,
e a “sombra”... finge também!

Uma Quadra Humorística, de São Paulo/SP
Idel Becker
(1910 – 1994)

Eu recuso mulher nova,
Que é espelho dos enganos:
Quero uma velha bem velha
De vinte, ou vinte e dois anos

Um Poema de Portugal
Florbela Espanca
(Florbela d'Alma da Conceição Espanca)
Vila Viçosa/Portugal, 1894 — 1930, Matosinhos/Portugal

OS VERSOS QUE TE FIZ

Deixa dizer-te os lindos versos raros
que a minha boca tem pra te dizer
são talhados em mármores de Paros
cinzelados por mim pra te of’recer

Tem a dolência de veludos caros,
são como sedas pálidas a arder...
deixa dizer-te os lindos versos raros
que foram feitos pra te endoidecer!

Mas, meu amor, eu não te digo ainda...
que a boca da mulher é sempre linda
se dentro guarda um verso que não diz!

Amo-te tanto! E nunca te beijei...
e nesse beijo, amor, que eu não te dei
guardo os versos mais lindos que te fiz!

Uma Trova de Paranamirim/RN
Luiz Cláudio Costa da Silva

A imponente arte conserva,
os traços e a singeleza
da bela deusa Minerva:
- musa da mãe natureza!

Um Poema de Portugal
Florbela Espanca
(Florbela d'Alma da Conceição Espanca)
Vila Viçosa/Portugal, 1894 — 1930, Matosinhos/Portugal

NOITE DE SAUDADE

A noite vem pousando devagar
Sobre a terra que inunda de amargura…
E nem sequer a bênção do luar
A quis tornar divinamente pura…

Ninguém vem atrás dela a acompanhar
A sua dor que é cheia de tortura…
E eu ouço a noite imensa soluçar!
E eu ouço soluçar a noite escura!

Por que é assim tão’ scura, assim tão triste?!
É que, talvez, ó noite, em ti existe
Uma saudade igual à que eu contenho!

Saudade que eu nem sei donde me vem…
Talvez de ti, ó noite!… Ou de ninguém!…
Que eu nunca sei quem sou, nem o que tenho!

Uma Trova de Caicó/RN
Eva Yanni de Araújo Garcia

Cultura é vida, é história;
outra forma de viver;
que vem guardar na memória
o que o tempo fez morrer.

Um Poema de Portugal
Florbela Espanca
(Florbela d'Alma da Conceição Espanca)
Vila Viçosa/Portugal, 1894 — 1930, Matosinhos/Portugal

ERRANTE

Meu coração da cor dos rubros vinhos
Rasga a mortalha do meu peito brando
E vai fugindo, e tonto vai andando
A perder-se nas brumas dos caminhos.

Meu coração o místico profeta,
O paladino audaz da desventura,
Que sonha ser um santo e um poeta,
Vai procurar o Paço da Ventura…

Meu coração não chega lá decerto…
Não conhece o caminho nem o trilho,
Nem há memória desse sítio incerto…

Eu tecerei uns sonhos irreais…
Como essa mãe que viu partir o filho,
Como esse filho que não voltou mais!

Um Haicai de Mogi das Cruzes/SP
Thaís dos Anjos Incau
(10 anos)

Da minha janela ..
Vejo a serra tão azulada
E muito distante.

Uma Trova de Porto Alegre/RS
Gislaine Canales

Aquela ponte que unia
nossas vilas ribeirinhas,
une, ainda, por magia,
tuas saudades e as minhas.

Um Poema de Portugal
Florbela Espanca
(Florbela d'Alma da Conceição Espanca)
Vila Viçosa/Portugal, 1894 — 1930, Matosinhos/Portugal

INCONSTÂNCIA

Procurei o amor, que me mentiu.
Pedi à vida mais do que ela dava;
Eterna sonhadora edificava
Meu castelo de luz que me caiu!

Tanto clarão nas trevas refulgiu,
E tanto beijo a boca me queimava!
E era o sol que os longes deslumbrava
Igual a tanto sol que me fugiu!

Passei a vida a amar e a esquecer…
Atrás do sol dum dia outro a aquecer
As brumas dos atalhos por onde ando…

E este amor que assim me vai fugindo
É igual a outro amor que vai surgindo,
Que há-de partir também… nem eu sei quando!

