Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Trova 276 - A. A. de Assis (Maringá/PR)


Mitologia Grega (A Caixa de Pandora)

O céu e a terra já estavam criados com o firmamento onde habitavam plantas e animais. Mas faltava a criatura onde pudesse habitar o espírito divino. Foi então que chegou à  terra o titã Prometeu (aquele que pensa antes) descendente da antiga raça de deuses destronada por Zeus. O gigante sabia que na terra estava "adormecida" a semente dos céus. Por isso, apanhou um bocado de argila e molhou-a com um pouco de água de um rio. Com essa matéria fez o homem à semelhança dos deuses para que este fosse o senhor da terra. Escolheu das almas dos animais as características boas e más, animando sua "criatura".

Atena, deusa da sabedoria, admirou a criação do filho dos titãs e insuflou naquela imagem de argila o espírito, o sopro divino. Foi assim que surgiram os primeiros seres humanos que de imediato povoaram a terra. Mas faltava-lhes o conhecimento sobre os assuntos da terra e do céu. Vagueavam sem conhecer a arte da construção, da agricultura, da filosofia. Não sabiam caçar ou pescar e nada sabiam da sua origem divina. Prometeu aproximou-se e ensinou-lhes todos esses segredos. Inventou o arado para que o homem plantasse, a cunhagem das moedas para que houvesse o comércio, a escrita e a mineração. Ensinou-lhes a arte da profecia e da astronomia; enfim, todas as artes necessárias ao desenvolvimento da humanidade. Ainda lhes faltava um último dom para que se pudessem manter vivos: o fogo. Este dom, entretanto, havia sido negado à humanidade pelo grande Zeus. Porém, Prometeu "amigo dos homens" roubou uma centelha do fogo celeste e trouxe-a para a terra, reanimando os homens. Este fogo dava à humanidade a possibilidade de dominar o mundo e os seus habitantes. Ao descobrir o roubo, Zeus irritou-se pois verificou que a sua vontade fora contrariada e decidiu punir tanto o ladrão quanto os beneficiados. Por isso, tramou no Olimpo a sua vingança. Mandou que Hefaístos fizesse uma estátua de uma linda donzela e, chamou-a de Pandora - "a que possui todos os dons", que seria enviada como presente a Epimeteu, irmão de Prometeu e, para a tornar perfeita fez com que cada um dos deuses oferecessem à donzela um dom. Afrodite deu-lhe a beleza, Hermes o dom da fala, Apolo, a música; outros deuses outros encantos acrescentaram na criatura. Zeus pediu ainda que cada imortal reservasse um malefício para a humanidade. Esses presentes maléficos foram guardados numa caixa, que a donzela levava nas mãos.

Zeus enviou então Pandora que desceu à terra conduzida por Hermes e aproximou-se de Epimeteu - "o que pensa depois", o irmão de Prometeu - o qual, esquecendo-se da recomendação do seu irmão de que nunca recebesse um presente de Zeus, aceitou-o e, quando Pandora abriu diante dele a tampa do presente a humanidade que até aquele momento habitava um mundo sem doenças ou sofrimentos viu-se assaltada por inúmeros malefícios que atormentam os homens até aos dias de hoje. Pandora tornou a fechar a caixa rapidamente antes que o único benefício que havia nela escapasse: a esperança. Zeus dirigiu então a sua fúria contra o próprio Prometeu, mandando que Hefaístos e os seus serviçais Crato e Bia (o poder e a violência) acorrentassem o titã a um despenhadeiro do monte Cáucaso. Mandou ainda uma águia para devorar diariamente o seu fígado que, por ser ele um titã, regenerava-se sempre. O seu sofrimento prolongou-se por inúmeras eras, até que Hércules passou por ali e viu o sofrimento do gigante. Abateu a gigantesca águia com uma flecha certeira e libertou o prisioneiro das suas correntes. Entretanto, para que Zeus tivesse a sua vontade cumprida, o gigante passou a usar um anel com uma pedra retirada do monte. Assim, Zeus poderia sempre afirmar que Prometeu mantinha-se preso ao Cáucaso.

Pandora é a deusa da ressurreição. Ela por não nascer como a divindade é conhecida como uma semi-deusa. Pandora era uma humana ligada a Hades. Sua ambição em tornar-se a deusa do Olimpo e esposa de Zeus fez com que ela abrisse a caixa divina. Zeus para castiga-la tirou-lhe a vida. Hades com interesse nas ambições de Pandora, procurou as pacas (dominadoras do tempo) e pediu para que o tempo voltasse, sem permissão de Zeus; elas nada puderam fazer. Hades convenceu o irmão a ressuscitar Pandora e devido aos seus argumentos Zeus ressuscitou-a, dando-lhe a divindade que ela sempre desejara. Assim, Pandora tornou-se a deusa da ressurreição.

Para um espírito ressuscitar Pandora entrega-lhe uma tarefa; Se o espírito a cumprir ele ressuscita. Pandora com ódio de Zeus por ele a ter tornado uma deusa sem importância, entrega aos espíritos somente tarefas impossíveis. Assim nenhum espírito conseguiu e nem conseguirá ressuscitar.

Fonte:
Contos de encantar

Chuva de Versos n. 463


Uma Trova de Curitiba/PR
Vanda Alves


A saudade, simplesmente,
como vem logo se vai,
lembra bem o sol poente
no instante em que a noite cai.
-
Um Poema de Itajaí/SC
Samuel da Costa

SONHO MADRIGAL


Vem Pámela!
Dá-me a tua delicada mão!
Vamos juntos...
Vagar pelo infinito.

Dou-te todo meu imortal amor.
Toda a minha sagrada...
Devoção por ti...
Prometo dividir...
Os meus segredos mais profanos contigo...

Mas vem Pámela! Vem comigo!
E vem agora...
Não percamos mais tempo.
Quero-te agora e para sempre...

Vem amor da minha vida!
Pois quero me perder no infinito...
Dos teus olhos verdes!
Perder-me nos teus trigais cabelos.
Quero passear pela infinitude...
Do teu ser imortal.
Descobrir-te por inteira...
Desvendar o teu ser, sem pressa

Vem comigo Pámela!
Vem agora...
Vem para o teu mais devotado amor...
Vamos ouvir juntos...
Os sons nevoentos do madrigal à noite...
Desaparecer na nevoenta noite outonal.

Vem Pámela! Vem agora!
Da me a tua delicada mão.
E o teu corpo imortal por inteiro...
Pois quero amar-te.
Sob a luz da lua.
Descortinar teu ser imortal!
Pois quero ouvir os teus segredos
Mais sagrados...

Vem Pámela... Mas vem agora!
Vamos nos amar...
Da forma mais divina.
Vem comigo agora
Mas vem agora
Não percamos mais tempo
Pámela!
-
Uma Trova Hispânica do México
María Elena Espinosa Mata


Señor, mi fe te procura,
más es tal tu inmensidad
que me llena de amargura
no alcanzar tu eternidad
-
Um Poema de Fortaleza/CE
Francisco José Pessoa



Sou a força motriz do peregrino,
da jangada à deriva sou o norte,
a certeza que há vida após a morte
e que posso mudar qualquer destino.

Para a cura dos males sou suporte,
sou o oásis que alenta o beduíno,
o caminho que leva ao ser divino,
dos mais fracos eu sou o contraforte.

Sou a própria razão da confiança,
sementinha plantada na criança
que com o tempo traz seguridade.

Sou a fé que faz ver o homem cego
que transporta montanha isso eu não nego.
Sou a mãe da esperança e caridade.
-
Uma Trova de São José dos Campos/SP
Amilton Maciel Monteiro


Há um farol em teu olhar
que ilumina a minha vida;
sem ele (estou a cismar),
ficarei cego, querida!
-
Um Poetrix de Manaus/AM
Rosa Clement

 

borboleta

centro da cidade
a mariposa entra no ônibus
e passa pela borboleta
-
Um Poema de Belo Horizonte/MG
Clevane Pessoa

SAUDADANIA

   
Sou  co (r)po
donde transborda-se
água de rememória
-revivêncio-as adoçando-a.

Meu coração é ir (mão)
vem riscando morim
onde  borda-se
pétalas de jasmim.

