Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Chuva de Versos n. 467


Uma Trova de Maringá/PR
A. A. De Assis

Bom vento que vens das serras
ou dos campos ou do mar,
varre os ódios, varre as guerras,
deixa o amor enfim reinar!
___________________________________

Um Poema de Santos/SP
Carolina Ramos

MINHA AMIGA

Ah! Poesia...Poesia... quanto eu devo
à tua bênção repousante e pura!
Nos versos pobres que a sonhar escrevo,
vejo crescer à luz minha ventura.

Nos instantes contigo, dás-me o enlevo
da amizade leal. Tua ternura
leva-me à confidência – a ti me atrevo
a erguer o véu, se a angústia me tortura.

Com teu calor, se o inverno se avizinha,
devolves-me a ilusão das primaveras...
nos teus braços eu chego a ser rainha!

Ah! Poesia, que em versos eu bendiga
tudo o quanto me deste! E se o não deras,
bastaria saber que és minha amiga!
___________________________________

Uma Trova Hispânica da Argentina
Libia Beatriz Carciofetti

El hermano es ese lazo
que nos une a la familia
es el esperado abrazo
de plena noche en vigilia.
___________________________________

Um Poema de São José dos Campos/SP
Amilton Maciel Monteiro

AMIGO FELDMAN

Amigo igual você, que é joia rara,
eu quero conservar até morrer...
Tivesse nosso mundo uma seara 
de gente de seu jeito, ah que prazer!

Você sempre é cordial e nunca para 
de demonstrar apreço e bem-querer
a todos que o conhecem cara a cara, 
e até mesmo através só do escrever!

Eu peço a Deus que assim sempre o conserve
com tal civilidade e tanta verve, 
para tornar a vida mais feliz!

E sei que o Pai do Céu me atenderá,
porque seu Evangelho é que nos diz 
que, quem com fé pedir, alcançará!
___________________________________

Uma Trova de Arapongas/PR
André Ricardo Rogério

Toda vez que você canta,
encanta e a palmas faz jus.
A plateia se levanta
e o seu canto se faz luz.
___________________________________

Uma Glosa de Mogi-Guaçu
Olivaldo Júnior

De perguntas somos feitos, 
mil respostas sem saber... 
Somos seres imperfeitos, 
buscando outro amanhecer. 
José Feldman (Arapongas/PR) 

GLOSA: 

De perguntas somos feitos, 
já não há como fugir... 
Cada sol, com seus defeitos, 
quer a lua descobrir. 

Mil perguntas sem saber 
morrem virgens nestes lábios, 
que procuram responder 
a quem ouve a voz dos sábios. 

Somos seres imperfeitos 
cujo peito quer se abrir 
à mensagem dos eleitos, 
Buda ou Cristo a reluzir... 

Buscando outro amanhecer, 
cai a noite, e a lua, ágil, 
não pergunta: "Vou morrer?". 
Só flutua, mesmo frágil. 
___________________________________

Um Poema de Belo Horizonte/MG
Clevane Pessoa

PORQUE ABRAÇO O MUNDO

É preciso abraçar o Mundo para não perdê-lo:
ouvir a sonância e a dissonância de seus povos
conhecer as marcas de suas Terras
e tomar conhecimento da Natureza inteira...
Deixar que o nosso coração ritmado
se integre ao ritmo dos fenômenos naturais...

Abraçar o Mundo:
irmanar-se às outras gentes,
assimilar todas as diferenças
e somar pontos às igualdades
das demais Pátrias,
pois todos somos pertencentes à Terra,
semeados no mesmo Cosmos...

Abraçar o Mundo:
festejar as suas festas,
lamentar as suas guerras,
chorar as suas dores e misérias,
sobretudo, caminhar juntos para a verdadeira PAZ!
___________________________________

Trovadores que deixaram Saudades
Luiz Otávio

Saudade – sonho perfeito...
uma angústia... um não-sei-quê...
– Este vazio em meu peito,
todo cheio de você...
___________________________________

Um Poetrix de Curitiba/PR
Álvaro Posselt

um terço de culpa

com prosa não me meto
quando quero confessar
eu rezo um terceto
___________________________________

Um Poema de Curitiba/PR
Janske Niemann

ENSAIO PARA O NATAL 

Uma flauta solitária me entristece... 
Até parece 
que escuto a minha própria voz chorar. 

Uma flauta solitária geme e chora... 
Soluça agora, 
e que contagioso soluçar! 