Recordando Velhas Canções
Samba triste
(composto em 1956 - samba, 1960)

Billy Blanco e Baden Powell

Samba triste
A gente faz assim
Eu aqui
Você longe de mim, de mim
Alguém se vai
Saudade vem e fica perto
Saudade resto de amor
De amor que não deu certo

Samba triste
Que antes eu não fiz
Só porque
Eu sempre fui feliz, feliz
Agora eu sei
Que toda a vez que o amor existe
Há sempre um samba triste, meu bem
Samba que vem de você, amor

Uma Trova de São Paulo/SP
Darly O. Barros

Pranteando a ponte antiga,
o rio, ao vê-la aos pedaços,
abrindo os braços à amiga,
carrega a ponte nos braços...

Um Poema de Portugal
Florbela Espanca
(Florbela d'Alma da Conceição Espanca)
Vila Viçosa/Portugal, 1894 — 1930, Matosinhos/Portugal

MENTIRAS

Tu julgas que eu não sei que tu me mentes
Quando o teu doce olhar pousa no meu?
Pois julgas que eu não sei o que tu sentes?
Qual a imagem que alberga o peito teu?

Ai, se o sei, meu amor! Eu bem distingo
O bom sonho da feroz realidade…
Não palpita d’amor, um coração
Que anda vogando em ondas de saudade!

Embora mintas bem, não te acredito;
Perpassa nos teus olhos desleais,
O gelo do teu peito de granito…

Mas finjo-me enganada, meu encanto,
Que um engano feliz vale bem mais
Que um desengano que nos custa tanto!

Um Haicai de Mogi das Cruzes/SP
Wellington Conceição Ouchi da Silva
(13 anos)

A chuva escorrendo
Pelas paredes do prédio.
Manhã de inverno.

Uma Trova de Niterói/RJ
J. Stavola Porto

União por Deus ungida
não finda em dor e saudade.
Transpondo a ponte da vida,
ressurge na eternidade.

Um Poema de Portugal
Florbela Espanca
(Florbela d'Alma da Conceição Espanca)
Vila Viçosa/Portugal, 1894 — 1930, Matosinhos/Portugal

HORAS RUBRAS

Horas profundas, lentas e caladas
feitas de beijos sensuais e ardentes,
de noites de volúpia, noites quentes
onde há risos de virgens desmaiadas

Ouço as olaias rindo desgrenhadas...
tombas astros em fogo, astros dementes
e do luar, os beijos languescentes
são pedaços de prata plas estradas...

Os meus lábios são brancos como lagos...
os meus braços são leves como afagos,
vestiu-os o luar de sedas puras...

Sou chama e neve branca misteriosa...
e sou talvez na noite voluptuosa
ó meu poeta, o beijo que procuras

Hinos de Cidades Brasileiras
Cruzeiro do Sul/AC

No regaço da selva assombrosa
Onde outrora espumava o tapir
Uma bela cidade ruidosa
Vimos hoje fagueira surgir.
Pasma o índio bravio confundido
Empolgando uma flecha nos ares
Ao ouvir que é tão repetido
Vosso nome nos nossos palmares.
Para o seio da mata orvalhada
As aragens correndo lá vão
E no cimo da selva ondulada
Thaumaturgo Azevedo dirão
E no cimo da selva ondulada
Thaumaturgo Azevedo dirão.
No cetim da esfera dourada
Pelos raios fulgurantes do sol
Vosso feito reluz como espada
Vosso nome cintila qual o sol.
Vosso feito será imitado
Onde o raio do progresso chegou
Vosso nome então proclamado
Pelos filhos que o norte criou.
Para o seio da mata orvalhada
As aragens correndo lá vão
E no cimo da selva ondulada
Thaumaturgo Azevedo dirão
E no cimo da selva ondulada
Thaumaturgo Azevedo dirão.
O lampejo do sol do progresso
Doura ufano este belo alcantil
Contemplado será o universo
Novo estado no chão do Brasil.
E no trono dos seus esplendores
Sobre nuvens bordadas de azul
Deus semeia cascata de flores
E abençoa o Cruzeiro do Sul.
Para o seio da mata orvalhada
As aragens correndo lá vão
E no cimo da selva ondulada
Thaumaturgo Azevedo dirão
E no cimo da selva ondulada
Thaumaturgo Azevedo dirão.