Com as pétalas, faço chá
e bebo-o bem quente.
Com as formas dos contornos
traço a base
e com a agulha do desejo
bordo meu ponto de sombra(s)
ponto a ponto.
Mas nada apazigua a saudade
-água viva em caudal.
-
Trovadores que deixaram Saudades
Aparício Fernandes
RN ((1934 - 1996) RJ


Das culminâncias da serra
ao mais profundo grotão,
trago viva a minha terra,
dentro do meu coração!
-
Um Poetrix de Bambuí/MG
Pedro Cardoso

banzo


em noites frágeis
as pedras são mais duras.
diamantes pingam de meus olhos
-
Um Poema de Santos/SP
Marcial Salaverry

CONHEÇA SANTOS


Quem vem a Santos passear,
apenas a praia quer frequentar...
Seus jardins são passagem obrigatória...
Mas... E sua história?
Todos vão ao Aquário,
e também ao Orquidário...
Mas ficam sem a história conhecer,
e realmente, há muito que saber...
As ruínas encravadas na saída do túnel,
representaram na história seu papel...
O Panteão dos Andradas,
Outeiro de Santa Catarina,
locais conhecidos de poucos santistas,
que dirá dos turistas...
E fazem parte da história,
contam de Santos sua glória...
Igreja do Carmo, Alfândega de Santos,
e seus belos portões, tão lindos quando fechados,
mas isso apenas nos domingos e feriados...
Igreja do Valongo, quanta história nos conta...
Suas imagens com ouro e pedras preciosas engastadas,
tem proteção especial para não serem roubadas...
E o agora famoso prédio da Bolsa do Café...
Totalmente restaurado,
é um marco das glórias de um recente passado...
Quente ou gelado, toma-se o melhor café
que se pode provar no mundo...
Lá, a história foi preservada,
e totalmente respeitada...
Há que se visitar, para jamais esquecer...
O futebol também tem seu Museu,
exaltando as glórias do time do Pelé,
da cidade, o clube de fé.

Os jardins de Santos, além de sua beleza natural,
através de seus monumentos, também contam a história,
pois sempre lembram alguém que guardamos na memória...
Martins Fontes e seus cravos na lapela, sempre renovados,
Vicente de Carvalho, Bartolomeu, e tantos sempre lembrados...
E o passeio de bonde, não podemos deixar de fazer,
pois é uma linda volta ao passado, que não se deve esquecer...
Quando Santos novamente visitar,
venha também sua história honrar...
Não fique apenas na praia, e tenha a felicidade
de conhecer este outro lado de nossa cidade...
-
Uma Trova Humorística de São Paulo/SP
Therezinha Dieguez Brisolla

 

- Canta mal, essa "coroa"...
- Pois saiba que é minha tia.
- Se a música fosse boa...
- Pois é de minha autoria!
-
Um Poetrix de Andradina/SP
Marcos Bastos

demagogia


a_versão e o fato…
entre a voz e o ato
– há um hiato
-
Um Poema de Poços de Caldas/MG
Laércio Borsato

REMINISCÊNCIAS


A tarde agonizava! Calmamente sobre o lago,
Alongava-se a sombra de velhos pinheiros,
Onde o astro rei em suave afago,
Lançava seus raios nos beijos derradeiros...

Da janela da fazenda contemplava extasiado
Os deslumbrantes caprichos da natureza;
Enquanto folheava o livro do passado,
Relendo páginas de alegria ou tristeza.

Na primeira página, quanta singeleza!
Nela gravei com a alma inda em flor,
O romântico nome de Maria Teresa...
O meu primeiro e decantado amor!

Dei nos lábios da linda Marília
O meu primeiro beijo, longo e ardente...
Depois em longas noites de vigília,
Beijei, sob a saudade, sua boca ausente.

Cintia! Eu a conheci quando
Missionários visitavam Campestre...
Recordei Castro Alves e caminhando
Recitei um poema do grande mestre.

Vanessa... Com que orgulho relatava
Façanhas de seus antepassados!
Hoje lembro- me quanto abominava
Nosso romance de sustos e pecados.

Lourdinha trazia no fulgurante olhar
Arroubo de amor, êxtase, e nem sei!...
Fiz para ela uma canção popular
E versos de amor que nunca lhe mostrei.

Alice!...Seu vulto gracioso e pequeno
Chegou a minha vida de surpresa...
Na sua doce fala, no seu olhar sereno,
Inspirei muitos poemas de real beleza!...

Tantas vidas que em meu caminho
Deram alegrias e satisfações sem fim...
A elas dei na verdade, amor e carinho;
Sei que também se lembrarão de mim.

Talvez um dia apareça a predileta,
Com fulgor no olhar e brandura nos cílios...
Que acalentará minh’ alma de poeta
E será por certo a mamãe de meus filhos...

Enquanto espero vou levando a vida
Como Deus quer, como me ensinou a crer!
A cada fim de dia, uma missão cumprida,
Uma nova esperança a cada alvorecer!

(Faz. Pinheirinhos 1959)
-
Recordando Velhas Canções
A cigana
(1973)

Roberto Carlos e Erasmo Carlos


Na distância vi seu vulto desaparecer
Nunca mais seu rosto eu pude ver
Na distância vi seu vulto desaparecer
Nunca mais seu rosto eu pude ver
Uma vez você apareceu na minha vida
Eu não percebi você de mim se aproximar
Não sei de onde você veio e nem perguntei
Talvez de alguma estrada que eu ainda não passei
Seu olhar me disse tanta coisa num momento
Parecia que podia ler meu pensamento
E no seu sorriso mil segredos percebi
Então nos seus mistérios de repente me perdi
Minha mão você tomou nas mãos e conheceu
Minha vida inteira e o seu encanto me envolveu
Toda minha história leu nas linhas que mostrei
O que estava escrito e o meu amor eu lhe entreguei
Hoje você anda por lugares que eu não sei
Vive nos meus sonhos e nas lembranças que guardei
Disse tanta coisa quando leu a minha mão
Você só não previu a minha solidão
-
Uma Trova de Balneário Camboriú/SC
Eliana Ruiz Jimenez

 

Em pintura impressionista
    a primavera desponta:
   flores a perder de vista,
  cores de perder-se a conta.
-
Um Poema de Itajaí/SC
Vivaldo Terres

SEM PENSAR NO AMANHÃ


Quando a lembrança me tira a alegria,
E enche-me a alma e o coração de certa tristeza.
Fico pensando naquela que amei...
E que o amor entre nós era beleza!

Quantas lembranças das noites entre amigos,
Em que o céu estava todo estrelado,
E o luar com sua luz celeste,
Penetrava os corações dos casais...
Deixando-os cada vez mais apaixonados!

Ah! Como o tempo passa e não percebemos.
Esta velocidade sem pensar no amanhã...
Ontem era jovem cheio de vida e esperança!
Hoje nem sei, mais quem sou.
-
Um Poetrix do Rio de Janeiro/RJ
Lilian Maial

relógio


com o passar das horas
tudo o que bate
é saudade
-
Uma Trova de Porto Alegre/RS
Milton Souza

 

Como gato na água fria,
quando vê careca perto,
porco-espinho se arrepia:
pensa no escalpo, por certo.
-
Um Poema de Lisboa/Portugal
Mario Matta e Silva

PRANTOS DE FOGO


Nuvens de fumo caem como um manto
Sobre as labaredas altas e disformes
Que incendeiam qualquer alma desperta
Aos pés do cruzeiro o desencanto
Na capelinha reza-se de porta aberta.

É gigantesco o fogo que se espalha
Por quilômetros de mata, de arvoredo
Junto às casas grita-se em desespero
Querem defender seus bens e sua tralha
Que tudo se guarda com amor e esmero.

Corre a mãe com a criança ao colo
Num sufoco imenso feito de carinho
Fugindo assustada daquele braseiro
Saltam as fagulhas e é negro o solo
E a água é então o bem primeiro.

Andam os soldados da paz em sobressalto
De mangueiras em punho, água a jorrar
São os heróis da noite tumultuosa
Na serra agreste de pinheiros ao alto
E valados íngremes de forma caprichosa.

Defender as populações e seus abrigos
Defender seus animais e a sua lavoura
Com dias de canseira, de exaustão
Tendo como criminosos e inimigos
Os que ateiam o fogo pela própria mão.

Por essas aldeias fora há espanto e medo
Por todo o mês de Agosto de cada ano
Lá crescem os fogos, deixando cinza e temor
Levará longos anos a crescer o arvoredo
E a reconstruir as casas com lágrimas de dor.
-
Uma Trova de Belo Horizonte/MG
Olympio Coutinho


Ante as barreiras não paro
e minha crença eu não mudo:
- Que valor teria o claro
se não existisse o escuro?
-
Hinos de Cidades Brasileiras
Município de Barra/BA

 

Há dois séculos à foz do Rio Grande,
O arraial que Lancastro fundou,
Foi crescendo... o progresso se expande,
Em Vila Florescente se tornou.
A Vila de São Francisco das Chagas,
Da Barra do Rio Grande do Sul,
A mais gentil das ribeirinhas plagas,
De princesa vestiu manto azul.

Refrão

Salve terra de ilustres varões!
Vai avante na marcha em que estás,
À conquista de novos brasões,
Na ilustração, no trabalho e na paz.
Terra de ordem e de paz!

De índios mansos formando o arraial,
João Lancastro o futuro lhe aguarda,
Terra de ordem, de paz sem igual,
Sob o olhar do patrono que a guarda.