Uma flauta solitária me entristece... 
Até parece 
que a Noite de Natal nos fez chorar.
___________________________________

Uma Trova Humorística do Rio de Janeiro/RJ
Renato Alves

Quando a feia se “embeleza”,
mas o resultado é trágico,
diz o espelho – que se preza:
– Ela pensa que sou mágico!...
___________________________________

Um Poetrix de São Paulo/SP
Ana Peluso

nova era

Era nova a nova era
Agora desmascarada:
É apenas a mesma velha.
___________________________________

Um Poema de Poços de Caldas/MG
Laércio Borsato

TEUS OLHOS AZUIS

Sonhei tanto quando era pequeno:
Gloria, riqueza...E nem sei contar...
Hoje, só quero o teu olhar sereno.
Só quero a paz de teu doce olhar!...

Olhos que eu gosto!...Meigos, divinos.
Olhos azuis! São lindos, sem par.
Eles lembram dois céus pequeninos...
Só os vi sorrindo, nunca a chorar.

Sei que nada sou:- Um moço triste
Com o destino de um cão sem lar.
Mas, um consolo enorme me assiste:
Tenho a ternura de teu doce olhar.

Um manso lago, nas tardes quentes,
Tudo é tão belo, convida-nos a amar.
Na superfície das águas silentes,
Vejo o azul de teu lindo olhar!...
___________________________________

Recordando Velhas Canções
O Portão
(1974)

Roberto Carlos

Eu cheguei em frente ao portão,     
 meu cachorro me sorriu latindo
Minhas malas coloquei no chão, eu voltei
Tudo estava igual como era antes,   
  quase nada se modificou
Acho que só eu mesmo mudei, 
eu voltei ...

Eu voltei, agora pra ficar, 
 porque aqui, aqui é o meu lugar
Eu voltei pras coisas que eu deixei, 
eu voltei ...

Fui abrindo a porta devagar,
  mas deixei a luz entrar primeiro
Todo meu passado iluminei, e entrei ....
Meu retrato ainda na parede,   
meio amarelado pelo tempo
Como a perguntar por onde andei e eu falei ...

Onde andei não deu para ficar,
  porque aqui, aqui é o meu lugar
Eu voltei pras coisas que eu deixei, 
eu voltei ....

Sem saber depois de tanto tempo   
   se havia alguém em minha espera
Passos indecisos caminhei e parei
Quando vi que dois braços abertos, 
  me abraçaram como antigamente
Tanto quis dizer e não falei e chorei ....

Eu voltei, agora pra ficar 
porque aqui, aqui é o meu lugar
Eu voltei pras coisas que eu deixei, 
eu voltei ....
___________________________________

Uma Trova de Porto Alegre/RS
Flávio R. Stefani

Quando nada mais te acalma
no sofrido altar da vida,
põe de joelhos tua alma,
que dela Deus não duvida!
___________________________________

Um Poema do Rio de Janeiro/RJ
Luiz Poeta

ENSAIO POÉTICO SOBRE AMIZADE

Amigos não se perdem, só se ausentam
E testam, sem nenhuma precaução, 
As nossas solidões que se alimentam
Do que a lembrança traz... por distração.

Não partem os amigos de verdade...
Nosso abandono, sim, quer companhia
E quando a solidão sente saudade
Invade o coração, por rebeldia.

Amigos de verdade compreendem
Ausências... e a distância eventual
Desperta emoções que surpreendem
A essência do amor mais fraternal.

E o modo mais sensato de lembrá-los, 
É tê-los no peito, no pensamento,
É muito mais que vê-los, é amá-los
Na dimensão maior de um sentimento.

Amigos verdadeiros colecionam
Nossos melhores gestos e sorrisos
Eternos, e sempre se emocionam,
Lembrando-nos felizes e expressivos. 

Amigo, meu amigo, não sufoca
Não mata as intenções mais infantis
Daquele que nos ama e nos evoca
A toda vez que quer ser mais feliz.

Por sermos muito iguais e ciumentos,
Perdemo-nos em tolas exigências
Amar é libertar os movimentos
Do outro, sem olhar as aparências.

Nós somos, sem querer, muito egoístas,
Mas nossas rédeas, sempre virtuais,
Nos mostram que as ânsias exclusivistas
Nos tornam muitas vezes desiguais.

Se olhássemos os voos de passarinho
Que outro tem que que dar sobre os azuis
Dos sonhos que ele traça com carinho
No espaço do amor que o seduz...

Veríamos que a nossa amizade 
É muito mais que um voo que alguém quer dar.
É descobrir, na essência, a liberdade, 
De ser feliz vendo o outro voar.

E perceber que quando a gente voa
O outro também é um passarinho
Que num bater de asas abençoa
O azul que nós fazemos de caminho.

Um dia, quando ocorre o inadiável 
E um de nós se vai concretamente,
Sentimos que essa perda inevitável
Resgata todo amor que a dor não sente.

O tempo é implacável, não perdoa,
As perdas que se tem em tantas vidas, 
Mas quando cada ser se sobrevoa,
Percebe que nem tem tantas feridas.