Uma Trova de Juiz de Fora/MG
Licinio Antonio de Andrade

Cai a tarde e a passarada
em gorjeios musicais
é orquestra desafinada
na algazarra dos pardais.
Um Poema de Portugal
Florbela Espanca
(Florbela d'Alma da Conceição Espanca)
Vila Viçosa/Portugal, 1894 — 1930, Matosinhos/Portugal


Eu tenho pena da Lua!
Tanta pena, coitadinha,
Quando tão branca , na rua
A vejo chorar sozinha!...

As rosas nas alamedas,
E os lilases cor da neve
Confidenciam de leve
E lembram arfar de sedas...

Só a triste, coitadinha....
Tão triste na minha rua
Lá anda a chorar sozinha....

Eu chego então à janela:
E fico a olhar pra lua...
E fico a chorar com ela!…

Chuvisco Biográfico da poetisa
Florbela Espanca, batizada como Flor Bela Lobo, e que opta por se autonomear Florbela d'Alma da Conceição Espanca , nasceu em Vila Viçosa/Portugal, 8 de Dezembro de 1894 e faleceu em Matosinhos, 8 de Dezembro de 1930. Nasceu filha ilegítima de João Maria Espanca e de Antónia da Conceição Lobo, criada de servir (como se dizia na época), que morreu com apenas 36 anos, «de uma doença que ninguém entendeu», mas que veio designada na certidão de óbito como nevrose. Registrada como filha de pai incógnito, foi todavia educada pelo pai e pela madrasta, Mariana Espanca, em Vila Viçosa, tal como seu irmão de sangue, Apeles Espanca, nascido em 1897 e registrado da mesma maneira. Note-se como curiosidade que o pai, que sempre a acompanhou, só 19 anos após a morte da poetisa, por altura da inauguração do seu busto, em Évora, e por insistência de um grupo de florbelianos, a perfilhou.
Estudou no liceu de Évora, mas só depois do seu casamento (1913) com Alberto Moutinho concluiu, em 1917, a seção de Letras do Curso dos Liceus. Em Outubro desse mesmo ano matriculou-se na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, que passou a frequentar. Na capital, contatou com outros poetas da época e com o grupo de mulheres escritoras que então procurava impor-se. Colaborou em jornais e revistas, entre os quais o Portugal Feminino. Em 1919, quando frequentava o terceiro ano de Direito, publicou a sua primeira obra poética, Livro de Mágoas. Em 1921, divorciou-se de Alberto Moutinho, de quem vivia separada havia alguns anos, e voltou a casar, no Porto, com o oficial de artilharia António Guimarães. Nesse ano também o seu pai se divorciou, para casar, no ano seguinte, com Henriqueta Almeida. Em 1923, publicou o Livro de Sóror Saudade. Em 1925, Florbela casou-se, pela terceira vez, com o médico Mário Laje, em Matosinhos.

Os casamentos falhados, assim como as desilusões amorosas, em geral, e a morte do irmão, Apeles Espanca (a quem Florbela estava ligada por fortes laços afetivos), num acidente com o avião que tripulava sobre o rio Tejo, em 1927, marcaram profundamente a sua vida e obra. Em Dezembro de 1930, agravados os problemas de saúde, sobretudo de ordem psicológica, Florbela morreu em Matosinhos, tendo sido apresentada como causa da morte, oficialmente, um «edema pulmonar».

Postumamente foram publicadas as obras Charneca em Flor (1930), Cartas de Florbela Espanca, por Guido Battelli (1930), Juvenília (1930), As Marcas do Destino (1931, contos), Cartas de Florbela Espanca, por Azinhal Botelho e José Emídio Amaro (1949) e Diário do Último Ano Seguido De Um Poema Sem Título, com prefácio de Natália Correia (1981). O livro de contos Dominó Preto ou Dominó Negro, várias vezes anunciado (1931, 1967), seria publicado em 1982.

A poesia de Florbela caracteriza-se pela recorrência dos temas do sofrimento, da solidão, do desencanto, aliados a uma imensa ternura e a um desejo de felicidade e plenitude que só poderão ser alcançados no absoluto, no infinito. A veemência passional da sua linguagem, marcadamente pessoal, centrada nas suas próprias frustrações e anseios, é de um sensualismo muitas vezes erótico. Simultaneamente, a paisagem da charneca alentejana está presente em muitas das suas imagens e poemas, transbordando a convulsão interior da poetisa para a natureza.