Pernambuco era então Capitania,
E alegrou-se com a vila recente
Que ao domínio passou da Bahia,
Prosseguindo em sua rota ascendente.

Da Serra da Canastra à Cachoeira,
De Paulo Afonso ouve-se um brado forte,
É a voz do São Francisco em sua carreira,
Chamando os filhos seus de sul a norte.

Agora novo século se anuncia,
Estejamos a postos na vanguarda,
Do progresso, barrenses, com ufania,
Sob o olhar do patrono que nos guarda.

Bendito seja, pois, o sol nascente,
Do novo centenário promissor,
Advento feliz à nossa gente,
Transfigurada na glória do Tabor.

Sobre louros passados, não é justo
Que fiques, ó Princesa, adormecida,
O Príncipe do Progresso, sem custo,
Vai despertá-la pra nova vida.
-
Um Poetrix de Novo Hamburgo/RS
Denise Severgnini

Chopin

 

Numa valsa de um minuto,
Noturno em “tristesse”
Sonatas dissonantes em mim!
-
Um Poema do Rio de Janeiro/RJ
Luiz Poeta
(Luiz Gilberto de Barros)

AUSÊNCIAS VIRTUAIS


Muitas vezes, o amor que a gente sente
É carente de outro amor que nos complete,
Esse amor não se conquista na internet,
Ele é nobre, natural e transigente.

Nosso amor não é só troca de presentes,
Ele é muito mais que isto, é compreensão
De quem pode perceber que a emoção
Não suporta sentimentos dependentes.

Quem exige afeição, é egoísta
Pois só pensa em si mesmo e nem percebe
Que o amor é como um vinho se bebe,
Sem nenhuma intenção exclusivista.

Que adianta tanta vã filosofia
De quem nunca compreende que o amor
Partilhado, é como o pólen de uma flor
Que abençoa quem o quer por companhia.

Quem quiser testar o amor, busque a saudade
Dos momentos mais felizes de alguém
Que um dia demonstrou um querer bem,
Sem querer mostrar o que é felicidade.

Quando a falta desse alguém é derradeira,
Sem retorno, todo aquele que se deixa
Dominar pelo rancor, e que faz queixa
Da presença virtual... tão passageira...

Pouco a pouco compreende que a razão
Submete-se às trapaças do egoísmo
Passional e vê que o seu inconformismo
Não entende de verdade um coração.

Filosofa-se, comenta-se, questiona-se
Sobre ausências, sem sequer imaginar
Que esse ausente sempre vem nos visitar
E que só por nos lembrar... emociona-se.
-
Uma Trova de Bragança Paulista/SP
Marina Valente


Dama da noite, de branco,
com as vestes de cetim,
enfeita à noite o barranco
transformando-o num jardim.

Clarice Lispector (Suíte da primavera suíça)

Inverno de Berna em túmulo a se abrir – e eis o campo, eis mil ervas. Folhas novas, folhas, como vos separar do vento. Um espirro e depois outro, espirros da primavera, resfriada e atenta atrás da vidraça. Fios de aranha nos dedos, o poço revelado no jardim – mas que perfume de aço novo vem das miúdas flores amarelas e amarelinhas. Folhas, folhas, como vos separar da brisa.

Onde me esconder nesta aberta claridade? Perdi meus cantos de meditação. Mas se ponho vestido branco e saio. . na luz ficarei perdida – e de novo perdida – e no salto lento para o outro plano de novo perdida – e como encontrar nesta minha ausência a primavera? Rosa, passa a ferro o meu vestido mais negro. Nestes planos da calma sucessiva – e mais no outro – e mais no outro – serei o único eu possível, apenas móvel num século e no outro século e no outro século desta limpidez silenciosa, oh inóspita primavera. Ou talvez corra por esta nova época – atravessando esse novo mundo sem caminhos – com mil espirros brilhantes e mil ervas. Pararei ofegante só onde me bater o coração, único marco no teu vazio, primavera: eu de preto e tu de ouro, eu com uma flor no cabelo, tu com mil flores nos cabelos e assim nos reconheceremos. Ainda para nos reconhecermos, segurarei um livro na mão e na outra tanta hesitação, sou alta e resfriada: me reconhecerás pelo lenço e pelos espirros. E no meio deste odioso céu vazio, que respiro, que respiro – te reconhecerei pelo teu cego vento e pela minha orgulhosa floração de espirros.

Nesta dormente primavera, no campo o sonho das cabras. No terraço do hotel o peixe no aquário. E nas colinas o fauno solitário. Dias, dias, dias e depois – no campo o vento, o sonho impudente das cabras, o peixe oco no aquário – tua súbita tendência primaveril ao roubo, e o fauno já corado em saltos solitários. Sim, mas até que venha o verão e amadureça para o outono cem mil maçãs. Como a fruta e jogo fora a metade, nunca tive piedade na primavera. Bebo água direto na fonte da rua, não enxugo a boca com o lenço, perdi o lenço e perdi o inverno, nada lamento, nunca tive piedade na primavera. De algum modo olho pelo buraco da fechadura e vou visitar-te na hora sagrada de teu sono, nunca tive piedade na primavera. Quanto à piscina, fico horas na piscina, estremecendo aos últimos frios do inverno estremecendo aos primeiros frios das folhas. Olha só a piscina! Olho, áspera. Nunca tive piedade na primavera.

A insônia levita a cidade mal iluminada, não há porta fechada nem janela sem luz. Que esperam? Esperam. Os cinemas já quentes estão vazios. Em torno das lâmpadas das ruas a germinação. A última neve há tanto tempo se derreteu. A margem do rio, a invasão dos casais sentados junto a mesas, algumas crianças sonolentas no colo, outras adormecidas na dureza da calçada. As conversas são cansadas. O pior é essa leveza desperta, as lanternas das ruas de Berna zumbindo de pernilongos. Ah, como, mas como andamos. Poeira nas sandálias, nenhum destino.

Não, não está ficando bom. Ah, eis enfim a Catedral, o abrigo, a escuridão.

Mas a Catedral está quente e aberta.

Cheia de Mosquitos.

Fonte:
Clarice Lispector. A Descoberta do mundo.

domingo, 16 de outubro de 2016

Trova 275 - A. A. de Assis


Lenda do Moçambique (Lenda do Rato e do Caçador)

Antigamente havia um caçador que usava armadilhas, abrindo covas no chão. Ele tinha uma mulher que era cega e fizera com ela três filhos. Um dia, quando visitava as suas armadilhas, encontrou-se com um leão:

"Bom dia, senhor! Que fazes por aqui no meu território?" (perguntou o leão)

"Ando a ver se as minhas armadilhas apanharam alguma coisa", respondeu o homem.

"Tu tens de pagar um tributo, pois esta região pertence-me. O primeiro animal que apanhares é teu e o segundo é meu e assim sucessivamente".

O homem concordou e convidou o leão a visitar as armadilhas, uma das quais tinha uma presa, uma gazela. Conforme o combinado, o animal ficou para o dono das armadilhas. Passado algum tempo, o caçador foi visitar os seus familiares e não voltou no mesmo dia. A mulher, necessitando de carne, resolveu ir ver se alguma das armadilhas tinha presa. Ao tentar encontrar as armadilhas, caiu numa delas com a criança que trazia ao colo. O leão que estava à espreita entre os arbustos, viu que a presa era uma pessoa, e ficou à espera que o caçador viesse para este lhe entregar o animal, conforme o contrato.

No dia seguinte, o homem chegou a sua casa e não encontrou nem a mulher nem o filho mais novo. Resolveu, então, seguir as pegadas que a sua mulher tinha deixado, que o guiaram até à zona das armadilhas. Quando aí chegou, viu que a presa do dia era a sua mulher e o filho. O leão, lá de longe, exclamou ao ver o homem a aproximar-se:

"Bom dia amigo! Hoje é a minha vez! A armadilha apanhou dois animais ao mesmo tempo. Já tenho os dentes afiados para os comer!"

"Amigo leão, conversemos sentados. A presa é a minha mulher e o meu filho."

"Não quero saber de nada. Hoje a caçada é minha, como rei da selva e conforme o combinado", protestou o leão.

De súbito, apareceu o rato.

"Bom dia titios! O que se passa?", disse o pequeno animal.

"Este homem está a recusar-se a pagar o seu tributo em carne, segundo o combinado." Respondeu o leão.

"Titio, se concordaram assim, porque não cumpres? Pode ser a tua mulher ou o teu filho, mas deves entregá-los. Deixa isso e vai-te embora", disse o rato ao homem.

Muito contrariado, o caçador retirou-se do local da conversa, ficando o rato, a mulher, o filho e o leão.

"Ouve, tio leão, nós já convencemos o homem a dar-te as presas. Agora deves-me explicar como é que a mulher foi apanhada. Temos que experimentar como é que esta mulher caiu na armadilha" (e levou o leão para perto de outra armadilha). Ao fazer a experiência, o leão caiu na armadilha. Então, o rato salvou a mulher e o filho, mandando-os para casa.

