Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Estante de Livros (Dina Salústio: Mornas eram as noites)

artigo “O lirismo como voz em ‘Mornas eram as noites’, de Dina Salústio”, por Carina Carvalho

Os 35 textos bastante curtos de “Mornas eram as noites” mergulham no calor de histórias com um lirismo intenso, em que a subjetividade desponta na narrativa

Segundo os dicionários, algo morno se caracteriza pela ausência de energia, de vida, pela pouca intensidade e até por certa monotonia. O adjetivo parece descabido, no entanto, se pensamos no livro de contos da escritora cabo-verdiana Dina Salústio.

Dina, pseudônimo de Bernardina de Oliveira (1941), escreve em 1994 esta obra. Em 35 textos bastante curtos, raramente ultrapassando página e meia, mergulhamos no calor de histórias com intenso lirismo, em que a subjetividade desponta na aparente simplicidade narrativa.

A morna, verdadeiro símbolo cabo-verdiano, é um tipo de música cantada e dançada em ritmo lento – tradicionalmente, um canto de mulheres. Assim, a incursão pelo texto de Dina Salústio acontece em uma atmosfera de histórias contadas e cantadas com um forte caráter de oralidade e poesia. Engana-se quem pensa que, dadas essas características, os contos tratam somente de temáticas leves ou onde impera a doçura. Morte, solidão, violência, pobreza e frustrações também invadem as páginas, compondo um panorama social que não se compromete com mascarar a dureza cotidiana.

Logo nos primeiros contos, não demoramos a captar um olhar mais demorado da autora para as personagens e problemáticas femininas. Conhecemos a prostituta que, com medo de entrar no cemitério, deixa no testamento “o seu último e ilegítimo desejo”: música a acompanhá-la no momento do enterro, quando as esquinas acordarem sem seu corpo.

“O sobrinho, mais pobre que os pobres, espreitou, dias e dias no cemitério, todos os enterros que se seguiram ao dela. Ao décimo dia o peito minguado encheu de esperança: um senhor e seu violino choravam na campa de alguém. Raúl arranjou coragem e pediu-lhe, quase soluçando, que tocasse uma música para tia Djina. Uma só. Não a clássica morna hora di bai, mas uma canção francesa que falasse de amor – com todo o respeito, senhor – soluçou o sobrinho.” (p. 32)

Deparamos, ainda, em “Liberdade adiada”, com a angústia de uma mulher cansada, com um “enorme peso que lhe caía irremediavelmente em cima”, esperando que “a qualquer momento o coração lhe perfurasse o peito, lhe rasgasse a blusa” (p. 5). Carregando sua lata cheia de água pela estrada, o barranco sorri em convite, promete liberdade em um mergulho – ao mesmo tempo que o pensamento chega à casa, onde os filhos certamente já chamam por ela.

Embora ocupem espaço notável na maior parte das tramas, não só em torno das mulheres se constrói o livro, mas de temáticas que nos fazem pensar a própria condição humana, reproduzindo extratos de vida de várias classes sociais no cenário cabo-verdiano. É nessa percepção atenta que o livro nos capta, conferindo nova roupagem, de coisa conhecida, história sabida porque vivenciada, à realidade dos dias. Em “Ele queria tão pouco”, temos um adolescente rebelde, cujo passado todos desconhecem, residente de um lar para jovens sem família ou casa. No conto, o dono da loja vizinha reclama do roubo de um aparelho seu, cobra providências dos responsáveis. O rapazinho, então, acaba descoberto:

“Encontrei-o deitado à sombra da árvore, com a barriguinha nua para cima, o rádio colado ao ouvido, quieto, apenas o pé direito no ar, marcando um compasso que eu não adivinhava. Estava tão indefeso, tão entregue, que preferi deixar para falar com ele mais tarde, consciente de que cometia uma infracção. […] confessou que roubara o rádio, porque gostava de ouvir música sozinho e em silêncio e, na sala, os colegas faziam muito barulho. […]
— Eu queria um rádio só pra mim – dizia enquanto o retirava para mo dar.
Era mais um sonho que ele desenterrava para abandonar, para entregar.” (p. 26)

Se em muitos momentos as palavras nos chegam duras, cabe destacar quanto colaboram para a reflexão dos caminhos ainda a percorrer, e lembrar que, em outros tantos, encontramos uma esperança em minúcias: “Na rua, o tempo é cálido e uns pinguinhos de chuva dizem-me que é julho. Vou contar à minha amiga que está a chover e que vale a pena viver, nem que seja somente para ouvir a alegria dos sapos” (p. 66).

Seja nos meandros das vivências femininas, no retrato da violência e da miséria ou das relações humanas, os contos de Dina Salústio nos mostram uma matéria real em que, se a mornidão ainda impera, há sinais de que residam movimento e possibilidades no tom da noite.

“Sem idade, sem verdade
Encontrei-te por acaso. Sorrindo, disseste-me que a vida era bela. Não te perguntei a idade. Para que? Tu eras verão e tinhas nos olhos a madrugada. Nos gestos, a infância do louco que, montando num pássaro, desafia as nuvens. Cheiravas a rosa abrindo-se na moleza do sol e tinhas a macieza da terra bebendo o orvalho das manhãzinhas. Trazias inteira a doçura do mar no corpo de um bote ao sol poente e o teu sorriso era a beleza de um instante belo.

Como dizer ao verão que o inverno acontece frio e triste? Como dizer à madrugada que ela é mentira, que é dia, quando a letra vence, e é noite, quando as dores aumentam? Como avisar o louco que por baixo das nuvens o abismo corre cada vez mais rápido, cada vez mais fundo? Conseguiria dizer à rosa que logo haverá missa pelas almas com terços e flores? Conseguiria? Como dizer à terra que o orvalho não basta e que a estiagem fere, racha até sangrar? Como? Poderia dizer a um instante que o dia tem muitas horas, muitos meses, muitos séculos? Como dizer ao mar, ao barco e ao sol poente que o ciclone vem aí? Como?

Olhei para ti e nem me perguntaste porque de repente ficara tão triste. E deixei-te ir. Leve. Suave. Feliz. Sem idade. Sem verdade.” (p. 37)

Fontes:
SALÚSTIO, Dina. Morna eram as noites. 3.ed. Praia: Instituto da Biblioteca Nacional, 2002.
Artigo disponível em Homo Literatus

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to