Florbela Espanca não se ligou claramente a qualquer movimento literário. Está mais perto do neo-romantismo e de certos poetas de fim-de-século, portugueses e estrangeiros, que da revolução dos modernistas, a que foi alheia. Pelo caráter confessional, sentimental, da sua poesia, segue a linha de António Nobre, facto reconhecido pela poetisa. Por outro lado, a técnica do soneto, que a celebrizou, é, sobretudo, influência de Antero de Quental e, mais longinquamente, de Camões.

Poetisa de excessos, cultivou exacerbadamente a paixão, com voz marcadamente feminina (em que alguns críticos encontram dom-joanismo no feminino). A sua poesia, mesmo pecando por vezes por algum convencionalismo, tem suscitado interesse contínuo de leitores e investigadores. É tida como a grande figura feminina das primeiras décadas da literatura portuguesa do século XX. (http://www.secrel.com.br/jpoesia/)


domingo, 28 de dezembro de 2014

José Feldman (Chuva de Versos n. 325)


Uma Trova de Cornélio Procópio/PR
Átila Silveira Brasil

Velha foto esmaecida
deixou lágrima de herança!
Hoje a vejo colorida
pelo cristal da lembrança!

Uma Trova de Caicó/RN
Mara Melinni de Araújo Garcia

Seca: quanta desventura
enche a terra de tristeza!
O homem sofre, mas a cura
vem da própria natureza.

Um Poema de Caicó/RN
Dilma Damasceno

A Menina de Caicó

Imagino as “madeixas do sertão”,
com tranças enfeitadas de bonina,
realçando a paisagem campesina,
- a confundir-se com a plantação -,
no decorrer da flórida estação!
… E nas águas do Itans azul-turqueza,
- ao sabor indelével da pureza -,
imagino “a menina de Caicó”,
- pintando sonhos e remando só -,
em sintonia com a natureza!

Uma Trova Humorística de Bandeirantes/PR
Neide Rocha Portugal

- A fechadura enguiçou!
Grita o bêbado na rua;
quando um vizinho o alertou:
- Esta casa não é sua!...

Uma Trova de São Paulo/SP
Humberto Rodrigues Neto

Belas trovas, bons poemas,
meu amigo e minha amiga,
pra amenizar os problemas
com que a vida nos castiga!

Um Poema de Caicó/RN
Dilma Damasceno

A paz dos poetas

No dadivoso “Livro dos Poetas”,
as palavras revelam sentimentos…
e entre o realismo e a fantasia,
os Poetas – românticos profetas -,
vão predizendo os acontecimentos,
na linguagem suprema da poesia!...

Falam de sonhos, crenças, devoções!...
Pintam caminhos plenos de beleza!…
Paisageando cenas de bonança,
os Poetas alegram os corações!...
E sob a luz da sábia Natureza,
vão tatuando as almas, de esperança!

Eclodem assim, Poéticas Confrarias!
Soam forte, os “Teares do Amor”!
De forma inspiradora e pertinaz,
os Poetas, tecendo alegorias,
vão sublinhando um mundo encantador,
onde o encanto principal, é: PAZ!

Uma Trova Popular
Autor Anônimo

Muito vence quem se vence
e muito diz quem diz tudo, 
porque ao discreto pertence
a tempo fazer-se mudo.

Uma Trova Hispânica do Chile
Patrícia Perez Nerice

Tu rostro cada mañana,
tu sonrisa y tu mirada,
me hacen sentir soberana
siendo por ti apasionada.

Um Poema de Caicó/RN
Dilma Damasceno

Relembrando a minha origem (I)

   Amo a vida genuína
(ornada de singeleza)!...
Idolatro a Natureza!...
A floração, me fascina!
 
Exulto, sobremaneira,
com o cantar que encerra
meu querido “Pé de Serra”!...
Sou Cabocla Brasileira,
aguerrida descendente
da Região do Nordeste…
portanto, “Cabra da Peste”...
Ademais, sou renitente,
Potiguar e Sertaneja
(do Sertão do Seridó)…
e natural de Caicó
(onde a brisa é benfazeja…
e o povo é bom, e gentil),
Cidade de clima quente
(terra do sol reluzente),
que acende o céu do Brasil!