A mulher, vendo-se salva de perigo, convidou o rato a ir viver para a sua casa, comendo tudo o que ela e a sua família comiam. Foi a partir daqui que o rato passou a viver em casa do homem, roendo tudo quanto existe...

Fonte:
Contos de Encantar

Gaveta de Haicais n. 10

1
Vejo um joão-de-barro
bem no alto da paineira.
Usa a tabatinga...
Agostinho José de Souza
2
No céu cintilante
mil vaga-lumes brincando:
mil sonhos vagando
Aída Godinho
3
No mar e nos rios
o pescador faz seu dia
com redes e anzóis.
Alba Christina
4
Cheirinho de infância
lembrando aqueles
quintais... Flor de goiabeira.
Alda Corrêa M. Moreira
5
trânsito parado
os mesmos olhares
e ninguém se olha
Alice Ruiz
6
Mãe força a comer,
a criança empurra o prato.
Brócolis no chão...
Analice Feitoza de Lima
7
primavera se vai
descem do céu num instante
o sol e a pipa
Antônio Rogério de Lima
8
Do lado da casa
goiabeira se flore de branco.
Sombras no rio.
Carlos Roque B. de Jesus
9
Festa na fazenda.
No ikebana enfeitando
flores de café...
Cícero Campos
10
Ternos ruídos:
borboletas celebram
a primavera
Corinne Marian
11
Enxameando os fios,
juntinhas, as andorinhas
namoram o estio.
Cyro Armando Catta Preta
12
Da sacada ecoa
o canto de um sabiá.
E eu saio atrasado...
Darly O. Barros
13
na ranhura da pedra
esquecida pelo vento
uma flor de lótus
Dasso
14
Criança assustada
luz acesa no quarto
gatos no telhado.
Devanil José da Silva
15
Senhoras conversam;
uma rã pula na sala.
Gritos de pavor!
Djalda Winter Santos
16
Nos buquês verdinhos,
bailam gotinhas de orvalho...
Brócolis fresquinhos!
Elen de Novais Felix
17
No dedo a aliança...
No estojo, um papel antigo:
correio elegante!
Ercy M. M. de Faria
18
Sobre o estendal
A cerejeira prepara
O amanhecer
Eugénia Tabosa
19
Foi tao rica a safra!
Até os arrozais se curvam
Em reverencia.
Eunice Arruda
20
Sair do protocolo
Contornar a mesmice
Bancar o vôo solo.
Gabriela Marcondes
21
Manhã enevoada. No pasto,
as pernas trêmulas,
o potrilho branco...
Guin Ga
22
Sob as cobertas
em plena escuridão
ouço um galo!
Gustavo Alberto Corrêa Pinto
23
Bate breve o gongo.
Na amplidão do templo ecoa
o som lento e longo.
Helena Kolody
24
A araponga canta
no meio da passarada
que agita a manhã.
Heloísa S. Brandão
25
Um sonho infantil
passando diante de mim...
Bolha de sabão...
Hermoclydes S. Franco26
Codorna assustada
voa espantando o potrilho.
Surpresas no pasto.
Héron Patrício27
No jardim sombreado,
de chapeuzinho vermelho...
- Sálvia adormecida.
Humberto Del Maestro
28
Tartaruga, sábia,
recolhida em sua concha,
leva longe a vida.
Jacy Pacheco
29
estrada florida
os passos vão devagar
junto com a brisa
José Marins
30
Nem tudo são flores
nos meses de primavera.
Voam marimbondos...
Leila Miccolis
31
Do ninho, azulão bate asas
voando em vaivém...
Filhotes aprendem...
Leonilda H. Justus
32
Chove: chia a chuva
    E, de chofre, o chão enxuto.
    Encharca-se e se enxágua.
Luis Antônio Pimentel
33
Morreu a velha árvore...
Ressurreição! Dos seus troncos
foram feitos berços...
Lyad de Almeida
34
À nobreza, o prato
servido do pobre brejo.
Rã apetitosa!
Marcelino R. de Pontes
35
Gatinho sem mãe...
Mia tanto o pobrezinho!
Meu coração dói!...
Maria Madalena Ferreira
36
Junto com meu filho,
também sonho colorido:
bolhas de sabão...
Mariemy Tokumu
37
Não é segredo.
Somos feitos de pó, vaidade,
E muito medo.
Millôr Fernandes
38
Desapareceram
imperfeições no telhado.
Buganvília em flores.
Neide Rocha Portugal
39
Gaiola entreaberta...
Sabiá célere voa.
menino soluça!
Olga dos Santos Bussade
40
Comemoração
do Dia do Pescador.
Peixada em família.
Renata Paccola
41
até sem veste
nunca se deixa nua
a cigarra só se despe
Ricardo Akira Kokado
42
Abrindo um sorriso,
agradece ao mensageiro.
Correio elegante.
Roberto Resende Vilela
43
Na paisagem verde
destaca-se a buganvília...
explosão de cor!
Santos Teodósio
44
Tarde em Tambaú
Restos de nuvens
São bailados de andorinhas.
Saulo Mendonça
45
Na beira do lago pregando
susto em quem pesca
saltitam as rãs.
Sérgio Bernardo
46
Lanternas quebradas
pirilampos precavidos
não vagam na noite.
Urhacy Faustino
47
O branco singrando
as águas do lago. Mágoas
sangram até quando?
Waldomiro Siqueira Jr.
48
Sombrios chorões. Crianças
brincam nas sombras.
Um vovô atento.
Yedda Ramos Maia Patrício

Aparecido Raimundo de Souza (Sufoco)

   
Tibúrcio Carequinha, o mais novo louco do pedaço, havia chegado de outro sanatório não fazia uma semana. Viera transferido, pois aprontara além dos limites e o diretor não aguentava mais olhar para a cara dele. O sujeito não parecia um doido desses que se veem todos os dias, ao contrário, às vezes fazia coisas de gente normal, noutras perdia o controle e mordia os próprios olhos, arrancando da boca uma velha dentadura, e, com ela, dando a entender que mastigava os órgãos da visão como se tivesse saboreando um delicioso naco de carne. Tão logo se viu solto, no pátio, para o banho de sol, junto com os demais internos, achou, no chão, não se sabe como (talvez por descuido de algum funcionário), uma dessas facas enormes de cozinha, bem afiada, jogada num canto, perto do portão que acessava um imenso jardim. De posse dela, o primeiro que cruzou na frente resolveu correr atrás. O infeliz era o Benedito Torrado, um sujeitinho boa praça, que prestava serviços na enfermaria. Tibúrcio correu para cima dele, a arma na mão, atitude ameaçadora.

— Em guarda! Vou te pegar para fazer picadinho!


Benedito Torrado, ao se deparar com o sujeito vindo em sua direção jogou para o alto umas caixas de remédios que trazia e danou a correr e a gritar:— Socorro, pelo amor de Deus, alguém me ajude!

O alerta chamou a atenção dos demais. O pátio inteiro, repleto de doentes, se transformou numa plateia muda e indiferente, cheia de rostos desfigurados, a maioria com a boca aberta, alguns babando, outros dialogando como vento, mas, no geral, todos sem denotar um pingo de calor humano.

Na verdade Benedito estava desesperado, temeroso, as faces petrificadas, as pernas bambas. Tibúrcio não queria saber de nada. Com a faca na mão esquerda, dava a impressão, não de um louco varrido, mais se assemelhava a um animal sanguinário à cata da sua presa.

— Por tudo quanto é mais sagrado: alguém faça alguma coisa!

Os que trabalhavam em outros pavilhões, bem como os da administração, pararam com seus afazeres, levados pelo clamor dos berros de Tibúrcio, e, mais ainda, pelo sufoco do pobre do enfermeiro. Sem exceção, todos arregaçaram as mangas e se puseram a acudir, ou pelo menos tentar obstacular que o aloprado transformasse o desditoso numa vítima fatal.

De um minuto para outro, uma pequena multidão corria, estabanada, de um lado para outro, na esperança de deter o desmiolado do Tibúrcio. Todavia, a criatura, com a arma empunhada, se esquivava ligeira, arisca, ao tempo que desenhava golpes no ar, e, por essa razão, não havia quem ousasse chegar muito perto. O diretor geral foi acionado. Largou o café e voou para o hospital. Enquanto isso, nada parecia deter Tibúrcio e a sua faca de lâmina afiada.

— Vou te pegar! Vou te pegar!