Amar não é se dar o par perfeito
Que atenda nossas ânsias infantis,
É compreender o lado satisfeito 
De alguém que apenas quer ser mais feliz.

Difícil é sentir-se uma metade
Quando o amor se torna prisioneiro
Da triste solidão de uma saudade
No instante do abandono derradeiro.

Por isso, quando dou novos matizes
Aos teus sonhos felizes que são meus, 
Tornamo-nos, num só, dois aprendizes
Do amor que nos tornou filhos de Deus.
___________________________________

Um Poetrix de Belo Horizonte/MG
Ângela Togeiro

das (in)certezas

Tanta desigualdade entre os homens…
Deus nos pôs no mundo
sem manual de instruções.
___________________________________

Uma Trova de Fortaleza/CE
Francisco José Pessoa

Saudade é o tempo guardado
dentro do peito da gente...
nó que se dá no passado
e se desfaz no presente.
___________________________________

Um Poema de Curitiba/PR
Paulo Walbach Prestes

APENAS SONHAR

Abro a janela e vejo a natureza tão bela, riscada pelo horizonte,
onde,  no despertar da manhã, aparece  um sol sedento, lambendo a água da fonte.

No céu, nuvens tão pálidas, sem brilho, sem cor...
parecendo figuras aladas, como anjos brincando de amor.
Ouço o rodar de um moinho e com certeza, dele, a água caindo ao chão,
pela roda que move o soquete, que mói o trigo, que faz o pão…

Lá fora, o vento levita as folhas pelo ar forrando meu canteiro;
trazendo ao meu olfato, o perfume da terra, e do café pronto -  o cheiro.

E lá em cima, junto às estrelas, empunhando o meu tocheiro,
e numa alegria sem par, auxilio o Universo, acendendo seu luzeiro...
esperando a magia do luar.

Fecho a janela...Deito-me ao meu ninho, e sozinho começo a orar, 
pedindo a Deus, para que do homem, o sonho jamais possa acabar.

   Tenho que ir,  não sei para onde, voarei para o infinito,
lugar tão distante e bonito, 
onde o poeta se esconde...
___________________________________

Uma Trova de Angra dos Reis/RJ
Jessé Nascimento

Não há verso, não há rima,
não há forma de se expor;
não há palavra que exprima
o viver um grande amor.
___________________________________

Hinos de Cidades Brasileiras
Frutuoso Gomes/RN

O teu solo é abençoado
Apossado de grande riqueza
O teu céu, o teu rio e matas
São presentes da mãe natureza

Refrão

Frutuoso terra nordestina
Encravada no alto sertão
O seu povo é potiguarino
O orgulho desta região

Desbravada nos anos quarenta
Pela mão do grande fundador
Frutuoso Gomes destemido
Sertanejo de fé e amor

O apito do trem ecoava
Despertando no povo, emoção
A chegada da estrada de ferro
Foi um fato de repercussão

A cultura que tem este povo
É semente dos seus ancestrais
Quanto mais se cultiva mais cria
Ela é fonte abundante demais

Só a seca castiga esta terra
Desde o cume até o baixio
Transformando a cor do tapete
Da pastagem da beira do rio

Quando chove tem muitas belezas
Esta terra de gente feliz
Onde as aves exprimem gorjeios
Num recanto do nosso país
___________________________________

Um Poetrix de S. Paio de Oleiros/Portugal
Anthero Monteiro

solidão

depois de tal loucura esta lonjura
depois da tua língua
a minha míngua
___________________________________

Um Poema de Cantagalo/RJ
Ruth Farah

TODOS PELA PAZ

Neste mundo ameaçado
pela maldade cruel,
parece terem montado
nova Torre de Babel.
Peçamos em oração
que os novos canhões de guerra,
em vez de destruição,
detonem amor na Terra.
"Vamos todos nos unir"
é um lema dos cristãos,
devendo a paz garantir
_ela está em nossas mãos.
Começando em cada lar
e no trabalho, também,
as pessoas vão se amar
visando somente o bem.

Respeitar o ser humano
com tal solidariedade
é um exemplo soberano
para toda a humanidade.
Com real inteligência
de sentimento profundo,
dando um basta à violência,
salvaremos nosso mundo.
Quando povos e nações
se consideram irmanados,
não há discriminações
_ direitos são respeitados.
Queremos, neste milênio,
seja o lema natural
dos povos igual convênio:
manter a Paz Mundial!
___________________________________

Uma Trova de Cantagalo/RJ
Ruth Farah 

O amor faz passar o tempo,
não há quem possa negar.
Mas, se o amor é passatempo,
o tempo é que o faz passar…

Fonte:
FELDMAN, José (organizador). Almanaque Chuva de Versos n. 467

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to