Trovadores que deixaram Saudades
Helvécio Barros
Macau/RN (1909 – 1995)Bauru/SP

Palhaço, visão querida,
dos meus tempos de criança...
velha saudade escondida,
no meu baú de lembrança!

Uma Setilha de Fortaleza/CE
Nemésio Prata

Ao médico, eu consultei
para saber a razão
desta dor que me atormenta,
dia e noite, o coração:
sabe o que ele receitou,
e a dor, ligeiro, passou?
Xarope de trovação!

Um Poema de Caicó/RN
Dilma Damasceno

Relembrando a minha origem (II)

Sou da América do Sul;
meu País (grande e taful)
é exemplo de pujança!
Nas águas do meu torrão
eu mergulho o coração,
ao sabor da esperança!
 
Visto a formosa Bandeira
do meu País luminoso
(de clima puro e gostoso,
e de gente hospitaleira)!
A vestimenta, me encanta
(desperta sonhos, desejos,
e os mais ousados voejos)!…
A minha emoção, é tanta,
que alço vôo dos campos,
e me perco nas estrelas…
mas, quanto mais posso vê-las,
mais vejo os meus pirilampos!
 
Entre anelos e fulgores,
sentimentos, e sabores,
sinto a chama apaixonante
das cores que simbolizam
referências… e, matizam
minha alma itinerante!
 
No “verde”, residem as matas.
… E recordo serenatas
sob a luz da lua cheia!
No “amarelo”,as riquezas
geram sonhos e belezas.
… Meu coração, cirandeia!
No “branco”, a paz brota, cresce,
veste os lírios, e, floresce…
conquista a prece, e a palma!...
Porém, é no “azul-anil”,
que um lindo céu pastoril,
extasia a minha alma!

Uma Trova de Angra dos Reis/RJ
Jessé Nascimento

Sinto uma grande alegria
e o alvo sempre persigo:
conquistar a cada dia
um novo e leal amigo.

Uma Quadra de São Paulo/SP
Idel Becker
(1910 – 1994)

Quem é pobre, sempre é pobre,
quem é pobre, nada tem;
quem é rico sempre é nobre
e às vezes não é ninguém...

Um Poema de Caicó/RN
Dilma Damasceno

A lua do meu lugar

Idolatro o meu lugar
de sabores tropicais!…
Sinto arroubos sensuais
ao contemplar o luar
em noites de lua cheia!…
Minha alma cirandeia,
divaga, levita, e voa,
quando o céu estende o brilho
e pinta da cor do milho,
as gramíneas da lagoa!…

Sinto a vida, refulgente,
na força da maré alta!…
Meu coração, dança e salta,
vendo a lua incandescente,
suspensa no azul do céu,
- simbólica rosa de luz -,
que brilha, encanta, seduz,
e o meu sentimento, anima,
quando molha o lindo véu
nas águas mornas do "Lima"! 

Uma Trova do Rio de Janeiro/RJ
Gilson Faustino Maia

O céu brilha? Que alegria!
Brilha, também, certo olhar
que lembrarei noite e dia
até quando Deus deixar.

Um Poema de Caicó/RN
Dilma Damasceno

Paisageando o meu sertão

Eu voltei à minha terra!...
Vim rever meu pé de serra,
sob a luz dos pirilampos!...
Vim contemplar velhos pastos!...
Calçar uns chinelos gastos,
e caminhar pelos campos!

Vim curtir os passarinhos,
cantarem... fazerem ninhos...
sugarem o néctar da flor!...
Ouvir belas alvoradas,
e palmilhar as estradas
do meu Sertão Sofredor...

Vim abraçar minha gente!...
Saborear o sol quente,
que doura o mar de Natal!...
Mas, sinto o peito apertado,
pois meu coração alado,
eu deixei em Portugal!

Uma Trova de São Paulo/SP
Roberto Tchepelentytky 
Campos do Jordão: lembrança
do Natal... Papai Noel...
No meu quadro de criança,
onde a saudade é o pincel...