A cena, não fosse por demais hilariante, poderia até ser filmada,e, certamente, daria uma boa vídeo– cacetada, num desses programas de televisão onde seus apresentadores fazem chacota e ganham ibope exibindo as mazelas de seus consanguíneos, tirando, claro, a agonia do enfermeiro com Tibúrcio grudado nas costas dele, rindo, gesticulando e fazendo caretas esquisitas. A galera tentava, em vão, botar as mãos no maluco, mas o desgraçado demonstrava uma agilidade com as pernas e um raciocínio muito rápido e acima de qualquer suspeita. Benedito Torrado, por seu turno, não aguentava mais lutar, ou melhor, correr em círculos, voltando sempre ao mesmo ponto de partida, sem achar uma saída segura. Sentia que a vida estava por um fio, que os seus trinta anos andavam prestes a ser arrancados pelo corte certeiro de uma faca de cozinha nas mãos de um débil mental completamente fora de si.

Atônito e sem saída, se debulhava em lágrimas copiosamente.Quase sem ar, urinara nas calças e não via como se livrar daquela figura hostil que, a cada minuto, mais e mais se aproximava, para lhe desfechar o golpe de misericórdia.Certo que não morreria só. A turma de amigos, o diretor, a secretária do diretor, os estagiários da seção de informática e até dois seguranças se puseram em auxílio, mas ninguém, na verdade, se atrevia a peitar Tibúrcio e lhe tomar a coragem que carregava na mão fortemente armada pela presença fatídica da faca assassina. Acionaram a polícia militar. Dezoito soldados fortemente armados partiram para o hospício.

— Nada de revólveres. Esse Zé Mané é apenas um louco. Não atirem, por favor…

O médico psiquiatra também deu as caras assim que telefonaram para o consultório dele:

— Doutor, o que fazemos?

— Tragam a camisa de força.

— Sem violência.

— Sem violência? E o que é que estamos assistindo aqui? Por acaso os dois mocinhos ali resolveram brincar de pega-pega?

Completamente baqueado e sem forças, finalmente o louco do Tibúrcio conseguiu encurralar o Benedito Torrado num canto em que não havia por onde escapar. Ou o cidadão morria de susto ou se deixava matar. Foi exatamente nessa hora que o enfermeiro perdeu o controle, a compostura, a vergonha. Vendo Tibúrcio, a dois passos dele, a faca reluzindo apontada em sua direção, caiu de joelhos e implorou:

— Não me mate, amigo. Não me mate. Não lhe fiz nada. Leve em conta que tenho mulher e uma filhinha com menos de uma semana de vida para criar.

Na cauda de Tibúrcio uma massa de amedrontados estancara, sem ação, parada, colada ao chão, estática, sem respirar. Nem a polícia que deveria entrar em ação teve o bom senso de fazer alguma coisa útil que colocasse um fim definitivo naquele martírio.

Aconteceu, então, o inesperado, o imprevisível. Tibúrcio entregou a faca na mão trêmula do enfermeiro, e, na maior cara de pau, disse para o desgraçado:

— Tome. Agora é a sua vez. Eu saio desembestado e você dispara nos meus calcanhares!

Fonte:
SOUZA, Aparecido Raimundo de. Parada de Sucessos. SP: Ed. Sucesso, 2012.

sábado, 15 de outubro de 2016

Dáguima Verônica (Grinalda de Haicais) V


Lenda do Moçambique (A Lenda do Coelho)

Houve um tempo em que não chovia e os animais estavam a morrer de muita sede. Então, resolveram todos se reunir a fim de solucionar o problema. O coelho recusou-se a participar das tentativas de encontrar água. Os outros animais, cavaram, cortaram árvores, até que, uma tartaruga encontrou água, suficiente para formar uma pequena lagoa. Fizeram logo uma festa, tocaram batuque durante três semanas, pois não sentiriam mais sede.

O leão sugeriu que não deixassem o coelho beber a água deles e todos concordaram. Quando os animais saíram para a caça, deixaram a gazela tomar conta da lagoa. Sentindo sede, o coelho colocou mel dentro de uma cabaça, foi até à gazela e chamou-a. A gazela perguntou quem era e o que queria. O coelho respondeu que lhe trouxera mel de presente. Sem saber o que era o mel, o coelho convenceu que ela provasse. Ela gostou tanto que implorou mais ao coelho. Este, então, lhe disse que ela ainda não havia sentido todo o sabor do mel, pois isso só aconteceria se ela o comesse atada a uma árvore.

Dessa forma, a gazela deixou-se amarrar. O coelho não deu mais mel à gazela e, ainda, foi à lagoa beber água e tomar banho, sujando toda a lagoa. Quando chegaram os outros animais, repreenderam a gazela e puseram o macaco de guarda.

No dia seguinte, o coelho, novamente, chamou o macaco e este respondeu que não perdesse o seu tempo, pois todos os seus artifícios já eram conhecidos. O coelho disse que era uma pena, pois trazia consigo uma coisa muito saborosa, e fingiu ir-se embora. O macaco pediu para ver ao menos do que se tratava. O coelho passou um pouco de mel em seus lábios e o macaco ficou maravilhado com o sabor. Quando o macaco implorou mais um pouco, o coelho disse-lhe que não poderia dar-lhe, pois tinha medo que depois ele o seguisse para descobrir onde ele obtinha o mel. O macaco jurou que não faria isso e o coelho pediu-lhe, como prova, que o deixasse atar-lhe a uma árvore.

Louco pelo mel, o macaco permitiu, repetindo-se com ele o mesmo que com a gazela. Ao retornarem, os animais ficaram enfurecidos. O mesmo sucedeu com o búfalo, o hipopótamo, o elefante e com os demais bichos, deixando o leão desesperado. Até que a tartaruga ofereceu-se para ficar de guarda. Ela, então, resolveu ficar de vigia dentro da lagoa, escondendo-se debaixo da água.

Chegando à lagoa, o coelho pensou que os outros tivessem desistido de enfrentá-lo. Entrou na lagoa e fez a festa. Quando ia sair da água, a tartaruga agarrou-lhe a perna. Ele implorava que a tartaruga lhe largasse a perna e ela nada. Quando os outros animais retornaram, ficaram muito contentes, julgando o coelho e condenando-o à morte.

O condenado exigiu o seu direito a uma última vontade: ser executado ao colo da mulher do chefe. No momento em que ia atirar uma seta, o coelho começou a fazer gracinhas, fazendo-a rir e errar o alvo, acertando na mulher do chefe, possibilitando a fuga do coelho. Por isso, todos os animais o procuram, a fim de executa-lo. Desde então, têm-se visto o coelho, sempre sozinho, correndo de um lado para o outro, aos saltos e aos ziguezagues.

Fonte:
Contos de Encantar

Miguel Russowsky (Baú de Trovas)



1
A humanidade até gosta
de não saber a verdade,
quando a mentira, bem posta,
lhe trouxer felicidade.
2
A saudade às vezes fala,
e até grita - quem diria? -
quando a rede, a sós, se embala
numa varanda vazia.
3
A vila reza, orvalhada,
tendo o sol por capelão...
- Homem no cabo da enxada
é uma espécie de oração!
4
A vingança do chulé
não lavado há vinte dias,
é deixar meias em pé
mesmo que estejam vazias!
5
Chora a chuva na vidraça...
chora o vento em frenesí
e a solidão, por pirraça,
está dizendo:- Eis-me aquí!
 6            
  Chove e não vens... a tristeza
faz escurecer meu dia
e a solidão - vela acesa -
em silêncio me alumia.
7
Como cultivo amizades
e sou bom agricultor,
irão escrever: "SAUDADES",
na campa aonde eu me for.
8
Cupido avisa aos poetas
e também aos namorados
que seus estoques de setas
foram todos renovados!
9
Cupido sempre intercala
alguma perda em desejos:
se me beijas... perco a fala;
se me falas... perco os beijos!
10
Dos fados em que sou réu,
há sucessos tão estranhos...
Chego a ver o azul do céu
morar em olhos castanhos...
11
Dou às trovas que componho
tempo, amor, astúcia, empenho,
mais as asas do que sonho...
Mais não dou, porque não tenho.
12
Enquanto a nau Esperança
singrar os mares da vida,
minha Quimera não cansa
e nem se dá por vencida.
13
Este dístico singelo
a verdade satisfaz:
caneta, arado e martelo
são os arautos da paz.
14
Estrofes são caravelas
que singram os pensamentos.
Com as rimas, faço as velas,
com as sílabas, os ventos.
15
Estudo trovas a fundo,
mas persisto na suspeita,
que a trova melhor do mundo
até hoje não foi feita.
16
Flerte, romance de olhares
dizendo, em forma elegante
mil promessas de luares
traduzidas num instante.
17
Há balanços conflitantes
em vidas fúteis e loucas:
os outonos são bastantes
e as primaveras bem poucas.
18
Meu cupido é deus macabro,
põe milagres no lampejo.
Não estás, se os olhos abro...
fecho os olhos e te vejo.
19
Na blusa prendes a rosa
à altura do coração.
Como pode ser viçosa
uma flor sobre um vulcão?
20
– Não bebo mais!… – diz o Souza,
com intentos bons e plenos.
Discorda deles a esposa:
– Não bebe mais … e nem menos!
21
Naquele amor que resiste
às invernias da idade,
a lembrança é órfão triste
nos asilos da saudade.
22
Na trova, às vezes, invento
emoções e não as sinto.
Mas creia no meu talento,
sou sincero quando minto!
23
Nesta vida hostil e azeda
e desespero sem par,
rogo a Deus que me conceda
a coragem de sonhar.
24
Ninho de felicidade
com gravetos de ilusão,
se faz com facilidade
mas tem curta duração.
25
O amor no moço é fogueira,
em ardente combustão,
mas no velho é uma lareirta
com mais cinzas que carvão.
26
O papel é a carruagem
que eu dirijo da boleia.
Tomo as rédeas da viagem
dando açoites numa ideia.
27
O poema é luz imensa
que se espalha em frenesi.
Por isso o poeta pensa
ter um deus dentro de si.
28
O silêncio às vezes fala
de saudades - Quem diria!
quando a rede, a sós, se embala
numa varanda vazia.
29
Os murmúrios das gaivotas,
em noites de lua cheia,
são canções deixando as notas
nas pautas brancas da areia.
30
O tamanho dos abismos
que puseste em nossas vidas
não se mede em algarismos
mas em lágrimas vertidas.
31
O tempo escreve a seu gosto
no passar do dia a dia,
muitas rugas no meu rosto,
mas... tem má caligrafia.
32
O tempo não traz perigo
à verdadeira amizade.
Quem não é mais teu amigo,
jamais o foi de verdade.
33
Pelas ciladas que trama,
a Insônia é mulher-perigo:
– marca encontro em minha cama,
mas não quer dormir comigo!
34
Pela vida me foi dado
um conselho em que me alerto:
antes rir desafinado
que soluçar no tom certo.
35
Quanto mais o tempo avança,
mais eu fico a perceber
que a saudade é uma lembrança
que se esqueceu de morrer.
36
Quatro versos num estojo,
mas além desta embalagem,
a trova deve, em seu bojo,
comportar uma mensagem.
37
Ser caule, flor ou ser folha
não é sorte nem é sina,
pois de antemão tal escolha
se fez por ordem divina.
38
Se te serves de mentiras
para cresceres em ganho,
é bom que logo confiras
que encurtaste no tamanho!
39
Sob o sol, a voz do arado,
no início da semeadura,
vai anunciando o noivado
entre o suor e a fartura.
40
Tendo à mão uma caneta
mais o empenho a manejá-la,
vou mesmo a qualquer planeta
sem sair daqui da sala.
41
Vai para o mar a jangada
tendo um sonho por escolta.
Volta sem peixes, sem nada,
nem o sonho traz de volta.

Miguel Russowsky (1923 - 2009)

MIGUEL KOPSTEIN RUSSOWSKY, filho de Jacob Russowsky e de Eva Russowsky, nasceu em 21 de junho de 1923,  em Santa Maria,  no Rio Grande do Sul. Casou-se com Vitória Toaldo Russowsky e teve quatro filhos: Leila Brunoni, June Braganholo, Miguel Igôr Russowsky e Silvia Herter.

Cursou o primário na Escola São José, em Jaguari e o secundário no Colégio Estadual Santa Maria (Maristas), entre 1933 e 1940 (pré-médico).

Em 1940 entrou na medicina URGS e formou-se em 1946, aos vinte e três anos em Porto Alegre. Exerceu clínica e cirurgia geral durante os últimos 50 anos de profissão, sempre pela medicina livre, sem vínculos empregatícios.

Livros publicados: Céu de Estrelas – 1951 (reeditado); O Julgamento de Tiradentes – 1980 (peça teatral); O Segredo do Pântano – 1983 (peça encenada pelo Grupo Teatral Eugênio Marcheti, de Herval  d´Oeste); Poesias Melancólicas – 1994; Noite de Lua – 1996; Cadeira de Balanço - 1998; Confeitos de quimera – 2000; Cantares de um vulcão quase extinto – 2005

Além de sonetos e poemas, Russowsky também  produzia  excelentes Trovas líricas, humorísticas, patrióticas, religiosas. Sua inspiração  privilegiada não conhecia limites. Suas poesias foram exaustivamente publicadas em jornais, revistas, boletins, antologias etc  e divulgados  em programas radiofônicos e televisivos.  Conquistou mais de 400  prêmios literários no Brasil e no exterior.

Sócio fundador do Lions Clube de Joaçaba - SC.

Membro da Academia Catarinense de Letras;

Diretor Literário da SCAJHO – Sociedade de Cultura Artística   Joaçaba e Herval d´Oeste;

Era proprietário do Hospital São Miguel, o maior e mais bem aparelhado da região  e do Hotel Jaraguá, em  Joaçaba, SC.

Faleceu no dia 3 de outubro de 2009, de acidente automobilístico.

Clarice Lispector (Dies irae)

Amanheci em cólera. Não, não, o mundo não me agrada. A maioria das pessoas estão mortas e não sabem, ou estão vivas com charlatanismo. E o amor, em vez de dar, exige. E quem gosta de nós quer que sejamos alguma coisa de que eles precisam. Mentir dá remorso. E não mentir é um dom que o mundo não merece. E nem ao menos posso fazer o que uma menina semiparalítica fez em vingança: quebrar um jarro. Não sou semiparalítica. Embora alguma coisa em mim diga que somos semiparalíticos. E morre-se, sem ao menos uma explicação. E o pior – vive-se, sem ao menos uma explicação. E ter empregadas, chamemo-las de uma vez de criadas, é uma ofensa à humanidade. E ter a obrigação de ser o que se chama de apresentável me irrita. Por que não posso andar em trapos, como homens que às vezes vejo na rua com barba até o peito e uma bíblia na mão, esses deuses que fizeram da loucura um meio de entender? E por que, só porque eu escrevi, pensam que tenho que continuar a escrever?

Avisei a meus filhos que amanheci em cólera, e que eles não ligassem. Mas eu quero ligar. Quereria fazer alguma coisa definitiva que rebentasse com o tendão tenso que sustenta meu coração.

E os que desistem? Conheço uma mulher que desistiu. E vive razoavelmente bem: o sistema que arranjou para viver é ocupar-se. Nenhuma ocupação lhe agrada. Nada do que eu já fiz me agrada. E o que eu fiz com amor estraçalhou-se. Nem amar eu sabia, nem amar eu sabia. E criaram o Dia dos Analfabetos. Só li a manchete, recusei-me a ler o texto. Recuso-me a ler o texto do mundo, as manchetes já me deixam em cólera. E comemora-se muito. E guerreia-se o tempo todo. Todo um mundo de semiparalíticos. E espera-se inutilmente o milagre. E quem não espera o milagre está ainda pior, ainda mais jarros precisaria quebrar. E as igrejas estão cheias dos que temem a cólera de Deus. E dos que pedem a graça, que seria o contrário da cólera.

Não, não tenho pena dos que morrem de fome. A ira é o que me toma. E acho certo roubar para comer. – Acabo de ser interrompida pelo telefonema de uma moça chamada Teresa que ficou muito contente de eu me lembrar dela. Lembro-me: era uma desconhecida, que um dia apareceu no hospital, durante os quase três meses onde passei para me salvar do incêndio. Ela se sentara, ficara um pouco calada, falara um pouco. Depois fora embora. E agora me telefonou para ser franca: que eu não escreva no jornal nada de crônicas ou coisa parecida. Que ela e muitos querem que eu seja eu própria, mesmo que remunerada para isso. Que muitos têm acesso a meus livros e que me querem como sou no jornal mesmo. Eu disse que sim, em parte porque também gostaria que fosse sim, em parte para mostrar a Teresa, que não me parece semiparalítica, que ainda se pode dizer sim.

Sim, meu Deus. Que se possa dizer sim. No entanto neste mesmo momento alguma coisa estranha aconteceu. Estou escrevendo de manhã e o tempo de repente escureceu de tal forma que foi preciso acender as luzes. E outro telefonema veio: de uma amiga perguntando-me espantada se aqui também tinha escurecido. Sim, aqui é noite escura às dez horas da manhã. É a ira de Deus. E se essa escuridão se transformar em chuva, que volte o dilúvio, mas sem a arca, nós que não soubemos fazer um mundo onde viver e não sabemos na nossa paralisia como viver. Porque se não voltar o dilúvio, voltarão Sodoma e Gomorra, que era a solução.

Por que deixar entrar na arca um par de cada espécie? Pelo menos o par humano não tem dado senão filhos, mas não a outra vida, aquela que, não existindo, me fez amanhecer em cólera.