Um Poema de Caicó/RN
Dilma Damasceno

Apaixonante Lisboa

 Lisboa, - paixão antiga -,
misto de sonho e beleza!...
És "Prenda da Natureza"!...
Notas de bela cantiga!

És a musa inspiradora
de memoráveis poetas!...
Em tuas águas quietas,
minha alma sonhadora
mergulha, levita, e dança,
no "Palco da Fantasia",
conjugando o verbo amar!...
E então, decola e voa,
ao sabor da esperança,
p’ra finalmente, aportar
no doce "Cais da Poesia",
que existe em Ti, Lisboa!

O teu semblante, engalana!...
A tua essência, seduz!
Formosa “Flor Lusitana”,
- és um “Poema de Luz”!

Um Haicai de São Paulo/SP
Tharynne Marcela Barbosa Calixto
(12 anos)

Na hora de dormir
Um imenso silêncio
E a lua brilha.

Uma Trova de Santa Fé/Argentina
Maria Cristina Fervier

A silhueta da lua
na janela se reflete,
brilha como a pele tua
e aos meus sonhos me remete.

Um Poema de Caicó/RN
Dilma Damasceno

Lindo alvorecer

A noite era sombria, - e tu chegaste,
trazendo encantamento ao meu viver!...
No aflorar de um lindo alvorecer,
o meu sonho de amor, iluminaste!

Embevecida, pus-me a palmilhar
os caminhos secretos do teu ser!...
Na estação amorosa do querer,
adolesci sob a luz do teu olhar!

E mergulhei na mutação das cores!
Senti no ar o cheiro bom das flores!...
Perfumei o meu corpo de jasmim!

Nessa doce mistura de sabores,
emergi entre aromas e entre alvores,
sentindo a vida transbordar em mim! 

Recordando Velhas Canções
Corcovado
(samba bossa, 1960)

Tom Jobim

Um cantinho, um violão
Este amor, uma canção
Pra fazer feliz a quem se ama
Muita calma pra pensar
E ter tempo pra sonhar
Da janela vê-se o corcovado
O Redentor que lindo

Quero a vida sempre assim
Com você perto de mim
Até o apagar da velha chama
E eu que era triste
Descrente desse mundo
Ao encontrar você eu conheci
O que é a felicidade, meu amor

Uma Trova de Fortaleza/CE
Zenaide Braga Marçal

Trago no peito guardada,
entre as lembranças da vida,
a silhueta gravada
da tua imagem querida!

Um Poema de Caicó/RN
Dilma Damasceno

Fragmentos de ternura
 
Fragmentos de ternura
embalam meu pensamento,
sob a aura da candura
que voa ao sabor do vento,
num "leva e traz" de sabores...
num misto de sons e cores...
num "vai e vem" de arpejos!...
São coisas que vou sentindo
embevecida... “intuindo”
da natureza, os desejos!...

Coisas que meu coração
guarda carinhosamente,
com esperança crescente,
e desmedida paixão!...
Coisas que muito me encantam,
e ao mesmo tempo, me espantam,
por terem tanto esplendor!
... E na fluência do encanto,
um azulado agapanto,
- com acalentos de amor -,
rouba a cena do momento!...
Meu "coração delirante",
- de ternura, transbordante -,
transborda de encantamento! 

Um Haicai de Xambrê/PR
Lucas Ferreira Teixeira
(13 anos)

O canto do grilo
solitário na noite
entra no quarto.

Uma Trova de Cambuci/RJ
Francisca Isabel Almeida

Quando perdemos o norte,
Deus dá sempre a direção
que confirma a nossa sorte
pertinente ao coração!

Um Poema de Caicó/RN
Dilma Damasceno

Ainda é tempo…

Ainda é tempo de mirar nas rosas,
o “pó de estrelas” que afaga os campos,
- e se entrelaça com os pirilampos -,
alumiando as noites nebulosas!

Ainda é tempo de seguir caminhos
impregnados de esperança e calma!...
Ainda é tempo de embalar a alma,
ouvindo o solfejar dos passarinhos!

Ainda é tempo de acertar distâncias…
de ultrapassar amargas circunstâncias…
de focar na candura e no dulçor!... 

Ainda é tempo de olhar os lírios...
de reviver volúpias e delírios...
e de embarcar na “estação do amor”!