Teresa, quando você me visitou no hospital, viu-me toda enfaixada e imobilizada. Hoje você me veria mais imobilizada ainda. Hoje sou a paralítica e a muda. E se tento falar, sai um rugido de tristeza. Então não é cólera apenas? Não, é tristeza também.

Fonte:
Clarice Lispector. A Descoberta do mundo.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Dáguima Verônica (Grinalda de Haicais) IV


Conto do Egito (Khufu e o mago Djedi)

O príncipe Djedefhor levantou-se para Falar: "Até agora, a tua majestade só ouviu historias sobre prodígios efetuados por homens sábios de outros tempos. E impossível saber se essas histórias são verdadeiras ou falsas. Mas o que se poderá dizer sobre os feitos de um homem deste tempo que a tua majestade não conhece?"

E sua majestade disse: "Que feitos são esses, meu £ilho?"

Respondeu Djedethor: "Existe um homem chamado Djedli que mora em Djedseneferu. Tem cento e dez anos de idade, come quinhentos pães, metade de um boi e cem jarros de cerveja, e sabe recolocar uma cabeça separada do corpo, fazer um leão caminhar calmamente atrás dele e ainda sabe o número das câmaras secretas do santuário de Toth."

Ora a majestade do rei Khufu,  sempre quisera saber o número dessas câmaras, a fim de reproduzi-las no seu horizonte. Por isso, mandou que Djedefhor fosse buscar Djedi.

Logo que os barcos de viagem ficaram prontos, Djedefhor partiu da residência real e viajou para sul, rumo a Djedseneferu,  subindo o Nilo. Quando os barcos chegaram à margem, ele seguiu pela estrada sentado numa liteira com varais de ébano cobertos por folha de ouro.

Quando chegou a casa de Djedi, a liteira foi baixada para terra. Então ele levantou-se para saudar Djedi, que estava sentado sobre uma esteira a entrada de casa. Um servidor cobria-lhe a cabeça com unguento, enquanto outro lhe massageava os pés.

Então o príncipe Djedefhor disse: "O teu estado é semelhante ao de um homem que ainda não atingiu a velhice, se bem que na realidade estejas já envelhecido, perto do momento da morte e do enterro. Estás no estado de um homem que dome de noite sem problemas, que não tem doenças nem acessos de tosse."

É assim que se saúda uma pessoa venerável.

E Djedefhor disse: "Vim aqui para te chamar, da parte de meu pai Khufu, justificado. Comerás belos manjares dados pelo rei a quem o serve, e ele far-te-a, depois de uma vida feliz, um belo sepultamento junto a teus pais, que estão na necrópole."

Então Djedi respondeu: "Em paz, em paz, Djedefhor, filho real amado de seu pai Que te recompense o teu pai Khufu, justificado. Que ele te promova entre os anciãos. Possa o teu ka lutar contra o teu inimigo e o teu ka conhecer os caminhos que te levam a porta de Hebesbag."

E assim que se saúda um filho de rei.

Então o príncipe Djedefhor estendeu-lhe as mãos e ajudou Djedi a erguer-se, caminhando com ele de mão dada ate à margem. Em seguida, Djedi disse: "Faz com que me cedam uma barca, para que eu possa levar os meus filhos e os meus livros."

Duas barcas com a sua equipagem foram então colocadas a disposição de Djedi, o qual embarcou no barco onde seguia o príncipe Djedefhor. Quando chegaram à corte, o príncipe Djedefhor entrou antes para pôr ao corrente a majestade do rei Khufu.

Então o príncipe Djedefhor disse: "Soberano, vida, força e saúde, meu senhor, trouxe comigo Djedi."

Sua majestade respondeu: "Vai e traga-o aqui."

Depois, sua majestade entrou na grande sala do palácio, vida, força e saúde, e Djedi foi introduzido lá.

Perguntou sua majestade: "Como foi que até ao presente eu nunca te vi, Djedi?".

Respondeu Djedi: "Só quem é chamado é que vem, soberano, vida, força e saúde, agora fui chamado e vim."

E perguntou sua majestade: "É verdade, segundo o que se conta, que podes juntar ao corpo uma cabeça cortada?"

Djedi respondeu: "Sim, sei fazer isso, soberano, vida, força e saúde, meu senhor."

Então sua majestade disse: "Tragam-me o prisioneiro que está na prisão para ser executado."

Mas Djedi respondeu: "Não, um ser humano, soberano, vida, força e saúde, meu senhor, porque é proibido fazer semelhante coisa ao gado sagrado [dos deuses]..."

Então trouxeram-lhe um ganso a quem tinham cortado a cabeça, colocando-se o ganso no canto oeste da grande sala e a cabeça no lado leste da grande sala. Djedi pronunciou algumas palavras mágicas, e o ganso ergueu-se, cambaleando, e a cabeça fez o mesmo. Quando as duas partes se juntaram, o ganso levantou-se, grasnando. Depois ele fez o mesmo com outro ganso. E sua majestade mandou que lhe trouxessem um boi cuja cabeça tinha sido cortada. Djedi pronunciou algumas palavras mágicas, e o boi ergueu-se perante ele.

E disse Khufu: "É verdade, como ouvi dizer, que sabes o número de câmaras secretas que há no santuário de Toth?"

Djedi respondeu: "Permita-me a tua majestade dizer que o número não sei, soberano, vida, força e saúde, meu senhor, mas sei onde pode ser encontrado."

Sua majestade perguntou: "Onde está"

Djedi respondeu: "Num cofre de pedra que está numa câmara do templo de Heliópolis, chamada câmara do inventário".

E sua majestade disse: "Vai então buscá-lo para mim."

Djedi respondeu: "Soberano, vida, força e saúde, meu senhor, não posso trazê-lo. Isso tem de ser feito pelo mais velho dos três filhos que estão no ventre de Reddjedet."

E sua majestade disse: "Então que se faça isso. Mas afinal quem é essa Reddjedet?"

Djedi respondeu: "É a esposa de um sacerdote de Rá, senhor de Sakhebu, que está grávida de três crianças de Rá, senhor de Sakhebu. O deus disse que eles exerceriam essa função benéfica de rei e que o primogênito deles seria o grande dos videntes em Heliópolis..."

Ao ouvir isso, o coração de sua majestade caiu na tristeza, mas Djedi disse-lhe: "Mas o que e essa tristeza, soberano, vida, força e saúde, meu senhor? É por causa das três crianças? Nota que tu, depois o teu filho e depois o filho dele reinarão antes do primeiro dos filhos de Reddjedet..."

Então sua majestade perguntou: "Quando é que Reddjedet dará a luz?"

Djedi respondeu: "No décimo quinto dia do primeiro mês do Inverno".

E sua majestade disse: "Ora é justamente nessa altura que os bancos de areia do canal dos Dois Peixes ficam a descoberto, servidor. Já passei por lá. de barco para ver o templo de Re, senhor de Sakhebu."

E Djedi respondeu: "Pois bem, farei com que haja quatro côvados de água sobre os bancos de areia do canal dos Dois Peixes..."

Então sua majestade entrou no seu palácio e disse: "Que Djedi entre na casa do príncipe Djedefhor e que viva com ele e que lhe sejam asseguradas rações alimentares de mil pães, cem jarros de cerveja, um boi e cem vegetais..."

E tudo foi feito de acordo com o que sua majestade tinha ordenado.
Fonte:
Contos de encantar

Patativa do Assaré (Poemas Escolhidos)



SAUDADE

Saudade dentro do peito
É qual fogo de monturo
Por fora tudo perfeito,
Por dentro fazendo furo.

Há dor que mata a pessoa
Sem dó e sem piedade,
Porém não há dor que doa
Como a dor de uma saudade.

Saudade é um aperreio
Pra quem na vida gozou,
É um grande saco cheio
Daquilo que já passou.

Saudade é canto magoado
No coração de quem sente
É como a voz do passado
Ecoando no presente.

A saudade é jardineira
Que planta em peito qualquer
Quando ela planta cegueira
No coração da mulher,
Fica tal qual a frieira
Quanto mais coça mais quer.
 
O POETA DA ROÇA

Sou fio das mata, cantô da mão grossa,
Trabáio na roça, de inverno e de estio.
A minha chupana é tapada de barro,
Só fumo cigarro de páia de mío.

Sou poeta das brenha, não faço o papé
De argum menestré, ou errante cantô
Que veve vagando, com sua viola,
Cantando, pachola, à percura de amô.

Não tenho sabença, pois nunca estudei,
Apenas eu sei o meu nome assiná.
Meu pai, coitadinho! vivia sem cobre,
E o fio do pobre não pode estudá.

Meu verso rastêro, singelo e sem graça,
Não entra na praça, no rico salão,
Meu verso só entra no campo e na roça
Nas pobre paioça, da serra ao sertão.

Só canto o buliço da vida apertada,
Da lida pesada, das roça e dos eito.
E às vez, recordando a feliz mocidade,
Canto uma sodade que mora em meu peito.

Eu canto o cabôco com suas caçada,
Nas noite assombrada que tudo apavora,
Por dentro da mata, com tanta corage
Topando as visage chamada caipora.

Eu canto o vaquêro vestido de côro,
Brigando com o tôro no mato fechado,
Que pega na ponta do brabo novio,
Ganhando lugio do dono do gado.

Eu canto o mendigo de sujo farrapo,
Coberto de trapo e mochila na mão,
Que chora pedindo o socorro dos home,
E tomba de fome, sem casa e sem pão.

E assim, sem cobiça dos cofre luzente,
Eu vivo contente e feliz com a sorte,
Morando no campo, sem vê a cidade,
Cantando as verdade das coisa do Norte.

FLORES MURCHAS

Depois do nosso desejado enlace
Ela dizia, cheia de carinho,
Toda ternura a segredar baixinho:
— Deixa, querido, que eu te beije a face!

Ah! se esta vida nunca mais passasse!
Só vejo rosas, sem um só espinho;
Que bela aurora surge em nosso ninho!
Que lindo sonho no meu peito nasce!

E hoje, a coitada, sem falar de amor,
Em vez daquele natural vigor,
Sofre do tempo o mais cruel carimbo.

E assim vivendo, de mazelas cheia,
Em vez de beijo, sempre me aperreia
Pedindo fumo para o seu cachimbo.

O BURRO

Vai ele a trote, pelo chão da serra,
Com a vista espantada e penetrante,
E ninguém nota em seu marchar volante,
A estupidez que este animal encerra.

Muitas vezes, manhoso, ele se emperra,
Sem dar uma passada para diante,
Outras vezes, pinota, revoltante,
E sacode o seu dono sobre a terra.

Mas contudo! Este bruto sem noção,
Que é capaz de fazer uma traição,
A quem quer que lhe venha na defesa,

É mais manso e tem mais inteligência
Do que o sábio que trata de ciência
E não crê no Senhor da Natureza.

CABOCLO ROCEIRO

Caboclo Roceiro, das plaga do Norte
Que vive sem sorte, sem terra e sem lar,
A tua desdita é tristonho que canto,
Se escuto o meu pranto me ponho a chorar.

Ninguém te oferece um feliz lenitivo
És rude e cativo, não tens liberdade.
A roça é teu mundo e também tua escola.
Teu braço é a mola que move a cidade

De noite tu vives na tua palhoça
De dia na roça de enxada na mão
Julgando que Deus é um pai vingativo,
Não vês o motivo da tua opressão

Tu pensas, amigo, que a vida que levas
De dores e trevas debaixo da cruz
E as crises constantes, quais sinas e espadas
São penas mandadas por nosso Jesus

Tu és nesta vida o fiel penitente
Um pobre inocente no banco do réu.
Caboclo não guarda contigo esta crença
A tua sentença não parte do céu.

O mestre divino que é sábio profundo
Não faz neste mundo teu fardo infeliz
As tuas desgraças com tua desordem
Não nascem das ordens do eterno juiz

A lua se apaga sem ter empecilho,
O sol do seu brilho jamais te negou
Porém os ingratos, com ódio e com guerra,
Tomaram-te a terra que Deus te entregou

De noite tu vives na tua palhoça
De dia na roça , de enxada na mão
Caboclo roceiro, sem lar , sem abrigo,
Tu és meu amigo, tu és meu irmão.

A FESTA DA NATUREZA

Na seca inclemente do nosso Nordeste,
O sol é mais quente e o céu mais azul
E o povo se achando sem pão e sem veste,
Viaja à procura das terra do Sul.

De nuvem no espaço, não há um farrapo,
Se acaba a esperança da gente roceira,
Na mesma lagoa da festa do sapo,
Agita-se o vento levando a poeira.

A grama no campo não nasce, não cresce:
Outrora este campo tão verde e tão rico,
Agora é tão quente que até nos parece
Um forno queimando madeira de angico.

Na copa redonda de algum juazeiro
A aguda cigarra seu canto desata
E a linda araponga que chamam Ferreiro,
Martela o seu ferro por dentro da mata.

O dia desponta mostrando-se ingrato,
Um manto de cinza por cima da serra
E o sol do Nordeste nos mostra o retrato
De um bolo de sangue nascendo da terra.

Porém, quando chove, tudo é riso e festa,
O campo e a floresta prometem fartura,
Escutam-se as notas agudas e graves
Do canto das aves louvando a natura.
Alegre esvoaça e gargalha o jacu,
Apita o nambu e geme a juriti
E a brisa farfalha por entre as verduras,
Beijando os primores do meu Cariri.

De noite notamos as graças eternas
Nas lindas lanternas de mil vagalumes.
Na copa da mata os ramos embalam
E as flores exalam suaves perfumes.

Se o dia desponta, que doce harmonia!
A gente aprecia o mais belo compasso.
Além do balido das mansas ovelhas,
Enxames de abelhas zumbindo no espaço.

E o forte caboclo da sua palhoça,
No rumo da roça, de marcha apressada
Vai cheio de vida sorrindo, contente,
Lançar a semente na terra molhada.

Das mãos deste bravo caboclo roceiro
Fiel, prazenteiro, modesto e feliz,
É que o ouro branco sai para o processo
Fazer o progresso de nosso país.

A TERRA DOS POSSEIROS DE DEUS

Esta terra é desmedida
e devia ser comum,
Devia ser repartida
um toco pra cada um,
mode morar sossegado.
Eu já tenho imaginado
Que a baixa, o sertão e a serra,
Devia sê coisa nossa;
Quem não trabalha na roça,
Que diabo é que quer com a terra?

AOS POETAS CLÁSSICOS

Poetas niversitário,
Poetas de Cademia,
De rico vocabularo
Cheio de mitologia;
Se a gente canta o que pensa,
Eu quero pedir licença,
Pois mesmo sem português
Neste livrinho apresento
O prazê e o sofrimento
De um poeta camponês.

Eu nasci aqui no mato,
Vivi sempre a trabaiá,
Neste meu pobre recato,
Eu não pude estudá.

No verdô de minha idade,
Só tive a felicidade
De dá um pequeno insaio
In dois livro do iscritô,
O famoso professô
Filisberto de Carvaio.

No premêro livro havia
Belas figuras na capa,
E no começo se lia:
A pá — O dedo do Papa,
Papa, pia, dedo, dado,
Pua, o pote de melado,
Dá-me o dado, a fera é má
E tantas coisa bonita,
Qui o meu coração parpita
Quando eu pego a rescordá.

Foi os livro de valô
Mais maió que vi no mundo,
Apenas daquele autô
Li o premêro e o segundo;
Mas, porém, esta leitura,
Me tirô da treva escura,
Mostrando o caminho certo,
Bastante me protegeu;
Eu juro que Jesus deu
Sarvação a Filisberto.

Depois que os dois livro eu li,
Fiquei me sintindo bem,
E ôtras coisinha aprendi
Sem tê lição de ninguém.
Na minha pobre linguage,
A minha lira servage
Canto o que minha arma sente
E o meu coração incerra,
As coisa de minha terra
E a vida de minha gente.

Poeta niversitaro,
Poeta de cademia,
De rico vocabularo
Cheio de mitologia,
Tarvez este meu livrinho
Não vá recebê carinho,
Nem lugio e nem istima,
Mas garanto sê fié
E não istruí papé
Com poesia sem rima.

Cheio de rima e sintindo
Quero iscrevê meu volume,
Pra não ficá parecido
Com a fulô sem perfume;
A poesia sem rima,
Bastante me disanima
E alegria não me dá;
Não tem sabô a leitura,
Parece uma noite iscura
Sem istrela e sem luá.

Se um dotô me perguntá
Se o verso sem rima presta,
Calado eu não vou ficá,
A minha resposta é esta:
Sem a rima, a poesia
Perde arguma simpatia
E uma parte do primô;
Não merece munta parma,
É como o corpo sem arma
E o coração sem amô.

Meu caro amigo poeta,
Qui faz poesia branca,
Não me chame de pateta
Por esta opinião franca.
Nasci entre a natureza,
Sempre adorando as beleza
Das obra do Criadô,
Uvindo o vento na serva
E vendo no campo a reva
Pintadinha de fulô.

Sou um caboco rocêro,
Sem letra e sem istrução;
O meu verso tem o chêro
Da poêra do sertão;
Vivo nesta solidade
Bem destante da cidade
Onde a ciença guverna.
Tudo meu é naturá,
Não sou capaz de gostá
Da poesia moderna.

Dêste jeito Deus me quis
E assim eu me sinto bem;
Me considero feliz
Sem nunca invejá quem tem
Profundo conhecimento.
Ou ligêro como o vento
Ou divagá como a lesma,
Tudo sofre a mesma prova,
Vai batê na fria cova; 
Esta vida é sempre a mesma.

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to