Hinos de Cidades Brasileiras
Rosário do Sul/RS

Terra fértil de ricas colheitas
de rebanhos e verdes cereais
tua praia de areias eleitas
lembra imenso lençol de cristais

Estribilho: 
Rosário do Sul, Rosário do Sul
Do povo gaúcho contente e feliz
orgulho da gente, cidade bendita
que sonha e palpita no sul do país

O brasão da cidade retrata
as origens que a história traduz
em seus rios, a pureza da prata
sobre o verde à que o ouro dá luz

O rosário, a cabeça de touro
e as armas que em paz hoje estão
simbolizam no verde e no ouro
que Rosário engrandece a nação

Quem o rio contemplar das barrancas
vendo as águas e a vida passar
essas praias de areias tão brancas
dentro d'alma vai sempre levar

Uma Trova de Maringá/PR
A. A. de Assis

Sofro junto a dor injusta
de que a Terra está repleta...
- Esse é o preço que me custa
a graça de ser poeta.

Um Poema de Caicó/RN
Dilma Damasceno

Roda Viva

Cintila o sol!
Folhas secas, crepitam.
A manhã encandeia
o olhar que vagueia
fremente de emoção,
ao sabor do arrebol!
No meu alado coração,
as efusões se agitam!

Um pedaço de mar reflete o céu.
Nuvens brancas desfilam,
sob os raios que cintilam,
bordando a manhã!...
Nas asas do meu afã,
voa um louco menestrel.
O vento sopra, saudoso...
Traz-me de volta, as lembranças
do afago prazeroso!
Tudo gira docemente...
Porém, minhas esperanças
perambulam, tristemente!

Da “janela”dos sonhos,
contemplo o céu,
ao som de realejos!
... Os meus desejos,
fremem tristonhos!...
São passarinhos
que buscam ninhos,
voando ao léu!

Um pintor aflito,
desenha a tela
do infinito....
A dor insiste,
tão possessiva,
que suplicia!
A paixão, desfila
na passarela
do meu conflito!
Um poeta triste,
descerra o cofre
da poesia!...
Minh’alma sofre
na roda viva
em que gira o mundo!...

E o sol... Cintila,
no céu profundo!

Sobre a canção “Corcovado”
         Provedor de melodias para versos alheios, Tom Jobim é também o autor das letras de alguns de seus maiores sucessos. Este é o caso do samba “Corcovado, um cartão postal do Rio de Janeiro, poética e musicalmente impregnado pelo espírito da bossa nova.
         Sobre esta letra há duas curiosidades a assinalar: originalmente o primeiro verso dizia: “um cigarro, um violão.” Nos ensaios para a gravação, João Gilberto convenceu Tom Jobim a mudá-lo para “um cantinho, um violão”. Já os versos “da janela vê-se o Corcovado / o Redentor, que lindo”, foram inspirados pela paisagem vista das janelas do apartamento em que o autor morava na ocasião. “Pouco depois, a construção de um edifício em frente acabou com a paisagem”, comenta Paulo Jobim, filho de Tom. Por sua vez, esse apartamento, situado na Rua Nascimento Silva, em Ipanema, acabou entrando para a letra do samba “Carta ao Tom 74”, de Toquinho e Vinícius de Moraes.
         Começando com uma introdução que o identifica de imediato e é parte integrante da composição — um desenvolvimento melódico sobre a harmonia dos compassos iniciais do tema principal — , “Corcovado” encantou dezenas de músicos e cantores no Brasil e no exterior. Daí a sua vasta discografia, que o faz figurar entre as canções mais conhecidas de Antônio Carlos Jobim, destacando-se entre os seus intérpretes João Gilberto (o primeiro), o próprio Tom (em quatro versões, uma delas com a participação de Elis Regina) e, com o título de “Quiet Nights of Quiet Stars”, um vasto elenco de cantores (Sinatra, Ella Fitzgerald) e músicos de jazz (Stan Getz, Miles Davis, Teddy Wilson).
         Em 1987, num levantamento realizado por Jairo Severiano e Vera de Alencar, “Corcovado” ostentava a terceira colocação entre as canções mais gravadas de Jobim, superado apenas por “Garota de Ipanema” e “Samba de uma Nota Só”. (http://cifrantiga3.blogspot.com.br/2006/08/corcovado.html)


Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to